domingo, 4 de dezembro de 2016

Caminhos de Abraão: higienizando o islão, nas ondas da "Nova Religião Global" ... também no Brasil


Este artigo discute como um movimento criado a partir da "nova religião global", dentro do movimento Novo Pensamento Global, higieniza o islamismo colocando-o acima de qualquer discussão ou crítica. No Novo Pensamento Global tudo vale, até mesmo o que é contraditório. A verdade é algo relativo de modo a agradar a todos, mas com isso, mata-se o absoluto. 
Uma iniciativa deste movimento é o "Caminhos de Abraão", uma espécie de caminhada ecológica, cultural e espiritual, passando pelas diversas localidades pelas quais Abraão teria passado, segundo a Bíblia, e segundo as narrativas distorcidas do Alcorão. Eis a nova religião global!
Um grupo no Brasil resolveu festejar o Caminhos de Abraão com atividades, visando "levar uma mensagem de convivência pacífica, paz e união entre cristãos, judeus e muçulmanos", quando, a rigor, esta convivência pacífica precisa ser promovida nos países de maioria islâmica (onde as minorias religiosas são perseguidas). Ao ignorar isso, na prática, a intolerância e xenofobia inerentes ao islamismo são aceitas como algo normal, e as minorias que vivem nos países islâmicos condenadas para sempre.
O artigo termina apresentando um dos líderes deste movimento "caminhos" no Brasil, um empresário libanês e ex-governador de uma província, sua ligação com a  história recente do Líbano e o motivo que o trouxe ao Brasil. 

A religião global do Novo Pensamento Global e os Caminhos de Abraão

A Escola de Direito da Universidade de Harvard, em Cambridge, nos EUA, iniciou, com o apoio da Associação para um Novo Pensamento Global (Association for Global New Thought), a chamada Iniciativa Caminhos de Abraão [1], [2]. Os Caminhos de Abraão são apresentados como uma espécie de caminhada ecológica, cultural e espiritual, passando pelas diversas localidades pelas quais Abraão teria passado, segundo a Bíblia, e, ... segundo o Alcorão [3]

Associação para um Novo Pensamento Global é uma organização de ministros, leigos, chefes de outras organizações de Novo Pensamento, e de pessoas de todas as fés, dedicados a "co-criação consciente". Ou seja, é um conglomerado pertencente a uma nova religião mundial onde vale tudo para se sentir bem, e não existe verdade absoluta, tudo é relativo, já que tudo tem que ser aceito como correto, mesmo o contraditório.

O conceito de Novo Pensamento (às vezes conhecido como "Pensamento Superior") "é uma forma espiritualmente motivada de vida e abraça as tradições de sabedoria antigas do Oriente e do Ocidente. "Nós encarnamos a crença que a consciência é essencialmente criativa, retribui o pensamento, e molda, assim, toda a manifestação. Nossos princípios refletem uma convicção universal que a comunidade de toda a vida é sagrada; nossas práticas de meditação e oração reforçam uma visão global promovendo a reverência e serviço para a humanidade e para o planeta Terra. O Novo Pensamento está empenhado na cura global através da transformação pessoal, de construção da comunidade, da compreensão inter-religiosa, intercultural e interdisciplinar e o ativismo compassivo"[4].

Apesar da Associação para um Novo Pensamento Global ter sido fundada em 1996, a idéia que permeia o Novo Pensamento vem do século passado, sendo o seu fundador o americano Phineas Quimby, em meados do século 19 [5]. A Wikipédia traz uma relação das denominações do Novo Pensamento. Parece um aglomerado de grupos exotéricos, pseudo-cristãos, e até mesmo um grupo chamado de judaísmo científico. Porém, nenhum grupo islâmico [6].

O problema desta nova religião mundial, onde vale tudo para se sentir bem, e não existe verdade absoluta, tudo é relativo, é que duas narrativas contraditórias são aceitas como corretas. No caso específico de Abraão, existe a narrativa bíblica judáica, seguida fielmente pelo cristianismo, que vem de quase 4 mil anos atrás. Aí, de repente, aparece Maomé, a 1400 anos atrás, e apresenta uma narrativa totalmente diferente e contraditória, que saiu da sua cabeça psicótica, onde, basicamente, Maomé afirma que Ibrahim (e não Abraão) era muçulmano (mas como, se não existia islamismo?) e que ele fundou Meca (mas como, se Meca foi fundada aproximadamente 200 anos antes de Maomé?). A afirmação de que judaísmo, cristianismo e islamismo são religiões abraâmicas (oriundas do mesmo Abraão) é uma mentira, e é lamentável que rabinos, padres e pastores afirmem isso. Mas, no dia de hoje, o que vale é ser bomzinho para receber elogio de jornais ... e a verdade que se lasque.

O Caminho de Abraão da Associação para um Novo Pensamento Global propaga esta mentira.

O "Caminho de Abraão" ... incluindo Tabuk, Medina e Meca, 
locais onde Abraão nunca colocou o pé 

É claro que todos os "irmãos em Abraão", podem caminhar em todos os lugares do caminho, exceto Meca e Medina, abertas apenas para os muçulmanos. Ou seja, a intolerância e a segregação islâmica são aceitas como norma. O islamismo vence.


O Caminho de Abraão no Brasil 

O "caminho de Abraão" fica no Oriente Médio, certo? Errado. Trouxeram ele para o Brasil.

Três pessoas, o empresário libanês Mohammed Souheil Yamout, o empresário brasileiro Alexandre Chade (Dotz) e o rabino Raul Meyer, "pegaram carona" na Iniciativa Caminhos de Abraão e criaram atividades no Brasil: o Caminho Virtual de Abraão, que consiste em uma corrida, a Corrida Caminho da Paz, e letreiros gigantes de 2 metros de altura, colocados em determinados lugares de São Paulo. As palavras usadas incluem "paz",  "diversidade" e "amor.". Houve uma benção ecumênica com a participação de um padre ortodoxo, um rabino e um xeique muçulmano. Um almoço no Lounge One do Shopping JK Iguatemi, para convidados, fechou o evento. [7]

A questão é que o conceito de amor no islamismo é totalmente diferente daquele do judaísmo e do cristianismo. Enquanto que nos dois últimos, Deus ama incondicionalmente a todos, inclusive os pecadores, no islamismo Alá apenas ama aqueles que ele (Alá) criou para seram muçulmanos. Os demais seres humanos foram criados (pelo próprio Alá) para não aceitarem Alá, e, por conseguinte, serem condenados ao inferno islâmico [8].  O Alcorão é claro ao afirmar que Alá não ama os descrentes (3:32 e 30:45), e que Alá amaldiçoa os judeus e os cristãos (Alcorão 9:30). Além do mais, Alá proíbe os muçulmanos de serem amigos dos judeus e cristãos:
Ó fiéis, não tomeis por amigos os judeus nem os cristãos; que eles sejam amigos entre si. Porém, quem dentre vós os tomar por amigos, certamente será um deles; e Alá não encaminha os iníquos. Alcorão, Surata 5,51.
Pois é, parece que este negócio religiões abraâmicas não funciona muito, não é mesmo? 

Um dos letreiros gigantes

O Alcorão considera os 'não muçulmanos' (káfirs) como “os animais mais repugnates” (Alcorão 98:51). O Alcorão os chama de "inimigos inveterados" dos muçulmanos (Alcorão 4:101). Os muçulmanos devem "prendê-los, cerca-los e embosca-los em todos os lugares" (Alcorão 9:5). Eles devem ser "emboscados, presos, e mortos onde quer que eles sejam encontrados, devem ser mortos ao serem encontrados, os inimigos do islão devem ser perseguidos de modo implacável" (Alcorão 4:90).  Os muçulmanos devem “lutar contra eles até que o islão reine supremo” (Alcorão 2: 193). Os muçulmanos devem "cortar suas cabeças, e cortar as pontas de seus dedos" (Alcorão 8:12).

O islamismo separa o mundo entre a Casa do Islão (Dar al-Islam) e a Casa da Guerra (Dar al-Harb). Não é com corridas onde a palavra "paz" esteja escrita no peito dos corredores que irá mudar isso. O islão precisa mudar.

Um outro problema muito sério que existe nesta iniciativa Caminhos de Abraão no Brasil, que diz desejar promover a união entre os povos, "levar uma mensagem de convivência pacífica, paz e união entre cristãos, judeus e muçulmanos", é que esta promoção apenas ocorre em "terras infiéis." Esta promoção não ocorre nos "países islâmicos." Por que será? A rigor, se existe um lugar no mundo onde a união entre os povos precisa ser promovida é exatamente lá.
  1. Por que não fazer esta iniciativa na Arábia Saudita, onde o governo considera ateísmo como terrorismo? [9]
  2. Por que não fazer esta iniciativa no Irã, onde o governo prende muçulmanos que abandonam o islamismo ou mesmo cristãos por beberem vinho sacramental? [10], [11]
  3. Por que não fazer esta iniciativa no Paquistão, onde o governo persegue raivosamente as minorias religiosas com a lei da blasfêmia? Durante a "oração ecumênica" alguém se lembrou, por exemplo, da paquistanesa Asia Bibi, condenada à morte por ter bebido água da mesma fonte que muçulmanos (e presa desde 2010)? [12], [13]
  4. Por que não fazer esta iniciativa na Indonésia? Ah, a moderada Indonésia, onde o governo açoita jovens em praça pública e igrejas são atacadas. [14]
Existem muito mais exemplos do que estes! (veja no final do artigo)

Puxa, parece que este negócio de religiões abraâmicas irmãs, letreiros gigantes e corridas pela paz não funciona no mundo islâmico, não é mesmo?

Um efeito colateral deste caminho de Abraão no Brasil é o de promover o islamismo, igualando-o ao judaismo e ao cristianismo, e livrando-o de qualquer responsabilidade das atrocidades cometidas ao redor do mundo, ao longo dos séculos, oriundas das ações e dizeres de Maomé, incluindo aquelas vindas do seu alter-ego, Alá, e sedimentadas na lei islâmica Sharia [15].


Quem é Mohammed Souheil Yamout

Mohammed Souheil Yamout é um empresário libanês de sucesso. Ele é dono de uma empresa, a Sousam Importação e Exportação de medicamentos, que movimenta 2.61 milhões de dólares e que gera 3 milhões de dólares de receita por ano [16], [17], [18]. Souheil Yamout foi governador da província libanesa de Mount Lebanon no final da década de 90, mas teve que fugir do Líbano, vindo para o Brasil, devido a uma ordem de prisão emitida contra ele pelo então Primeiro Ministro Lahoud, em uma campanha anti-corrupção [19]. Uma das referências consultadas diz que "fontes judiciais informaram que não consideravam Souheil Yamout como fugitivo da justiça como reportado pela imprensa" [20]. Uma outra fonte, em 2011, Yamout "não tinha respondido a uma série de ordens judiciais exigindo-lhe para retornar ao Líbano e testemunhar sobre o seu conhecimento do escândalo" [21]. (Fica difícil saber se o problema é real ou político.)

Souheil Yamout foi um dos braços direitos de Rafiq Hariri, o multi-milionário ex-primeiro ministro do Líbano, tanto em termos políticos quando em termos de operações financeiras, inclusive ficando responsável pelos negócios de Hariri no Brasil [22], [23]. Com o assassinato de Hariri, em 2005, Souheil Yamout foi mencionado no voto de pesar do Senado do Brasil, emitido pelo então senador Pedro Simon. Este voto de pesar menciona os encontros de negócio de Hariri com figuras importantes, tais como o Presidente Lula, os governadores de São Paulo (Alckmin) e de Minas Gerais (Aécio Neves), bem como com a prefeita de São Paulo (Marta Suplicy) [23]. Uma notícia mais recente diz que Souheil Yamout financiou a ida de um número grande de libaneses residentes no Brasil (10 mil?) para votarem nas eleições libanesas em 2011 [24]. Soheil Yamout permanece uma figura importante em parte da comunidade islâmica no Brasil, por exemplo, ao ser citado diversas vezes durante uma sessão solene na Assembléia Legislativa de São Paulo, em 2010 [25].

Informações sobre o primeiro ministro Rafiq Hariri podem ser encontradas em várias referências, algumas listadas abaixo [26].


Palavras finais

Este artigo não é uma crítica ao espírito da iniciativa das pessoas citadas nele, e muito menos crítica a estas pessoas. Contudo, o artigo  é uma chamada à reflexão. Muitas vezes, nós projetamos nos outros os nossos valores, quando os valores dos outros são diferentes para pior. No final, dá-se com os burros nágua. O fato é que a maioria dos muçulmanos desejam a lei de Alá (a Sharia) onde eles moram, e a carga negativa da Sharia, sobre muçulmanos e não muçulmanos, é insustentável.

O problema está no mundo islâmico, onde os governos aplicam a Sharia. Promover corridas, construir letreiros gigantes, acender velas, coisas deste tipo, podem nos fazer sentir bem, mas não resolvem o problema. As pessoas envolvidas neste projeto são poderosas. Por que não usar o seu poder para influenciar o governo da Arábia Saudita, Irã, Paquistão e Indonésia para deixarem de perseguir as minorias não muçulmanas (liberar Asia Bibi das garras do governo paquistanês já seria um começo)? Por que não ajudar os cristãos e iázides, perseguidos e esquecidos, a reergerem as suas vidas no Planalto de Níneve, ensinando os seus vizinhos sunitas a respeitá-los e não denunciá-los como "infiéis" para o primeiro grupo jihadista que virar a esquina?

A iniciativa brasileira dos Caminhos de Abraão é boa, mas não está sendo feita onde ela se faz necessária. Ela precisa acontecer nos países de maioria islâmica. 

Algumas leituras complementares ao artigo:


Referências:

[1] Abraham Path Initiative, sponsored by the Global Negotiation Project of the Harvard Law School, acessado em 2/12/2016.

[2] Abraham Path Initiative, about the Abraham Path, acessado em 2/12/2016.

[3] An Introduction to the Abraham Path Initiative, The Association for Global New Thought, acessado em 2/12/2016.

[4] The Association for Global New Thought, acessado em 2/12/2016.

[5] Phineas Parkhurst Quimby, 1802 - 1866, Father of New Thought, acessado em 2/12/2016.

[6] List of New Thought denominations and independent centers, Wikipédia, acessado em 2/12/2016.

[7] referências sobre a corrida:

Em intervenção urbana, palavras gigantes chamam a atenção pelas ruas, VEJA São Paulo, 1/11/2016.

ONG Caminho de Abraão pilotou almoço no JK Iguatemi em São Paulo, Glamurama, 24/10/2016.

Caminho da Paz dá informações úteis aos atletas; haverá traslado à largada, esportividade.

Caminho da Paz, quem somos, acessado em 2/12/2016.

Corrida Caminho da Paz traz novidades e amplia “palavras gigantes” em São Paulo, webrun, (O evento ... leva uma mensagem de convivência pacífica, paz e união entre cristãos, judeus e muçulmanos.)

[8]  Descrição gráfica do inferno: uma contribuição do islão para o mundo, Lei Islâmica em Ação.

[9] Saudi Arabia: New Terrorism Regulations Assault Rights, Human Rights Watch, 20/3/2014

[10] Eighteen Iranian Christian Converts Sentenced to a Total of 23 Years in Prison, Mohabat News, 22/5/2015

[11] Christians sentenced to 80 lashes by Sharia court for drinking communion wine, Express, 16/11/2016

[12] Lei da Blasfêmia no Paquistão, Lei Islâmica em Ação

[13] Asia Bibi: Sentenciada à Morte por um Gole D’Água, Lei Islâmica em Ação.

[14] Indonésia: onde a Sharia se faz presente, cada vez mais, Lei Islâmica em Ação.

[15] Lei Islâmica (Sharia) para os não-muçulmanos, Center for the Study of Political Islam, 2010.

[16] Sousam Importaçăo E Exportaçăo Ltda, FindTheCompany, acessado em 2/12/2016.

[17] Sousam Importao e Exportao Ltda, FindTheCompany, acessado em 2/12/2016.

[18] Sousam Importaçăo E Exportaçăo Ltda, Saúde Brasil, acessado em 2/12/2016.

[19] The name game, NOW, acessado em 2/12/2016. ("Lahoud embarked on an anti-corruption campaign aimed at jailing Hariri’s allies and business partners. One target of that campaign was Mount Lebanon governor Mohammad Suhail Yamout, who had done business on Hariri’s behalf in Brazil. Yamout fled Lebanon in 1999 for Brazil to escape an arrest warrant.")

[20] Lebanon - Corruption - Muncipal Fund Squandering Investigations Gather Steam, soc.culture.lebanon, acessado em 2/12/2016. (Judicial sources added that they did not consider former Mount Lebanon governor Mohammed Souheil Yamout to be “a fugitive from justice, as was being reported in the media.” ... But the sources added that judicial authorities were awaiting
clarification from the premier’s office regarding the expiry of Yamout’s authorized permission to leave the country, after hearing reports that it had ended in March.)

[21] Souheil Yamount, a long-time investment and government relations advisor to the Hariri Family Group, Wikileaks: the Lebanon cables, #416, theorangeroom, acessado em 2/12/2016. (Meanwhile, a warrant has been issued by Assistant State Prosecutor Amin Abu Nassar for the arrest of former Mount Lebanon Governor Mohammed Souheil Yamout in connection with the case. Yamout, who currently lives in Brazil, had not responded to a series of court orders requiring him to return to Lebanon and testify about his knowledge of the scandal.)

[22] Ex-premier do Líbano tinha negócios no Brasil, O Trabuco, acessado em 2/12/2016.

[23] REQUERIMENTO  Nº 34, DE 2005, SENADO FEDERAL, acessado em 2/12/2016.

[24] Souheil Yamount, a long-time investment and government relations advisor to the Hariri Family Group, Wikileaks: the Lebanon cables, #417, theorangeroom, acessado em 2/12/2016. (President Suheil Yamout of the Future Institute provided perhaps the most concrete example of intense selective engagement when he described his organizations "get out the vote" drive for Lebanon's March parliamentary elections to Cohen and Keil. The Future Institute aims to fly some ten thousand Brazilian citizens who also hold Lebanese passports back to Lebanon to vote this March, providing up to USD 10,000 in financial support to each one to make the trip.)

[25] 020ª SESSÃO SOLENE EM COMEMORAÇÃO AO “DIA DO ISLAMISMO”, Assembléia Legislativa de São Paulo, 10 DE MAIO DE 2010, acessado em 2/12/2016.


Algumas (poucas) referências sobre Rafia Hariri 

[26]

Totalitarian Hezbollah Islamic thugs' murder of Lebanon's PM Rafik Hariri and the threats terror-tactics, violence for any exposue, trial, comentário de leitor ao artigo Who is Behind Hezbollah?, Middle East Forum, 13/1/2011, acessado em 2/12/2016.

Embezzlement and Corruption under the Hariri Regime, Middle East Intelligence Bulletin, Vol.1, No. 4, 1999, acessado em 2/12/2016.

Embezzlement and Corruption under the Hariri Regime: Part II, Middle East Intelligence Bulletin, Vol.1, No. 5, 1999, acessado em 2/12/2016.

Dossier: Rafiq Hariri, Prime Minister of Lebanon, Middle East Intelligence Bulletin, Vol.3, No. 7, 2001, acessado em 2/12/2016.



quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Atualização em novembro de 2016

Veja o que entrou de novo no blog em novembro de 2016, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.


Sou mulher, muçulmana e imigrante. Votei em Donald Trump
Esta muçulmana é considerada como apóstata pelos muçulmanos de verdade, e, claro, racista e islamófoba pelos esquerdopatas dos EUA (Publico).  

Iraque: 32 pessoas mortas por abandonarem o islamismo
(Aranews)

EUA: documentário de ex-muçulmanos gera controvérsia
Em 23 de novembro, mais de 60 pessoas participaram da exibição do documentário "Islam's non-belivers" (infiéis" do Islã) na Portland State University. O documentário apresentou os testemunhos pessoais de ex-muçulmanos que enfrentam ameaças de morte, abuso severo e ostracismo de suas comunidades por deixar o Islã. A diretora do filme, Deeyah Khan, é uma ativista muçulmana e de direitos humanos. (The Ex-Muslim)

Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 1Parte 2
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
Suécia e o problema muçulmano: meio milhão de mulheres atacadas sexualmente em um ano
Coloque isso em perspectiva para ver o quão horrível esses números realmente são: a população sueca total é de apenas 9,6 milhões de pessoas. Em 2009, um relatório dos EUA afirmou que existem entre 450.000 a 500.000 muçulmanos na Suécia, cerca de 5% da população total. Dos 500.000 imigrantes muçulmanos na Suécia, metade, ou um pouco menos, são homens. Em outras palavras, ocorrem, aproximadamente, dois ataques sexuais para cada homem muçulmano na Suécia. Esses ataques sexuais não são cometidos pelos nativos suecos (Muslim Statistics, Boras Tdning).

Suécia: capital mundial do estupro 
1. Menina ameaçada de estupro por não ser "muçulmana o suficiente." O evento é apenas mais um de uma série de incidentes de intimidação e violência que abalam as escolas em Malmö. (Frida Tider)
2. Mohammed, um refugiado "de menor" assalta mulher sexualmente dizendo "eu faço o que eu quero." Ele diz ter 17 anos. Ele viu a sueca de 21 anos na rua, e decidiu enfiar a mão entre as suas pernas. (Frida Tider)

Alemanha: clérigos muçulmanos multados por celebrarem casamento de meninas menores de idade
Eles casam meninas menores de idade porque foi isso que Maomé fez, e está na lei islâmica Sharia. Estes imãs deveria ser presos! (RT)

Canadá: capelão da polícia de Toronto acusado de considerar mulheres como cidadãos de segunda-classe
Musleh Khan diz que mulheres devem ser obedientes, só sair de casa com a permissão do marido, e "dar para o marido" a hora que ele quiser, sendo este um modo de adoração a Alá. Ele está apenas seguindo a Sharia (The Star).

Dubai: turista acusada de "sexo extra-marital" por ter sido estuprada
A mulher, britânica, foi estuprada por dois homens. Ela está presa. Segundo a Sharia, ela precisa de 4 testemunhas do sexo masculino ou se eles confessarem. Ela não tem nada.  (Express)

Dubai: ONG sugere que mulheres estupradas fiquem caladas 
Radha Stirling, fundadora de instituição que ajuda os ocidentais que são vítimas das leis draconianas do país islâmico, disse: "As pessoas entram em contato conosco para perguntar se devem denunciar um crime, seja uma estupro ou qualquer outra coisa. Muitas vezes, eu digo que não. Existe a percepção social de que, se uma mulher bebe álcool, ela consentiu (sexo). E há também uma mentalidade racista ao pensar: "Ela é britânica, então ela provavelmente estava bêbada e pedindo por isso."

Não é à toa que os muçulmanos odeiam a Bíblia ...


Turquia: projeto de lei perdoa estupradores se eles se casarem com a vítima
O estuprador goza duas vezes, e a vítima, violentada por ele, passa a ser (mais uma) esposa.  A vítima não tem vez, é o estuprador quem decide. O governo alega que esta lei irá resolver o problema do casamento de menores, já que a lei se aplica a "mulheres de até 18 anos." A lei irá retroagir a 2005  (Independent).

Doutrinação

Egito: Crianças expulsas da escola por se recusarem a usar o hijab ou recitarem o Alcorão 
Enquanto na França os "multiculturalistas" defendem o direito das mulheres muçulmanas usarem o hijab (sob coerção dos seus parentes e tutores muçulmanos do sexo masculino), e tudo em nome da "tolerância" e do "politicamente correto", no Egito, meninas cristãs são expulsas de escolas por se negarem a usar o hijab. (Express)

Alemanha: muçulmana usando niqab defende jihad na TV 
Ela fez isso durante programa que discutia a radicalização dos jovens (DN)

Áustria: maioria dos muçulmanos são radicalizados na própria Aústria
Radicalizados por quem? Governo identificou 300 radicais, sendo que 40% deles vieram como refugiados. (Breitbart)

Sri Lanka: 32 muçulmanos, de famílias bem-educadas e da elite, se juntam ao Estado Islâmico
Isso serve para derrubar o mito que é a pobreza que leva ao jihadismo. (Reuters)

O profeta (a paz esteja com ele) disse: "Se encontrardes alguém fazendo como o povo de Lot fez, matai aquele que faz e aquele a quem a coisa é feita." (Hadice Abu Dawood 38:4447) -- PS. O "povo de Lot" são os homens que aparecem na Bíblia querendo fazer sexo com os homens que se hospedaram na casa de Lot (Gênese 19:4-5)
Rússia: pai muçulmano esquarteja filho trans-sexual
Uma jovem trans muçulmana foi morta por esquartejamento na Rússia dias após se casar com um homem e ver seu pai ir a uma emissora de TV para pedir: "Tragam meu filho aqui e matem-no na minha frente". (Extra)

Os gays islâmicos não trocam de posição na cama?
Aparentemente, não. Os ativos em geral são homens mais velhos e casados. Os passivos têm menos de 16 anos e fazem sexo a contragosto ou por dinheiro. (Veja)


Halal - Boicote Halal 

Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.

Veja se eu já tenho isso ... http://www.mirror.co.uk/news/uk-news/halal-horror-house-undercover-video-7871779

Canal Rural faz propaganda do abate halal
Reportagem sobre o abate halal, entrevistando o presidente das Associações Muçulmanas no Brasil, Mohammed Zogbi, que, claro, fez a afirmação usual de que os animais morrem instantaneamente sem sentirem dor, algo que é uma tremenda mentira! (Canal Rural)

História (Arte e Jahiliyya)

Estado Islâmico destrói sítios arqueológicos
A jihad contra a história continua. Reporta-se que o Estado Islâmico destruiu o Zigurate de Nimrod, um templo elevado construído 3 mil anos atrás.
http://www.smithsonianmag.com/smart-news/isis-has-destroyed-nearly-3000-year-old-assyrian-ziggurat-180961101/
https://pt.wikipedia.org/wiki/Zigurate


Canal Rural faz propaganda do abate halal
Reportagem sobre o abate halal, entrevistando o presidente das Associações Muçulmanas no Brasil, Mohammed Zogbi, que, claro, fez a afirmação usual de que os animais morrem instantaneamente sem sentirem dor, algo que é uma tremenda mentira! (Canal Rural)

Grupo salafista banido na Alemanha atua no sul do Brasil
Organização "A Religião Verdadeira", acusada de propagar radicalismo no país europeu, promove distribuição de exemplares do Alcorão em Florianópolis. Campanhas semelhantes já foram realizadas em 15 países. Palestino naturalizado alemão Ibrahim Abou-Nagie, esteve no Brasil em julho passado. (DW). 


Eleição nos EUA e o apoio de Clinton e Obama ao salafismo, wahabismo e Irmandade Muçulmana
Um artigo que revê como Obama e Hillary Clinton apoiam o imperialismo islâmico e a propragação da lei islâmica.

Donald Trump foi eleito. E agora? (islamistas e seus apologistas procupados)
Porque Trump ganhou e como ele pode reverter a trágica herança de Obama.

Reações sobre a eleição de Donald Trump. "Morra, branco, morra."
Manifetações contra o presidente eleito Trump, orquestradas por organizações de grupos radicais globalistas, algumas financiadas por George Soros, ocorrem em algumas cidades dos EUA. Pixações, pneus queimados, vidros quebrados, ruas bloqueadas, prédios públicos bloqueados, ... o usual em manifestações deste tipo. E, claro, ônibus para transportar os manifestantes, e alunos secundários retirados das suas aulas e levados por professores "progressistas." Tudo orquestrado. Será que teve hot dog de mortadela? (Breitbart, Breitbart, Free Republic, InfoWars)
  1. Manifestante diz que "pessoas precisam morrer" (CNN video: https://youtu.be/Td4-UeLqikc)
  2. Homem é tomado como eleitor de Trump e apanha de grupo de homens. Ouvem-se vozes no vídeo dizendo "você votou no Trump" (Facebook)
  3. Menino apanha por ter votado em Trump em eleição na escola (InfoWars)
  4. Os casos se sucedem, e não iremos manter uma lista. Mas o vídeo abaixo descrevem bem a situação:


EUA: líder muçulmano promove "derrubar o governo" após vitória de Trump
Hussam Ayloush, do grupo islâmico CAIR, escreveu em um twitter o grito da Primavera Árabe "O povo deseja derrubar o governo." (fonte)
   

Donald Trump deverá nomear General Michael Flynn Conselheiro para a Segurança Nacional 
Uma boa escolha! As posições do General Flynn são anti-Sharia e anti-Jihad! (Notícias)

EUA: Obama importou 50 mil somalianos durante o seu governo
Desde o 11 de setembro de 2001, os EUA acolheram 97 mil, 99% deles são muçulmanos. Este influxo resultou na criação da Pequena Mogadício, em Columbus, Ohio, e um grande número de refugiados somalianos nos EUA se juntou ao grupo jihadista al-Sabaab (Newmax).

EUA: Amazon proíbe venda da fantasia "burca sexy" mas continuou vendendo a "freira sexy"
Em se tratando de islão, a grande imprensa é sempre cuidadosa em "não ofender", mesmo que isso exija ocultar a verdade. Mas, quando o assunto é cristianismo, ou qualquer outro valor associado ao Ocidente, a imprensa não faz cerimônia em ridicularizar. (Gatestone Institute).


EUA: Amazon retira de venda capachos escritos neles
Será que a Amazon retiraria de venda capachos que estivessem escritos "Jesus" ou "YHWY" ou "Jeová" ou tivesse uma cruz? Provavelmente não.  (Asianimage)

Egito. Deputado diz que eleição de Trump significa "dias negros para a Irmandade Muçulmana e seus aliados"
Mustafa Juneidi celebrou a vitória de Trump. Para ele relações entre Egito e EUA irão melhorar. Obama praticamente congelou as relações com o Egito depois que o governo da Irmandade Muçulmana foi deposto pelo General Sisi. (Breitbart)

Cuba se abriu, e vai deixar que países extrangeiros construam mesquitas
Cuba aceita o islamismo, apesar de praticamente não existir islão em Cuba, por achar que o islamismo é inimigo dos EUA. Alerta ao governo cubano: com respeito ao islão, a máxima "o inimigo do meu inimigo é meu amigo" não se aplica. O islamismo é amigo apenas dele próprio. (Portas Abertas)

Canadá: governo financia a Jihad Demográfica
Governo paga 25 mil dólares por ano a cada família dos 33.723 refugiados sírios (muçulmanos sunitas) aceitos em 2015. Esta quantia aumenta com adicionais por filho, podendo chegar a 45 mil. Este fato, associado ao fato dos refugiados não terem trabalho (por falta de habilidades e uma economia recessiva), tornam "fazer filhos" a única atividade dos homens muçulmanos. (CIJNews)

Suécia: Governo Proíbe Iluminação Pública Natalina Para Não Ofender Muçulmanos
(critica nacional)

Muçulmanos espancam sósia sueco de Trump quase até à morte
Anders Vendel, celebridade da TV e proprietário de um restaurante em Malmö, reside na "maior cidade sueca multicultural." (Sputnik News)


Dinamarca: "NÓS SABEMOS ONDE VOCÊ MORA" 
Esta frase foi pintada na porta da casa de uma das líderes do movimento pró-liberdade PEGIDA, na Dinamarca. Tania Groth vem sendo ameaçada por grupos islâmicos e esquerdopatas pelo simples motivo dela estar defendendo valores liberais clássicos e os verdadeiros direitos das mulheres.
O islamismo é crime organizado em escala global.


Alemanha: Conselho da Imprensa tenta impor auto-censura 
Eles querem que o noticiário não diga que quem está cometendo os estupros e roubos são os refugiados muçulmanos (Gatestone).

Alemanha: centenas de jihadistas entraram como refugiados
Serviço secreto alemão e austríaco informaram em um relatório. Diversas células militantes estão espalhadas pela Europa (Breitbart).

Alemanha: muçulmanos odeiam cristãos e desejam proliferar mais que seus anfitriões alemães
Uma tradutora, que vive na Alemanha, revelou que muçulmanos acreditam que o país "deve ser islâmico", segundo um novo relatório. Segundo a tradutora "algumas mulheres [muçulmanas] me disseram: 'Vamos multiplicar nossos números. Devemos ter mais filhos do que os cristãos porque é a única maneira de destruí-los aqui." Os muçulmanos imigrantes que ela falou revelaram ter um ódio aos cristãos e estão determinados em destruir o cristianismo. (Express)

Papa diz ser imprudente um país receber mais refugiados do que permite a sua capacidade de integração 
Respondendo a uma pergunta sobre o que ele pensa da decisão de um país de fechar suas fronteiras, o Papa Francisco comentou: "Creio que, em teoria, não se pode fechar o coração a um refugiado, mas os líderes políticos precisam ser prudentes. Devem ser abertos para recebê-los, mas também precisam ser prudentes quando se trata de resolver como alojá-los, pois não se trata apenas de receber um refugiado; eles também precisam serem integrados." (Militant Church)


Itália: muçulmana é multada em 30 mil euros por não remover o seu niqab dentro da prefeitura (recusar a mostrar o rosto)
O prefeito da cidade de Pordenone pediu para ela se identificar. Ela criou confusão. Acabou sendo levada para o Juiz que a multou (Daily Mail). 

Grã-Bretanha: BBC irá mostrar "chamada à oração islâmica" pois ela considera sua programação muito tendenciosa para o cristianismo
Suicídio da Civilização Ocidental (Express).


Grã-Bretanha: autoridades escondem os crimes de honra
Vazou a informação que a promotores estão deixando de avançar os casos de crime de honra por medo de criar agitação na "comunidade asiática" (como a imprensa inglesa chama os muçulmanos)  (Guardian). 

Grécia: refugiados tacam fogo em acampamento, e atacam gregos com explosivos
Isso aconteceu em Souda. Resultado: 4 feridos e mais de 50 presos pela polícia anti-motim, que teve que intervir para impor a ordem. (Express)

Turquia Transforma a Hagia Sophia em Mesquita
Ao nomear um imã permanente para a Hagia Sofia, o governo turco do islamista Erdogan torna a antiga catedral em uma mesquita. Deste modo, ele revogou a ordem de Atarturk, de manter a antiga catedral como um museu. Esse é um grito do imperialismo islâmico, afirmando que "apesar das inúmeras garantias dos muçulmanos moderados do contrário, o Islã contemporâneo é intolerante na sua maneira de ver as coisas, beligerante com respeito aos infiéis e perigosamente hegemonista quanto as suas intenções." (Gatestone Institute)

França: secularismo se tornou uma avenida larga para o islamismo; proibição aos sinos, mas não a chamada à oração muçulmana
Artigo do Instituto Gatestone mostra que o secularismo francês colocou o cristianismo no canto, abrindo a porta para o salafismo e wahabismo. O secularismo proibiu as igrejas de tocarem os seus sinos, mas permite que os muezins façam a chamada à oração através de autofalantes.

França: duas novas mesquitas construídas por semana com financiamento do exterior 
Artigo do Instituto Gatestone relata que a ajuda financeira do exterior cobre em média 50% do custo total da construção das mesquitas. (Algo semelhante ocorre no Brasil: a islamização é financiada do exterior).

França: mais da metade da população vive com medo de ser morta em um ataque da jihad islâmica
Informação de um pesquisa de opinião da Red Cross. (Express)

França: jihadista preso recebia dinheiro de Portugal 
Portugal financiando a jihad (tvi24). Como filtrar estes caras?

França: muçulmanos ateam fogo em 26 carros
Isso ocorreu em um bairro chique de Paris.

video

Bulgária: nova arruaça dos refugiados resulta na decisão de expulsá-los
A Bulgária anunciou que vai acelerar a expulsão de refugiados depois dos confrontos desta noite em Harmanli, no maior campo do país, perto da fronteira turca. Pelo menos 400 migrantes foram detidos e 24 polícias ficaram feridos, devido à violência (Euronews).



Austrália: pastor evangélico abre a sua igreja para as orações islâmicas da sexta-feira
O pastor Peter Humphris, traidor, ainda tem a audácia de dizer que "Maomé abrigou cristãos na primeira mesquita em Medina, Arábia Saudita no século VII." Idiota. Onde você leu isso? Você foi enganado pelo imã! Maomé nunca abrigou cristãos, muito pelo contrário, ele mandou expulsar todos os cristãos e judeus da Arábia. (Noticia Gospel)

Jihad – lista de atentados

Exército paquistanês destrói mercado por recusa de fornecimento de armas ao Talibã
De acordo com o relatório "Em retaliação aos locais que se recusam a fornecer armas para as organizações terroristas internacionais Taliban e Al-Qaida, oficiais do Exército explodiram um centro de negócios de dois andares, que tinha mais de 150 lojas e quatro salas comerciais. Este incidente ocorreu em Wana City, a sede do Waziristão do Sul. (Khaama)

EUA: jihad da facada na Universidade de Ohio
Abdul Razak Ali Artan, um muçulmano devoto oriundo da Somália, refugiado, usou um veículo e depois um facão para atacar os infiéis, aos gritos de Allahu Akbar. Ele acabou morto pela polícia. Antes da sua jihad, ele escreveu no Facebook "por Alá, eu não irei dormir até que vocês deem paz para os muçulmanos. Eu não irei permitir que vocês celebrem o feriado [do dia de ação de graças]." (Fox61)

EUA: jihad da facada em restaurante em Columbus
O muçulmano Mohammad Barry entrou no restaurante Nazaré, em Columbus, Ohio, e começou a atacar os clientes, aos gritos de Allahu Akbar. Na verdade, ele queria atacar o seu dono, Hany Baransi. Hanry é cristão árabe nascido em Israel. Ele se diz israelense com orgulho e tem uma bandeira de Israel no restaurante. Por este motivo, ele se tornou alvo da fúria islâmica, latente no coração maometano. O FBI tinha Mohammad no seu radar desde 2012, devido às suas posturas pró-jihad, mas deixou passar. (Frontpage)

Jihad da Vitimização 

EUA: muçulmana diz ter tido seu véu arrancado; polícia confirma que ela mentiu
Uma estudante da Universidade de Lafayete, no estado da Luisiana, disse que partidários do Trump (homens brancos) puxaram o seu véu (hijab). A polícia disse que o incidente foi fabricado. A muçulmana admitiu ter mentido (KLFY). Agora, ela está sendo processada por falso testemunho (Milo)

Se fazendo de vítima ... 
1. Muçulmanas ameaçam deixar o Reino Unido se a burca/niqab forem banidos. (fonte)
2. Muçulmanos ameacam deixar os EUA se Donald Trump se tornar presidente. (fonte)



Indonésia: governador (cristão) de Jakarta acusado de blasfêmia
Basuki Tjahaja Purnama, Ahok como é mais conhecido, é o primeiro líder político em mais de meio século. Ele se elegeu governador da capital do país. Mas a lei islâmica não permite que muçulmanos sejam governados por não muçulmanos. Então, 200 mil muçulmanos de verdade sairam às ruas acusando-o de blasfêmia por ele ter citado um verso do Alcorão durante a sua campanha. A polícia acatou a acusação e o interrogou por mais de 8 horas. (Jakarta Times, Jakarta Times)

Paquistão: proibir conversões forçadas é anti-islâmico
Noorani, Shah Ovais Noorani, Secretário-Geral do Partido Jamiat Ulema-e-Pakistan disse que seu partido não aceitará o projeto recentemente aprovado que proíbe a conversão forçada porque é "contra o espírito do Islã". O projeto de lei, o primeiro de seu tipo no Paquistão, foi recentemente aprovado na Assembléia do Sindh para promover a liberdade religiosa e proteger os direitos das minorias. (Tribune)

EUA: Documentário sobre ex-muçulmanos causa fúria
Apresentação de ex-muçulmanos leva islamistas e seus apologistas esquerdopatas à loucura. Isso aconteceu na Universidade do Estado de Portland, nos EUA. A reação dos islamistas e seus lacaios esquerdopatas é esperada. O que está acontecendo é que ninguém mais tem paciência para os gritinhos desta turma, chamando os outros de racistas e islamófobos. Isso acabou. Ficar gritando e rotulando os outros é ilógico e não assusta mais ninguém (ex-muculmanos).

EUA: Amazon proíbe venda da fantasia "burca sexy" mas continuou vendendo a "freira sexy"
Em se tratando de islão, a grande imprensa é sempre cuidadosa em "não ofender", mesmo que isso exija ocultar a verdade. Mas, quando o assunto é cristianismo, ou qualquer outro valor associado ao Ocidente, a imprensa não faz cerimônia em ridicularizar. (Gatestone Institute).


EUA: Amazon retira de venda capachos escritos neles
Será que a Amazon retiraria de venda capachos que estivessem escritos "Jesus" ou "YHWY" ou "Jeová" ou tivesse uma cruz? Provavelmente não.  (Asianimage)

Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Egito: Crianças expulsas da escola por se recusarem a usar o hijab ou recitarem o Alcorão 
Meninas cristãs são expulsas de escolas por se negarem a usar o hijab. Meninos cristãos são obrigados, sob ameaça de violência, a decorar o Alcorão, mesmo não fazendo parte do seu currículo (Express).

Nigéria: em 3 anos (2013-2016), 826 cristãos mortos, outros 878 feridos, e 102 igrejas destruídas no Estado de Nasarawa
Além disso, 787 casas, 9 lojas e 32 veículos foram destruídos. Um total de 21 mil cristãos se tornaram refugiados tendo que viver em acampamentos, deprivados das suas propriedades e modo de sustento. Os cristãos são alvo do grupo Hausa-Fulani bem como por políticas governamentais deliberadas para marginalizar os cristãos e as comunidades cristãs. (World Watch Monitor).

Nigéria: cristãos são preteridos pela ajuda humanitária
“Quando alguém chega com ajuda, os cristãos são separados, não é dado alimento a eles pelo simples fato de acreditarem em Cristo.” Não há alívio para os “infiéis.” (Portas Abertas)

Iraque: destruição em Keramlis. Até as estátuas foram degoladas
Com a libertação de Keramlis, no Planalto de Níneve, iraquianos cristãos começam a retornar, encontrando a destruição e profanação feita pelos jihadistas do Estado Islâmico. Estátua de Nossa Senhora e Jesus foram "degoladas" e igrejas destruídas. (AP)

Iraque: cristãos narram como eles sobreviveram sob o Estado Islâmico
Eles foram roubados, forçados a cuspir no crucifixo ou se tornarem muçulmanos, mas um pequeno grupo de cristãos conseguiu sobreviver miraculosamente sob o jugo do grupo (Breitbart). Em outra notícia, cristãos narram tortura, crucificação e escravidão sexual, que eles testemunharam (Christianity Today):
  1. Os cristãos foram informados de que deveriam sair, se converter ao Islã ou pagar um imposto especial.
  2. Aqueles deixados para trás foram submetidos a tortura, conversão forçada, escravidão sexual e até crucificação.
  3. Mulheres, algumas com 12 anos de idade, foram levadas em escravidão sexual, uma se transfornou escrava sexual de um Emir do ISIS.
  4. "O irmão de minha esposa foi torturado e crucificado pelo ISIS na frente de sua esposa e filhos, que foram obrigados a assistir."
Irã: cristãos condenados a 80 chicotadas por beberem vinho consagrado
Yaser Mosibzadeh, Saheb Fadayee e Mohammed Reza Omidi serão açoitados em praça pública. Eles foram presos durante culto em uma casa, em Rasht, Irã (Express). Eles também foram acusados de ameaça à segurança nacional por serem cristãos (Express)

Etiópia: três adolescentes cristãs presas por distribuirem literatura cristã
Elas distribuiram um livro cristão que contra-argumentava literatura islâmica distribuída por islamistas, em uma parte da Etiópia majoritariamente muçulmana. Elas foram condenadas a 1 mês de prisão sob a acusação de estarem perturbando a harmonia religiosa. Porém, os muçulmanos que quebraram portas e janelas da igreja protestante Meserete Kristos por estarem "ofendidos" pelo livro cristão nada sofreram (WWM).

Indonésia: criança morre queimada como resultado de jihad contra uma igreja
Cinco islamistas atiraram uma bomba incendiária  em uma igreja, que resultou na morte de uma criança de dois anos por queimaduras. Outras 3 crianças estão em estado grave. A jihad ocorreu na Província de Kalimantan Oriental, na Ilha de Borneo. (Voice of the PersecutedJakarta Globe).

Paquistão: governo fecha canais de TV cristãos
Um total de 11 canais foram fechados e 7 pessoas presas (Christians in Pakistan).

"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
UNESCO diz que Templo do Monte e Muro das Lamentações são sagrados apenas para os muçulmanos
Leia mais neste artigo UNESCO, controlada por islamistas, nega história judáica e cristã em Jerusalém e arredores

Representante da Autoridade Palestina na ONU ameaça retaliar contra os EUA caso Donald Trump mude a embaixada dos EUA em Israel de Telaviv para Jerusalém
Ryad Mansur ameaçou tornar a vida dos EUA na ONU em miserável. (IsraelNationalNews)

Irlanda: muçulmano, com Alcorão na mão, ameaça cortar a cabeça dos judeus
Smael Heirouche, 39 anos, confirmou as ameaças ao juiz. (Irish Examiner)

Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e capturai-os, e cerque-os, e arme ciladas para eles usando de todos os estratagemas (da guerra); mas caso eles se arrependam, observem a oração e paguem o zakat [ou seja, se tornem muçulmanos], abra o caminho para eles. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo. (Alcorão 9:5)
Iraquianas iázides sequestradas pelo Estado Islâmico: 'Fui vítima de jihad sexual' 
(BBC)
Bangladesh: em 30 anos, não restará um único hindú 
Quem afirma isso é um economista e pesquisador ilustre, Dr. Abul Barkat. Ele escreveu um livro sobre economia e agricultura que explica a ação sistemática do governo paquistanês, quando Bangladesh era ainda parte do Paquistão, e confiscar as propriedadas dos hindús, bom como a perseguição sistemática, aumentada durante as diversas guerras. De 1964 até 2013, 11.3 milhões de hindús fugiram de Bangladesh devido a perseguição religiosa de discriminação: uma média de 632 por ano! (Zeenews)                                                              


Holanda: mesquita quer fazer 'chamada à oração' pelo auto-falante, depois de ter dito que nunca faria isso 
A prefeitura de Amsterdam rejeitou o pedido. Mas este fato indica que não dá pra confiar. Em 2005, quando a mesquita foi construída, seus líderes concordaram que a chamada à oração nunca seria feita pelo auto-falante. A Sharia acontece uma concessão a cada vez. (Times of Israel)


Malásia: cachorro-quente tem que mudar de nome pois "cães são impuros"
Esta decisão foi tomada pelo departamento do Desenvolvimento Islâmico, que define que alimentos são halal (permitidos). (Notícias ao Minuto)

Líbia: macaco provoca guerra entre tribos
O macaco, que pertencia a um comerciante da tribo Gaddadfa, puxou o véu de uma estudante da tribo Awlad Suleiman que estava passando com um grupo de outras meninas. Os combatentes Awlad Suleiman retaliaram. Resultado: 16 mortos e 50 feridos (RT)

Bélgica: muçulmanos jovens queimam árvore de Natal em Bruxelas
Eles usam bomba incendiária caseira e gritam o seu lema de ódio "Allahu Akbar." Os transeuntes olham assombrados. O fato ocorreu em janeiro de 2016.  (Daily Mail)
Independente da sua opinião sobre árvore de Natal, o fato é que para eles uma árvore de Natal é apenas mais um símbolo daquilo que eles odeiam: o modo de vida no Ocidente. Eles não fazem distinção entre cristianismo ou ateísmo, entre socialismo ou capitalismo, entre democracia ou ditadura. Para eles, existe apenas a lei islâmica (Sharia) e tudo dever ser regido por ela.


sábado, 26 de novembro de 2016

Jihad do Incêndio Florestal: incêndio criminoso pela causa de Alá


Já não é de hoje que se especula que jihadistas tem causado incêndios criminosos em terras infiéis como uma forma de causar terror no coração dos infiéis, e, por conseguinte, avançar a causa de Alá, ou seja, a implementação política da lei islâmica (Sharia). Vários casos foram registrados, dos EUA até a Europa, passando pela Austrália (veja exemplos abaixo). No momento, estamos vivenciando esta modalidade de jihad em Israel.

Israel está presenciando uma jihad dos incêndios criminosos, alguns a chamam de "intifada do fogo." O fato é que, no momento em que eu escrevo este artigo, o New York Times relata que mais de 22 jihadistas incendiários já foram presos.

E aí, alguém me diz, "mas José, o Oriente Médio é seco nesta época do ano, e incêndios são comuns," E eu respondo que "sim, mas enquanto que os países vizinhos e fronteiriços, Líbano, Síria, Jordânia, Egito, bem como a Cisjordânia e Gaza não registram nada de extraordinário, Israel está em chamas." Coincidência?

Houve um pequeno incêndio em Neve Shalom, uma comunidade onde vivem judeus e árabes. Apesar de origem desconhecida, nada de anormal. Mas, depois, os incêndios começaram a surgir em velocidade vertiginosa em várias partes do país. Nem vento e nem a secura explicam. Apenas a ação criminosa pode explicar.  

A coisa é séria, quando 60 mil pessoas precisam ser evacuadas de Haifa. E, lembre-se, Israel, em área, é menor do que o Estado do Alagoas (20.770 km²  contra 27.768 km²).

Os muçulmanos estão felizes como só. A mídia social islâmica está fervilhando. Até mesmo os peixes graúdos estão exalando sua alegria em tons celebratórios.

O Grão-Imame do Kuweit, Xeique Mishary Alfasy, escreveu um twitter para os seus 11 milhões de seguidores desejando "tudo de bom para os incêndios." Outro xeique do Kuweit, Nabil Ali al-Awad, compartilhou com seus 6 milhões de seguidores que "Alá queimou os seus corações e as suas casas, o seu dinheiro e os seus corpos, e inflamou as suas sepulturas ... por causa do que fizeram aos crentes [muçulmanos]." Hashtags em árabe como "Tel_Aviv_IsBurning" e "Israel_IsBurning" tornaram-se populares, e neles, comentários pediam por mais incêndios.  (Independent, JPost, NeverAgainCanada)

Mídia social muçulmana celebra os incêndios em Israel

Muitos muçulmanos disseram que os incêndios (criminosos) eram uma vingança de Alá pelo fato de Israel estar estudando a possibilidade de proibir a chamada à oração na madrugada e à noite. Por exemplo, o chefe da Segurança Geral em Dubai, Dhahi Khalfan Tamim, disse em um twitter: "Israel proibiu o muezin e pegou fogo, bendito seja Alá." (ibtimes)

Exemplos da "Jihad do Incêndio Florestal"

Daniel Pipes, em um artigo Bushfire Jihad, apresenta um série de eventos de incêndios florestais provocados por jihadistas, desde 2009. Outros exemplos são apresentados abaixo.

1- O chefe da inteligência russa culpou a Al-Qaeda por uma série de incêndios florestais na Espanha e em outros países europeus nos últimos meses. Alexander Bortnikov, chefe do Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB), disse que os incêndios foram provocados como parte da estratégia de ataque de baixo custo da al-Qaeda. Segundo ele, "Esse método permite que a Al-Qaeda inflige danos econômicos e morais significativos sem preparativos preliminares sérios, equipamentos técnicos ou despesas significativas." (Gatestone Institute)

2- Revista da Al-Qaeda ensina como provocar um incêndio florestal
A Revista Inspire, da Al Qaeda, edição de maio de 2012, dedicou 11 páginas descrevendo em detalhes como iniciar incêndios florestais com instruções sobre como fazer bombas incendiárias", nos países da OTAN. "O fogo é um dos soldados de Alá", afirma a revista. "Imagine que, depois de todos os danos causados, uma organização de jihad assumisse a responsabilidade pelos incêndios florestais, você pode imaginar o pavor que causaria as pessoas nos Estados Unidos, na Europa, na Rússia e na Austrália?" (Gatestone Institute, DailyMail)

3- Bulgária, setembro de 2016, Um incêndio que começou na terça-feira na área de Gramatikovo, não muito longe da fronteira búlgaro-turca, tem se espalhado por 24 horas, dizem os bombeiros. Um grupo de sete migrantes afegãos foi detido em relação aos acontecimentos (Novinite).
http://pamelageller.com/category/fire-jihad/

4. Espanha, setembro de 2016. "Acredita-se que incendiários adolescentes tenham iniciado um incêndio florestal que forçou 2 mil turistas britânicos a serem evacuados de um balneário espanhol." Vocês sabem quem a imprensa chama de adolescentes, certo?   (DailyMail)

5- EUA, julho de 2013. Grupo jihadista palestino reivindica crédito pelos incêndios florestais no Arizona (longwarjournal).

6- Junho de 2013. O jornal alemão Algemeiner escreve um artigo sobre a Jihad Florestal nos EUA, enfatizando o caráter criminoso de vários incêndios.

7- Austrália. Mervyn F. Bendle, conferencista sênior em História e Comunicações na Universidade James Cook, Queensland, disse que os incêndios de fevereiro de 2009 foram provocados por islamistas. Ele defendeu este argumento em um artigo de 6.000 palavras, "Australia's nightmare: bushfire jihad and pyroterrorism", publicado no National Observer. (Daniel Pipes)

8- Outubro de 2008. Jonathan Fighel, coronel aposentado do exército dos EUA, escreveu para o International Institute for Counter-Terrorism sobre o perigo dos jihadistas começarem a fazer nos EUA o mesmo que fazem em Israel: provocar incêndios florestais criminosos.




sexta-feira, 11 de novembro de 2016

Donald Trump foi eleito. E agora? (islamistas e seus apologistas preocupados)


José Atento
Neste artigo, nós iremos rever o que levou Trump à vitória eleitoral, algumas de suas propostas e possíveis repercussões na luta contra o imperialismo islâmico.
(Depois de ler este artigo, leia também este outro: Eleição nos EUA e o apoio de Clinton e Obama ao salafismo, wahabismo e Irmandade Muçulmana)
Donald Trump foi eleito o 45o presidente dos EUA. Trump é um empresário de sucesso, porém uma pessoa sem experiência na administração pública e sem nunca ter ocupado um cargo político ou ter sido eleito. Ou seja, ele é uma pessoa fora do mundo político (um outsider como se diz em inglês). Este fato, aliado às suas propostas que ressoavam junto à maioria dos americanos, incluindo partidários democratas do senador Sanders, e a sua determinação de lutar contra os poderes oligárquicos (em ambos os partidos políticos, a grande imprensa, e banqueiros e grande investidores) o levaram à vitória.

O povo americano viu em Trump um modo de derrotar os oligarcas. Hillary Clinton, uma agente da oligarquia, foi derrotada apesar da campanha viciosa por parte da imprensa contra Donald Trump. Isso mostra que a imprensa e os estabelecimentos dos partidos políticos perderam a credibilidade com o povo americano. Era "todos contra Trump, e Trump contra todos." Venceu o outsider.

A revista Newsweek teve que recolher 120 mil exemplares da sua edição 
que celebrava a "presidenta Hillary Clinton"

Enquanto que as oligarquias tentavam destruir Trump ridicularizando-o, e o chamando de palhaço, tarado, racista, etc., ela se mantinha na sua mensagem de "fazer os EUA gradiosos novamente." Venceu a mensagem positiva.

https://youtu.be/iK9ksTnGXUw OK
Obama zomba do Trump

Todas as pesquisas de opinião indicavam que Hillary Clinton seria eleita com segurança, apesar das pesquisas admitirem que a amostra era tendenciosa (um número maior de democratas era entrevistado). Apenas uma pesquisa de opinião de um jornal, o Los Angeles Times, mostrava Trump como vencedor. Os grupos que fizeram as pesquisas de opinião estão sendo acusadas de terem sido propositalmente tendenciosos a favor da Hillary Clinton, numa tentativa de convenceram que ela já havia ganho a eleição.

Progressão temporal da pesquisa do LA Times

Grupos que eram considerados como "no bolso" por Hillary Clinton e seu time, acabaram votando para Trump. Por exemplo, os católicos haviam votado majoritariamente para Obama na duas eleiçoes passadas. Mas, nesta eleição, eles foram menosprezados pela Hillary, que os chamou de medievais e disse que tinha chegado a hora do cristianismo se moldar aos tempos modernos. Resultado: 54% deles votaram em Trump (Church Militant). E outros segmentos, tais como negros, latinos e mulheres, votaram em Trump, pelo menos 15% mais do que as pesquisas de opinião diziam.

Agora, vamos ver, dentre as promessas de campanha de Trump, o que mais preocupa os islamistas e seus apologistas. Algumas delas são apenas impor a lei vigente! Elas fortalecem a civilização ocidental, ao servirem de exemplo.

1. Defender as fronteiras americanas e aplicar a lei de imigração vigente
Obama se recusou a impor a lei de imigração vigente e favoreceu os imigrantes ilegais, dentre eles muitos muçulmanos. A fronteira com o México é porosa e Obama era duro contra aqueles que a patrulhavam, e não contra aqueles que a cruzavam ilegalmente. Uma série de cidades, governadas por Democratas, se tornaram refúgio para imigrantes ilegais, inclusive criminosos, as chamadas cidade-santuário (CIS). Trump irá cortar financiamento federal para elas por não cumprirem a lei (QZ).
O que Trump se propõe a fazer é simplesmente impor a lei. Defendar as fronteiras do seu país é um dever, que Trump promete cumprir, ao contrário de Obama. O muro na fronteira com o México é apenas um detalhe em termos de defesa da fronteira nacional. Isso é importante não só para os EUA mas para todos os outros países que desejam defender as suas fronteiras e decidir sobre imigração tendo em vista seus interesses nacionais, e não as pressões de grupos tais como a União Européia e a ONU.

2. Limitar a imigração muçulmana
Os islamistas e os marxistas culturais chamaram Trump por todos os nomes possíveis e imaginários quando ele declarou que "Donald J Trump requer um fechamento total e completo da entrada de muçulmanos nos EUA até que nossos representantes do Congresso possam descobrir o que está acontecendo." A preocupação dele é que é praticamente impossível saber que tipo de muçulmano está entrando nos EUA, distinguindo entre uma pessoa boa e um jihadista. Essa é uma preocupação válida, e a própria Hillary Clinton admitiu isso em um e-mail tornado público pelo Wikileaks (Breitbart). Mas, mesmo assim, Hillary desejava admitir 50 mil "refugiados" muçulmanos a cada ano.

3. Fim da influência da Irmandade Muçulmana nos altos escalões do governo dos EUA
Durante o governo Obama, posições importantes no governo e mesmo na agência de segurança foram ocupadas por muçulmanos com ligações com a Irmandade Muçulmana (Breitbart). Isso vai acabar. Trump também prometeu se aproximar do governo do Egito na sua luta contra a Irmandade Muçulmana (CBN).

4. Segurança interna
Durante a sua campanha, Trump prometeu fechar as "mesquitas radicais" (TIME)

5. Implacável com o Estado Islâmico e com  a jihad armada; reaproximação com a Rússia
Trump vê a Rússia não como um inimigo, mas como uma aliado na luta contra a jihad armada em geral e o Estado Islâmico em particular. Ele disse várias vezes que irá destruir o Estado Islâmico muito rapidamente. (Express)

6. Retomar um relacionamento amigável com Israel 
Obama esteve mais preocupado em favorecer aqueles que empreendem a jihad contra Israel e seus habitantes. Parece que estes dias estão contados.

https://youtu.be/SpGa8wm85nQ OK
Donald Trump fala sobre o incitamento à violência feito pelos islamistas palestinos

7. Critica ao acordo nuclear com o Irã
Donald Trump tem chamado este acordo como o pior acordo da história. Ele pretende estancar o fluxo de dinheiro e negócios para o Irã. O governo iraniano teme que o Irã será o mais afetado por uma administração Trump (Algemeiner).


Ryan Mauro, do Projeto Clarion, mencionou os cinco desafios de Trump quanto ao islamismo:
  1. Escolher as pessoas corretas e não se deixar envolver com pró-islamistas (sim, eles irão tentar se infiltrar. Sempre fazem isso. Faz parte da natureza deles).
  2. Ter em mente que o Estado Islâmico e a Al-Qaeda continuam suas operações, e mesmo que o Estado Islâmico perca os territórios no Iraque e na Síria, a Al-Qaeda, ou outros grupos jihadistas, continuarão operando.
  3. O acordo com o Irã.
  4. Trump diz que irá combater o "islamismo radical" e dar voz aos "muçulmanos moderados" ao redor do mundo. Mas, ele sendo menos intervencionistas, fica difícil imaginar com ele irá fazer isso. Por exemplo, no Irã, onde existe o desejo da população em substituir o governo dos aiatolás. 
  5. E, finalmente, ele precisa designar a Irmandade Muçulmana como uma organização terrorista. Organizações afiliadas a Irmanada Muçulmana, tais como o Council for American-Islamic Relations (CAIR), Islamica Society of North America (ISNA) North American Islamic Trust (NAIT) deverão ser também designadas como tal. É claro que estas organizações irão tentar criar uma crise política com isso, com a ajuda usual dos grupos marxistas culturais dos EUA. 
https://youtu.be/yBMyd7nujNc OK

E para concluir o artigo, apenas um registro do que a vitória de Trump representa para o presidente Hussein Obama e seu legado:
  1. o fim da sua política de um país sem fronteiras;
  2. o fim do Obamacare, o sistema de saúde que fracassou terrívelmente;
  3. o fim da sua puxação de saco do islamismo.  

Extra: compilação que mostra como a imprensa tentou ridicularizar Donald Trump de todos os modos possíveis, na tentativa de mostrar a Hillary Clinton como favorita. Talvez o maior perdedor nesta eleição foi a imprensa. E também no Brasil.

https://youtu.be/RRVocTh28tw OK