sábado, 28 de fevereiro de 2015

Sociedade Beneficente Muçulmana do RJ promove poligamia


José Atento

No artigo Jesuítas promovem o islamismo no Rio de Janeiro (?) eu havia mencionado que a Sociedade Beneficente Muçulmana (SBM) é apenas uma organização de fachada para promover o islamismo, e não uma sociedade realmente beneficente. Este fato torna-se evidente se consultarmos os Boletins que a SBM publicava, e os mantém no seu site.

De modo que o Centro Loyola, se está fazendo papel de tolo, ou de idiota útil não vem ao caso. Mas, com certeza, o Centro Loyola deveria verificar para quem ele abre as suas portas. O Centro Loyola é responsável por quem eles convidam.



O último Boletim do SBM (disponível online) promove a poligamia, em um artigo intitulado "A poligamia tupiniquim", de autoria de Hassan Cavalcanti (o fato que recém-conversos passem a adotar nomes árabes é uma evidência do colonialismo que vem à reboque da islamização - e isso é parte do aniquilamento cultural das terras islamizadas). O artigo se utiliza de uma novela da TV Globo na qual existia um casal polígamo. A crítica implícita à poligamia na novela é usada como munição para defendê-la, em todos os seus aspectos mais repugnantes. Eu vou ressaltar os três trechos mais importantes.

Logo no início, o artigo diz:
Porque se deveria proibir o que Deus [Alá] permitiu? Não há nada no Qur'an [Alcorão] ou ahadith [Hadices, tradição de Maomé] que possa embasar a negação do homem desposar mais de uma mulher. Essa afirmação ainda causa polêmica e motivo de ataque ao costume que é lícito para os muçulmanos. 
O artigo não poderia começar mostrando mais claramente o aspecto supremacista do islamismo, e a sua lógica tortuosa de que "se está escrito no Alcorão está correto, pois está escrito no Alcorão."

O pior é que existe um conceito na Sharia que argumenta que não se pode proibir o que é permitido. A poligamia é permitida. A lei brasileira a proíbe. De modo que a lei brasileira é contrária a lei de Alá, ou seja, é contra a Sharia. Dentro de um ponto-de-vista estritamente islâmico, isso já caracteriza "opressão" e "perseguição." Lembre-se o que Maomé disse neste Hadice autêntico (Sahih): "
Foi narrado sob a autoridade de Abdullah b. 'Umar que o Mensageiro de Alá disse: Eu tenho sido ordenado a lutar contra as pessoas até que elas atestem que não há outro deus senão Alá, que Maomé é o mensageiro de Alá, e eles rezem, e paguem a Zakat, e se eles fizerem isso, o seu sangue e propriedade terão proteção garantida em meu nome, exceto quando tal se justifique por lei, e seus assuntos descansam com Allah. (Muslim, Livro 1, Número 33)
Opressão (por exemplo, se opor aquilo que é lícito no islão, tal como a poligamia) é um crime seríssimo segundo a lei islâmica.


O segundo trecho que quero chamar a atenção é o mostrado abaixo. Nele, a ótica tortuosa e a misoginista que fazem parte da poligamia são mostrados em toda a sua clareza. Diz-se que a mulher deve abrir mão do sentimento de união, pois "a misericórdia no casamento com mais de uma mulher deve ser mútua" (entre quem?). Como a mulher é "beneficiada pelo seu marido" ela deve fazer um monte de coisas (dentro de um texto cheio de palavras de efeito). Pergunta: o que o marido deve fazer? Nada. Apenas a mulher deve abrir mão e se adaptar.


Neste mesmo artigo, o autor ainda usa o lugar-comum de que a poligamia foi uma consequência de homens que morriam em guerra e que existiam muitas viuvas. Na verdade, a poligamia acontece com homens que envelhecem se casando com mulheres jovens, de modo que as mulheres mais velhas (viúvas) ficam na mão, ou passíveis de se envolverem com casamentos temporários.

Na verdade, a poligamia tem sido, desde os primórdios do islão, uma arma usada com fins demográficos, a Jihad Demográfica. Os homens muçulmanos podem se casar com mulheres que não sejam muçulmanas ao passo que as mulheres muçulmanas podem apenas se casar com muçulmanos. Isso faz com que os homens muçulmanos, em todas as terras conquistadas e ocupadas militarmente (que foi o status-quo da islamização) e agora, as terras para onde eles têm imigrado (um fenômeno recente das últimas décadas), busquem se casar com (várias) mulheres não-muçulmanas jovens e em idade de procriação (muitas vezes sem dizer que eles têm outras esposas no seu lugar de origem). Enquanto isso, os homens não-muçulmanos, que só podem se casar com uma mulher, têm uma população de mulheres de onde eles podem escolher a sua esposa cada vez mais reduzida.

Isto faz com que o número de muçulmanos aumente, ao passo que o número de não-muçulmanos fique estagnado ou diminua. Basta uma ou duas gerações para que os muçulmanos estejam em número suficiente para impor a lei islâmica Sharia sobre os não-muçulmanos, tornando estes últimos cidadãos de segunda-classe, os dhimis.

E é gente com esta mentalidade que os jesuitas do Centro Loyola estão sendo anfitriões.

Lamentável.

O artigo completo segue abaixo.


Existem grupos muçulmanos contra a poligamia, por entenderem o quanto esta prática nulifica a mulher dentro de relação, tornando-a um mero joguete. Mas o Brasil está permitindo que a pior espécie de islamismo venha para cá, exatamente o tipo que mais deseja Sharia, os salafistas, wahabistas, irmandade muçulmana e komeinistas. Precisamos dar um basta a isso! 

NÃO QUEREMOS SHARIA NO BRASIL

Entendeu, Centro Loyola. Vou repetir: Não queremos Sharia no Brasil !!!!






quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Igreja Copta canoniza os 21 cristãos assassinados pelo ISIS na Líbia



A Igreja Ortodoxa Copta anunciou que os 21 cristãos egípcios assassinados pelo Estado islâmico na Líbia serão comemorados em seu calendário como mártires e santos.

O Papa Tawadros II, da Igreja Ortodoxa Copta, disse que os nomes dos 21 mártires degolados pelo ISIS em 14 de fevereiro serão inseridos no Synaxarium dos coptas, a lista oficial da Igreja Oriental dos Mártires, um procedimento semelhante ao canonização na Igreja Latina.

Um ícone dos 21 mártires, desenhadas por Tony Rezk, será a imagem oficial para comemorar o testemunho supremo.


Os cristãos egípcios foram alinhadas ao longo de uma praia da Líbia e de repente decapitados, cena mostrada no vídeo gráfico de cinco minutos. A produtora Al Hayat Media do Estado Islâmico produziu o vídeo intitulado, "uma mensagem assinada com sangue à Nação da Cruz."

O Papa Francisco denunciou os assassinatos e chamou os cristãos "mártires" que foram "mortos simplesmente por serem cristãos." O Papa também observou que suas últimas palavras foram: "Jesus, me ajude"

"O sangue de nossos irmãos e irmãs cristãos é um testemunho que grita para ser ouvido", disse o Papa.

"Não faz diferença se sejam católicos, ortodoxos, coptas ou protestantes", continuou o Papa. "Eles são cristãos! O seu sangue é único. O sangue deles confessa Cristo."



quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Casamento Temporário: A Prostituição Religiosa do Islão (mut'ah, sighe, misyar)


José Atento
Além de poder se casar com até quatro mulheres ao mesmo tempo e poder se deliciar com "escravas sexuais" (a mulher que sua mão direita possuir - geralmente mulheres infiéis), conforme o Alcorão 4:3, o homem muçulmano pode ainda usufruir de "esposas temporárias", que recebem dinheiro em troca de sexo. (Lembre-se que prostituição é a troca consciente de favores sexuais por dinheiro). Este esquema funciona através dos casamentos temporários (chamados de mut'ah, sighe ou misyar). 
A hipocrisia deste comércio é talvez o seu aspecto mais vil. É melhor uma prostituição francamente reconhecida do que casamentos falsos e religiosamente aprovados, pois enquanto que o primeiro é visto como um vício, o segundo é desfraldado como uma virtude.
Mulheres. Abram o olho. Os predadores islâmicos estão em ação. Já tem existido casos de propostas de casamentos temporários feitos para mulheres brasileiras! Queridas: não se prostituam! 
Casamento temporário

É um contrato feito entre um homem (casado ou solteiro) e uma mulher (solteira), sob a benção de um clérigo islâmico. O tempo de duração do casamento pode ser um hora, várias horas, um dia, alguns dias, sempre algo curto de modo a se caracterizar como temporário. Muito conveniente para o muçulmano que viaja (os sauditas e os iranianos são quem mais usam isso). O homem paga uma taxa (mahr), sendo que uma porção dela vai para o clérigo e outra porção para a mulher (isso nada mais é do que prostituição religiosamente aprovada, na qual o clérigo assume o papel de cafetão).

Essa prática chama-se de mut'ah (em árabe) e de sighe (no idioma persa farsi). No Egito, isso também é chamado de urfi. 

Mut'ah (متعة) é uma palavra árabe que significa, literalmente, diversão, prazer, ou gratificação.

A palavra mais comumente empregado para o casamento é nikah, que significa literalmente "relação sexual".

De modo que o casamento temporário também pode ser chamado de Nikah Mut'ah.

Base Corânica e Sharia
"Portanto, para aquelas [mulheres] com as quais você tem prazer, dê-lhes a remuneração devida" (Alcorão 4:24).
Interpretação deste verso: "Não há dúvida alguma de que a palavra, al-istimta '(= lit., para desfrutar) usada neste versículo significa casamento Mutah. O verso é de Medina, e uma parte do capítulo "As Mulheres", que foi revelado no primeiro semestre de vida do Profeta em Medina, como a maioria dos seus versos indicam; e nesse período este tipo de casamento, ou seja, Mutah, foi, sem qualquer dúvida, uma prática comum, um costume prevalente entre os muçulmanos - e as tradições aceitam por unanimidade este fato. Não faz diferença se foi ou não foi no Islã que teve origem este sistema; o que é importante é o fato de que esses casamentos estava em voga dentro da visão e da audição do Profeta; e tinha isso um nome, Mutah; nenhuma outra palavra era usada para designar esse tipo de casamento." [2]
Jabir b. 'Abdullah e Salama b. al-Akwa disse: veio até nós o proclamador do Mensageiro de Alá (que a paz esteja com ele) e disse: O Mensageiro de Alá (que a paz esteja com ele) concedeu-lhes permissão para beneficiar a si mesmos, isto é, a contrair casamento temporário com as mulheres. (Hadice de Muslim, Livro 008, Número 3426.
Existem vários outros Hadices na tradição xiíta. 
A Tradição de Maomé indica que a prática do casamento temporário existiu durante a vida de Maomé, que o teria recomendado a seus companheiros e soldados. Mais tarde, o segundo califa, Umar, o declarou como sendo ilegítimo, fato este que pode ser considerado como uma "inovação" contrária àquilo que Maomé fez. Além do mais, os xiítas não aceitam Umar como um califa legítimo, pois ele não era da família de Maomé (para os xiítas, o califa deveria ser Ali, o cunhado de Maomé).

A jurisprudência islâmica xiíta é unânime em aprovar o casamento temporário [3]. Já na jurisprudência sunita, não existe unânimidade. Por exemplo, o manual de lei islâmica 'Umdat as-Salik wa 'Uddat an-Nasik, artigo m6.12 diz que o mut'ah é legalmente inválido, defendendo o ponto-de-vista da Escola Shafí. As outras escolas sunitas são ambíguas.

Mas o fato é que existe um truque. Os sunitas usam uma outra palavra para designar o casamento temporário: misyar, ou o "casamento do viajante."

E agora, um enorme saco-de-gatos está aberto, afetando tanto os sunitas como os xiítas.

Registro de Casamentos Temporários em Teerã, Irã.

(Comentário incluído em 13 de junho de 2016: O website Islam Perguntas e Respostas discute o casamento temporário, sob o contexto da "poligamia e justiça entre as esposas") 

Desculpas apresentadas para justificar o Casamento Temporário

As desculpas para justificar o Casamento Temporário sãos as mais diversas. Em uma entrevista em sua casa em Qom, o aiatolá  Sayyid Reza Borghei Mudaris ofereceu uma lista de quem pode se beneficiar com o casamento temporário: uma viúva falida; um viúva jovem: "O Casamento Temporário atende as suas necessidades, porque se ela não o fizer, ela terá problemas psicológicos"; um homem que não tem condições econômicas para um casamento permanente; e um homem casado com problemas de relacionamento que precisa de "um tipo de medicina" fora de casa. [4]

As críticas vem de mulheres dentro do próprio mundo islâmico. Ziba Mir-Hosseini, uma antropóloga legal que escreveu um estudo do direito da família islâmica, disse "As mulheres que entram neste tipo de casamento nunca falam sobre isso. É por isso que eu chamo de um casamento socialmente defeituoso." Ela continua: "É em grande parte a prerrogativa de homens ricos e casados, e a maioria das mulheres nos casamentos temporários (sighe) são divorciadas, viúvas, ou pobres. Apenas o homem tem o direito de renovar a sighe quando o tempo do contrato expira, seja para pagar nova quantia, seja para terminá-lo cedo. Enquanto as mulheres podem ter apenas um marido de cada vez, os homens podem ter quatro esposas e esposas temporárias são permitidas em número ilimitado. Rezvan Moghadam, o diretor da organização sem fins lucrativos de saúde da mulher, coloca sem rodeios: "Os homens fazem isso por diversão. As mulheres fazem isso por dinheiro. Elas não sentem prazer com isso de modo algum." [4]

Implicação para as mulheres brasileiras

Queridas. Abram o olho. Os predadores islâmicos estão em ação. (leia o meu artigo "Mulheres brasileiras enganadas por muçulmanos através de "namoro pela internet"). Já tem existido casos de propostas de casamentos temporários para as mulheres brasileiras! Queridas: não se prostituam!

No que interessa às mulheres infiéis, a escola xiíta diz que as mulheres infiéis só podem se casar com um muçulmano através de um contrato de casamento temporário:
Um homem muçulmano xiíta pode se casar [...] com uma mulher judia ou cristã apenas em um contrato de mut'ah.
Os sunitas não dizem nada. Apenas agem.

Sala de Chat para se arrumar parceiras para um casamento temporário: 
os predadores sexuais islâmicos estão à solta no mundo da Internet!


"Sexo lícito" segundo a lei islâmica

Parêntesis: o que seria "sexo lícito" segundo a lei islâmica?

Para o homem:
  • Sexo com uma das suas 4 esposas.
  • Sexo com uma mulher “que a sua mão direita possuir” (escrava sexual = mulher não-muçulmana … e existem regras para isso também que inclusive justificam o estupro de mulheres não-muçulmanas - é por isso que Mohammed é o nome mais comum dentre os estupradores na Inglaterra).
  • Independente do seu estado civil, o homen pode ter sexo com uma esposa temporária. O homem pode ter várias esposas temporárias simultaneamente. 
Para mulher:
  • Sexo com o seu marido.
  • Sexo com um "marido" dentro de um contrato de casamento temporário (apenas se ela for solteira, divorciada ou viúva - uma mulher casada não pode arranjar um casamento provisório: isso seria adultério). 
O islão favorece a luxúra masculina. 

Evidências da sua prática

"Law of Desire: Temporary Marriage in Shi'i Iran", um livro que explora o tema do casamento temporário no mundo xiíta. [5]

O filme Prostitution Behind the Veil (Prostituição Atrás do Véu, 2005), da cineasta iraniana Nahid Persson, retrata a história de duas jovens mães, toxico-dependentes de heroína, tentando sobreviver em uma sociedade macho-dominante, e que seja as prescrições de Alá. O mundo está cheio de histórias de prostitutas que não podem vir para fora do círculo de dependência, e estão presas no inferno da prostituição. Qual é a diferença aqui, então? Bem, nem o governo, nem Alá estão se opondo ao que está acontecendo com as meninas, cuja exploração é indescritível. 

Um documentário mais recente, chamado In the Bazaar of Sexes (No Bazar do Sexo) explora este fenômeno no Irã. 

Daniel Pipes descreve o turismo sexual saudita, composto por homens ricos, de meia-idade, movidos a Viagra,  que viajam até Haiderabade, na Índia, em busca de noivas virgens adolescentes. Os árabes geralmente "casam" com as meninas por períodos curtos, às vezes apenas uma única noite. As formalidades de casamento e divórcio são frequentemente preparadas ao mesmo tempo. As meninas recebem 5 mil rúpias, algo em torno de 100 dólares. [6]

Uma narrativa relativa ao turismo sexual saudita na Índia. No dia primeiro de agosto, o xeique dos Emirados Árabes Unidos Al Rahman Ismail Mirza Abdul Jabbar, de quarenta e cinco anos de idade, aproximou-se de um "corretor" (cafetão) Zainab Bi, de setenta anos de idade, perto da histórica Charminar, em Haiderabade. O corretor contratou Farheen Sultana e Hina Sultana, com idades entre treze e quinze anos, por 20 mil rúpias [aproximadamente 450 dólares]. Em seguida, ele contratou um juiz islâmic (qadi) para a celebração do casamento. Após a noite de núpcias com as meninas, o árabe partiu de madrugada. E ainda se tem a audácia de chamar isso de casamento. [6]

2006: A Assembleia de Jurisprudência Islâmica, uma organização de Meca, em 12 de abril, emitiu uma fatwa que aprova os casamentos misyar, dando ao costume uma imprimatur Wahhabi. A Assembléia considera válido "um contrato de casamento em que a mulher abandona [o seu direito de] habitação e suporte econômico ... e aceita que o homem a visite em sua casa quando quiser, de dia ou de noite." [7]

2006: O misyar torna-se popular na Arábia Saudita, com anúncios nos jornais. "Eu sou um homem saudita de 33 anos de idade, com aparência aceitável que procura se casar com uma saudita, virgem ou divorciada." [8]

2006: Suhaila Zein al-Abideen, pesquisador  da União Internacional de Acadêmicos muçulmanos em Medina, descobriu que quase 80 por cento dos casamentos misyar terminam em divórcio. [8]

Estudo feito por Aluma Dankowitz revela que [9]: 
Uma veterana agente matrimonial da Arábia Saudita disse ao diário londrino Al-Sharq Al-Awsat que, desde a publicação da fatwa permitindo casamentos misyar, ela havia recebido pelo menos de 15 a 20 solicitações por dia a partir de homens de várias idades para tais casamentos, de homens com menos de 20 anos que não se opõem a mulheres com mais de 40, até homens na casa dos 70 anos. Ela disse que os jovens que se casam com mulheres com idade entre 40 e 50 anos permanecem com elas até que terminem seus estudos. Os casamentos são mantidos em segredo para os pais do homem, e quando ele completa seus estudos universitários, ele se casa com outra mulher escolhida para ele por sua família. Ela disse que metade dos pedidos de casamentos misyar são de homens jovens na faixa dos 20 anos. ...
[...] muitos homens definem condições para a mulher, como "se o conhecimento de que o casamento se tornar público, você é divorciada", ou "se você engravidar, você é divorciada"; Muitos dos homens divorciam quando ele suspeita de que a notícia do casamento chegou às famílias; muitos estudantes de fora da cidade procuram casamento misyar; e a maioria dos casamentos misyar terminam em divórcio.
Questionado sobre este arranjo (misyar), Xeique Fahmi Jaradat, juiz no tribunal islâmico (em Ramallah, na Cisjordânia) responde [10]:
São, acima de tudo, os homens ricos de negócios que gostam de assinar um contrato misyar, diz ele: "Para os homens, mysiar é uma forma barata de fazer sexo legalmente sem ter de assumir obrigações para com a parceira e sem violar os preceitos do Islão, que proíbe o sexo fora do casamento". Ele considera o fato de que o casamento, desde o início, suposto ser apenas temporário, como uma desgraça. No entanto, mesmo com relutância, ele ainda reconhece mysiar como um casamento completo. Ele humilha a mulher, diz ele, transformando-a em escrava do homem. E, em última análise, que seja aceitável para as mulheres divorciadas ou viúvas, o  Xeique diz, mas não é, contudo, para mulheres virgens ou que tenham sido bem educadas.
Mulheres fazem a vida com o casamento temporário mysiar [11]:
uma proporção cada vez maior de mulheres passaram a usar o misyar como um negócio. Essas mulheres nunca pretendem ficar casadas com o mesmo homem por mais de alguns meses; a causa disso é o dote lucrativo que elas recebem em cada casamento. E durante os poucos meses de casamento elas tentam extrair o máximo de dinheiro possível. Se o marido se recusa a divorciar-se em qualquer ponto do casamento, então elas usam o que elas dizem ser uma maneira muito eficaz de fazê-lo obedecer: elas ameaçam informar a primeira esposa dele sobre o casamento secreto.
Em 2006, o vice-presidente da Indonésia, Jusuf Kalla, disse que não via nada de errado com os homens árabes pagando mulheres locais para se casar e, as divorciando dias depois. E ele sugeriu a prática - considerado pelos críticos como prostituição legalizada - poderia impulsionar o turismo. [12] 

Em 2008, foi reportado sobre o fenômeno dos casamentos temporários de homens árabes com meninas da Indonésia, resultando em diversas mães solteiras abandonadas. Algumas se contentam com 500 dólares para silenciar o caso. [13]

Em 2009, Khaled Al-Arrak, diretor de assuntos sauditas na embaixada saudita em Jacarta, admitiu que os misyar (casamentos temporários) entre turistas sexuais da Arábia turistas e mulheres indonésias são comuns. [14]

"Não é só no Egito, que tal problema crescente existe. Há um número significativo de mulheres e filhos abandonados por viajantes sauditas em muitos países. No Marrocos, há relatos de mais de 5.000 mulheres e como muitas crianças que tinham sido deixadas abandonadas por seus maridos turísticas sem honra ou gratificação. Na Síria, Iêmen, Índia, Indonésia e Filipinas, números semelhantes existem tornando-se uma preocupação crescente para o governo saudita, que está começando a tornar obrigatório para esses pais errantes de possuirem a responsabilidade da paternidade." [15]

Os homens consideram o misyar como uma "vida paralela" [16]:
Veja o exemplo de Abu Fadi, de 45 anos, que viajou muitas vezes para o Sudeste Asiático para recrutar empregadas domésticas. Foi durante uma dessas viagens que ele se casou com uma mulher por um prazo curto "para evitar cometer adultério." "Nós tivemos momentos memoráveis em conjunto, especialmente desde que eu pensei que meu casamento era legal segundo a Sharia. Eu, no entanto, lamento a decisão porque a minha ex-mulher (temporária) enviou um e-mail com as fotografias do casamento para a minha esposa Arábia", disse ele. "Foi uma experiência terrível."
Casamentos temporários são usados na Jihad [17]:
Relatos sobre uma fatwa pedindo meninas para viajarem para a Síria para fornecerem serviços sexuais para os rebeldes jihadistas estão causando polêmica na Tunísia, ao mesmo tempo, chamanado a atenção para o conceito islâmico - pouco conhecido no Ocidente - de "casamento temporário." 
Casamentos misyar (e mut'a) atingiram o Reino Unido. Estudiosos islâmicos entrevistados pela BBC dizem que a prática é generalizada, e as evidências sugerem que é especialmente popular entre a geração mais jovem de muçulmanos na Inglaterra e no País de Gales. "A proliferação de casamentos temporários, combinado com o aumento nos casamentos polígamos, mostra como os muçulmanos na Grã-Bretanha estão usando a lei islâmica Sharia com impunidade para estabelecer formas paralelas de "casamento" que são de outra maneira ilegal para os não-muçulmanos no país." [18]

Enquanto isso, no Brasil, já temos a propaganda, por um lado os xiítas promovendo o mut'ah, por outro lado os sunitas os condenando de boca prá fora (porém fazendo propostas descaradas para as brasileiras). 

Bibliografia

[1] Muta', Temporary Marriage in Islamic Law, Sachiko Murata, Ansariyan Publications, Qom, Irã.

[2] Al-Mizan - An Exegesis Of The Qur'an; Author: al-'Allamah as-Sayyid Muhammad Husayn at-Tabataba'i; Translator: Sayyid Saeed Akhtar Rizvi. "Mutah no Alcorão. Alcorão: Sura an-Nisa (Capítulo A Mulher), versículos 23-28", página 105.

[3] Islamic Laws, English Version of TAwdheehil-Masaae'l According to the Verdict of His Eminence Ayatul-Lah Al-U'dhma. Irã.

[4] Married for a Minute, Nadya Labi, Mother Jones, 2010.

[5] Law of Desire: Temporary Marriage in Shi'i Iran (Contemporary Issues in the Middle East), Shahla Haeri, Syracuse University Press, 2002.

[6] Arabian Sex Tourism, Daniel Pipes, 2005.


[8] Misyar opens happiness door to Saudis, Middle East Online, 2006.

[9] Pleasure Marriages in Sunni and Shi'ite Islam, A. Dankowitz, The Middle East Media Research Institute, 2006.

[10] Sex in Ramallah: Between Islam and Globalization, Pierre Heumann (translation by John Rosenthal), World Politics Review, 2007.



[13] Summer ‘tourist marriages’, Saudi Gazette, 2008.

[14] Temporary marriages with Indonesian women on rise, Saudi Gazette, 2009.

[15] Misery of marriages of convenience, Gulf News, 2010.

[16] Scholars condemn fixed-term matrimony, Arab News, 2010.

[17] ‘Sexual Jihad’ Fatwa Urges ‘Temporary Marriages’ for Syrian Rebels, CNSNews, 2013.

[18] Britain: Islamic Temporary Marriages on the Rise, Soeren Kern, Gatestone Institute, 2013.



terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Jesuítas promovem o islamismo no Rio de Janeiro (?)


José Atento
É interessante que um dia depois de escrever sobre o Crislão, eu me deparo com esta notícia vinda de uma organização ligada aos Jesuítas, permitindo uma propaganda das mais mentirosas sobre o islamismo: uma palestra para "desmistificar o islão" (ou seja, esconder o verdadeiro islão), e um "curso sobre o Jesus islâmico" (ou seja, alterar a história para satisfazer a narrativa islâmica e ludibriar os cristãos). 
DENUNCIEM!!!
Santo Inácio de Loyola, o fundador dos Jesuítas, deve estar se contorcendo no seu túmulo! A Ordem de Jesus, cujos membros são conhecidos como Jesuítas, foi fundada para ser uma ordem militante. Ela foi fundada dentro da Contra-Reforma Católica (motivo pelo qual alguns protestantes não gostam dela), e tem como missão o trabalho missionário, hospitalar e educacional. Trabalho missionário é para propagar o Evangelho, não é para promover o islão!

Vejam o e-mail que me foi repassado (parte do texto foi sublinhado por mim para destaque):
Em Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2015 16:23, Centro Loyola / PUC-Rio cloyola@puc-rio.br escreveu:
Em março, o Centro Loyola de Fé e Cultura promove uma palestra e um curso que visam esclarecer alguns pontos sobre o Islã. A proposta é ajudar a compreender a religião islâmica e promover o diálogo inter-religioso. Confira a programação:
Palestra Desmistificando o Islã
Em janeiro, dois atentados terroristas ocorridos na sede do Jornal Charlie Hebdo e em um mercado judeu, em Paris, chamaram a atenção do mundo. As ações deixaram 17 mortos e um enorme preconceito contra o Islã, uma vez que a religião foi usada como justificativa para os ataques. No entanto, quem conhece o islamismo sabe que esta é uma religião de paz. Para trazer informações e esclarecimentos sobre o Islã, dentro da perspectiva do diálogo inter-religioso, o Centro Loyola de Fé e Cultura promove a palestra Demistificando o Islã, com Sami Armed Isbelle, Diretor do Departamento Educacional da Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro, no sábado, 7 de março, das 15h às 17h. O encontro será no auditório 2 do Edifício João Paulo II, na rua Benjamin Constant, na Glória. O investimento é de R$ 20 e será conferido certificado aos participantes. As inscrições podem ser feitas pelo e-mail: sculturaloyola@puc-rio.br.
Curso Jesus de Nazaré no Islã
Personagem central nas religiões cristãs, Jesus de Nazaré aparece também na tradição islâmica. No entanto, em lugar de ser Deus ou o Filho de Deus, o Islã apresenta Jesus como um profeta. Entre os dias 12 e 26 de março, sempre às quintas-feiras, das 19h às 21h, o Centro Loyola promove o curso Jesus de Nazaré no Islã, com o professor e historiador Alfredo Cruz. Nas aulas será feita uma apresentação de como Jesus é representado no Islã, as fontes dessa imagem e seu papel no processo inicial de interação entre cristãos e muçulmanos ao fim do século I. As aulas são voltadas para estudantes de história, teologia, relações internacionais e demais interessados pelo tema. O investimento é de R$ 110, para uma carga horária total de seis horas, com certificado para quem comparecer a 75% das aulas. O curso será na rua Bambina, 115, em Botafogo. Inscrições: scursosloyola@puc-rio.br.
Agora, vamos apresentar alguns comentários.

Deve estar claro para aqueles que têm acompanhado este blog que o "diálogo inter-religioso" é uma avenida de mão-única, onde a mensagem sai do islão na direção do cristianismo, e nunca o contrário. E vemos isso aqui novamente, sob o pretexto de se promover o diálogo inter-religioso, abre-se as portas para que seja apresentada uma versão higienizada do islão. Abrem-se as portas para a dawa, a pregação islâmica. E considerando o princípio teológico islâmico da taqiyya, pode-se esperar tudo, menos a verdade.

Palestra. "Quem conhece o islamismo sabe que esta é uma religião da paz." Desculpe, mas é exatamente o contrário. O islão preconiza que somente existirá paz quando o mundo todo for islâmico, ou seja, governado pela lei islâmica Sharia. Até lá, a Jihad prevalece. O islão foi espalhado pela espada. Foi isso que Maomé fez. Foi isso o que os seus companheiros diretos fizeram, e os califas e sultões que os sucederam, ao longo dos séculos, até o colapso do Império Otomano, no começo do século passado. Foram 1400 anos de Jihad sem parar, com um número estimado de 270 milhões de vítimas, e o consequente aniquilamento do cristianismo no Oriente Médio, Norte da África e Anatólia (atual Turquia) (bem como o aniquilamento do Budismo no Afeganistão, do Hinduísmo no Paquistão, do Zoroastrianismo no Irã, e das crenças animistas em boa parte da África e Ásia Central). E hoje é sonho de todo muçulmano a re-edição do Califado. Essa é a verdade histórica, mas eu duvido que um muçulmano vá discutir isso. Ele irá negar e por a culpa nos outros, pois este é o seu dever, como manda o Alcorão.


Curso sobre Jesus no Islão. "O papel de Jesus no processo inicial de interação entre cristãos e muçulmanos ao fim do século I." Em primeiro lugar, o islão foi criado no século VII, logo ele não existia no século I. Em segundo lugar, o Alcorão nega a divindade de Jesus Cristo, o que cria uma barreira intransponível entre o islão e o cristianismo. Para o islão, dizer que Jesus é Deus é uma blasfêmia contra o islão (ou seja, morte)! De modo que a interação sempre foi precária, e os cristãos (e demais não-muçulmanos) sempre estiveram do lado mais fraco desta interação. Este fato pode ser contemplado pelo Pacto de Umar, que estabelece as condições de cidadão de segunda categoria às quais cristãos e judeus foram submetidos (dhimitude). E estão submetidos até hoje. Estas atividades vão discutir casos como o de Asia Bibi, a paquistanesa cristã presa e condenada à morte por ter bebido água da mesma fonte que as suas colegas de trabalho muçulmanas?

Agora, vejam uma coisa. O público alvo deste curso: estudantes de história, teologia, relações internacionais. Ou seja, o público alvo são os futuros formadores de opinião, futuros líderes religiosos cristãos e futuros líderes internacionais, sendo treinados a serem robôs, todos regurgitando uma visão apologética do islamismo e sem capacidade de análise crítica.

E, para finalizar, vejam que o conferencista trabalha na Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro. Quando nos é dito "sociedade beneficiente" pensamos logo em hospital, casa de saúde, ou algum tipo de serviço de assistência à comunidade em geral, não é mesmo? Por exemplo, a Sociedade Brasileira Israelita é um hospital, assim como a Sociedade Beneficente São Camilo. Mas com o islão, os significados são diferentes. A Sociedade Beneficente Muçulmana do Rio de Janeiro é um centro de divulgação do islão associado a Mesquita da Luz, na Tijuca (aquela mesma que tinha um simpatizante do Estado Islâmico, flagrado por uma reportagem da CNN). Ou seja, é uma sociedade beneficiente para praticar a dawa. Tudo no islão se concentra na sua propagação, cuja meta final é a implantação da Sharia.

Bem, fica então o registro. Eu vou me manifestar, alertando sobre o erro que eles estão cometendo, pedindo o cancelamento destas atividades, e sugerindo que eles promovam atividades que discutam, por exemplo, a perseguição aos cristãos, e outras minorias, pelo islamismo.

Centro Loyola Rio de Janeiro
Estrada da Gávea, 1 – Gávea
Rio de Janeiro-RJ

Tel: (21) 3527-2010
E-mail: scursosloyola@puc-rio.br

Website: http://www.clfc.puc-rio.br


segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Crislão = Cristianismo + Islão ... um estratagema para enganar idiotas


José Atento
Para alcançar o objetivo final de implementar a lei islâmica (Sharia) e fazer o islão soberano em todos os níveis (políticos, econômicos, culturais e religiosos), os mamometanos mais fervorosos usam de qualquer artifício possível (inclusive mentir - ler em Taqiyya), seja pacífico ou violento, seja lento e gradual ou rápido. Eles sabem que ao se tornarem uma minoria significante eles já podem exigir privilégios, e que, quando maioria, podem impor a Sharia.    
A taquia oferece uma flexibilidade de ação (os meios justificam os fins) que permite distorcer a mensagem para satisfazer a necessidade do momento. Um exemplo disso é o Crislão, um engodo que torna Jesus como um caminho para Maomé. Ou seja, o Crislão é mais um tentativa de se arregimentar mais pessoas para a causa islâmica, recrutando-as entre os cristãos. 
O pior é que existem muitos pastores e clérigos cristãos que endossam o Crislão, mesmo sem dizerem isso diretamente. Alguns outros, contudo, adotaram o Crislão explicitamente.  
O Crislão não atinge as Mesquitas, e nenhum muçulmano é exposto a ele, exceto como mais uma ferramenta para propagar o islamismo.  
Neste artigo, eu apresento o conceito que permeia o Crislão, bem como discuto a sua forma de ação, direta e indireta, e apresento sugestões de como combatê-lo. 
O que é o Crislão? 

Crislão, Crislã, Crislamismo (ou Chrislam, como usado em inglês) é uma forma de sincretismo religioso que se utiliza de conceitos cristãos e islâmicos, e que é pautado sobre a premissa básica de que ambas as religiões adoram o mesmo deus. Para satisfazer esta premissa, as enormes diferenças existentes entre as duas religiões são eliminadas.

A principal diferença que o Crislão elimina é justamente o embasamento do cristianismo, ou seja, a divindade de Jesus Cristo. Por conta disso, o Crislão conduz os cristãos a se tornarem muçulmanos, ao passar a idéia de que o caminho de Jesus conduz a Maomé.

Primeira Igreja do Crislão. Mensagem de Hoje: 
"Chegue para lá, Jesus. Maomé está entrando."

A coisa toda é sutil. Nenhum dos líderes do Crislão, todos cristãos (eu diria, ex-cristãos ou pseudo-cristãos), irá negar a divindade de Jesus. Eles porém, numa tentativa de se tornarem "inclusivos", deixam de enfatizar a divindade de Jesus, chegando mesmo a reinterpretar o significado de João 14: 6, "Eu sou o caminho, a verdade e a vida, ninguém vem ao Pai senão por mim." Eles também começam a aceitar a aceitar versões islâmicas como a de que Maomé foi profetizado no Novo Testamento, colocando deste modo o Alcorão sobre a Bíblia.

Implícito ao Crislamismo é a idéia de que tanto faz um ou outro, pois, como dito em 2010, por Larry Reimer, um ministro da Igreja Unida de Gainesville, FL: "O cristianismo, o judaísmo, e o islamismo são todos parte da árvore da fé de Abraão. Todos nós acreditamos no mesmo Deus, e em muitos aspectos estamos todos tentando realizar os mesmos objetivos". Ora, se tanto faz um ou outro, e se apenas cristãos estão expostos a isso, é de se esperar que apenas cristãos abandonem o cristianismo se tornando muçulmanos, ou aceitando o islamismo sem questionamentos. Em outras palavras, apenas o cristianismo se enfraquece.

Aliás, isso também acontece com o chamado "diálogo inter-religioso" que só acontece do lado do cristianismo. Ou seja, na prática, o "diálogo inter-religioso" nada mais do que uma pregação (dawa) do islamismo para os cristãos. O oposto nunca acontece.

Origem

Alguns dizem que o Crislão começou como uma maneira de ajudar a impedir o genocídio cristão na África. Não funcionou por razões óbvias. Esta tentativa, apesar de sincera em suas preocupações, estava sinceramente errada. Os muçulmanos que verdadeiramente seguem o Corão, e os cristãos que crêem naquilo que a Bíblia apresenta, consideram o crislamismo como uma contradição blasfema de suas crenças.

Mais recentemente, credita-se ao pastor estadounidense Rick Warren pela criação do Crislão nos EUA, durante o seu discurso durante a conferência da Sociedade Islâmica da América do Norte (ISNA) em 2009, no qual ele ressalta, dentre outras coisas, a importância da globalização, como os cristãos e os muçulmanos precisam "depor as diferenças" e trabalhar juntos, e muito mais.

"Pastor" Rick Warren discursando durante a conferência da Sociedade Islâmica da América do Norte (ISNA) em 2009

Forma de Ação

O Crislão é taquia por parte dos muçulmanos, e estupidez e ingenuidade (ou ganância) por parte dos líderes cristãos que fazem isso. Vejamos alguns exemplos:
Brian Houston da Hillsong Church, na Austrália, se dirigiu à sua congregação com estas palavras: "Você sabe, se tomarmos todo o caminho de volta para o Antigo Testamento, e os muçulmanos e você, nós realmente servimos ao mesmo Deus."
Robert Schuller, pastor da Catedral de Cristal, disse a um Imã da Sociedade Muçulmana Americana que "se ele voltasse em 100 anos e encontrasse seus descendentes muçulmanos, isso não iria incomodá-lo ...."
Deborah Lindsay, reverenda da Primeira Igreja Comunidade em Marble Cliff, disse que a Quaresma tem muito em comum com o conceito islâmico da jihad. (Muito embora não exista nenhuma seita do cristianismo que defina a a Quaresma, nem agora nem nunca, como envolvendo uma guerra contra os não-cristãos para os subjugar, como a Jihad é definida). O interessante é que a parceria da Rev. Lindsay é o Centro Cultural Islâmico Noor, que é controlado pela Irmandade Muçulmana. 
Essas atitudes levam à islamização. O Jesus dos Evangelhos é a base sobre a qual o cristianismo se desenvolveu. Ao islamizá-lo, tornando-o em um profeta muçulmano que pregou o Alcorão, o Islão destrói o cristianismo e assume toda a sua história. (O mesmo vale para o judaísmo.)

O Crislão vai conduzir os cristãos para o abate mais rapidamente

A coisa é tão séria que em Berlin, Alemanha, ocorre no momento a construção de um edifício que, sob o mesmo teto, abrigará uma igreja cristã, uma mesquita e uma sinagoga. Os organizadores deste projeto, chamado "The house of one", são o pastor Gregor Hohberg, o imã Kadir Sanci e o rabino Tovia Ben-Chorn. 

Um templo como este NUNCA seria erguido no mundo islâmico!

Crislão: a religião única do mundo

O Crislão se encaixa muito bem com o que o teórico Sayyid Qutb, da Irmandade Muçulmana, disse uma vez: 
"O abismo entre o Islão e Jahiliyyah [a sociedade dos incrédulos] é grande, e uma ponte não é para ser construída através dele para que as pessoas dos dois lados possam se misturar umas com a outras, mas apenas para que o povo de Jahiliyyah possa vir para o Islão."
Os islamitas radicais estão promovendo projetos inter-religiosos em toda a parte do mundo não-muçulmano, colocando com sucesso uma máscara suave em sua ideologia brutal.

Como combater o Crislão

O modo de se combater o Crislão é o mesmo a ser usado para se combater o Islão: denunciando-o, negando espaços, educando as pessoas, e sempre dizendo a verdade. É preciso agir ao nível intelectual e ao nível emocional. E ter paciência.

É fundamental que os pastores, padres e bispos sejam alertados sobre a armadilha do diálogo inter-religioso. Aqueles que o fazem devem ser denunciados como os traidores que são. A rigor, o esforço deveria o de se alardear o Evangelho, e não o de esconde-lo para se promover uma "fé compartilhada" que nunca existiu, e que resulta na promoção do islamismo.

É importante também cobrar dos muçulmanos, que eles condenem, de forma ativa, todos os aspectos do islão que sejam contrários aos Direitos Humanos Universais, por exemplo, a conceito de considerar um crime capital um muçulmano deixar a fé islâmica. Muito mais importante do que buscar pontos-em-comum, é o de se viver em harmonia com os diferentes, algo que não se vê no mundo islâmico.



Palavras Finais

As diferenças entre cristianismo e islamismo são enormes, tanto do ponto-de-vista teológico quanto do ponto-de-vista prático. Enquanto que o cristianismo é centrado nos ensinamentos de uma pessoa que apenas pregou o bem (Jesus) e tem se mostrado maleável o suficiente para acompanhar a evolução da humanidade, o islamismo é centrado nos ensinamentos e ações de um Senhor da Guerra, e tem-se mostrado incapaz de progredir.

Aceitar o crescimento do islamismo no nosso meio é permitir que uma mentalidade retrógrada e medieval comece a influenciar a nossa cultura, e os retrocessos serão irreparáveis, basta ver como são hoje os "países islâmicos" onde a Sharia se faz presente em níveis diferentes de intensidade: quanto mais Sharia, mais retrógrado, misoginista, segregacionista e reacionário o país é. É esse o Brasil que desejamos para nossos filhos e netos?

E para os cristãos eu deixo a seguinte pergunta: Você prefere ser um cristão, cuja fé e crença é tão forte que você aceitaria ser chamado de fanático religioso ou você prefere ceder partes de sua fé a fim de ser visto como tolerante, inclusivo, ou insoso (sem sal)? À luz do que Jesus fez por aqueles que crêem n'Ele, ser rotulado de "fanático" parece ser o mínimo que se poderia fazer.




Referências

1. Crislamismo? Palestinianismo Cristão??, T. A. McMahon, beth.shalon.com.br. Acessado em 21/2/2015.

2. UCC Pastor to read Quran in Response to Dove Quran Burnings, freerepublic.com. Publicado em 9/7/2010. Acessado em 22/2/2015. 

3. Evangelist Warren to Muslims: Let's partner, NBC News, Publicado em 7/9/2009. Acessado em 22/2/2015. 

4. Minister explores bonds Muslims, Christians share, The Columbus Dispatch. Publicado em 28/3/2014. Acessado em 22/2/2015. 

5. Christians Increasingly Misled into Interfaith Ties With Islamists, The Clarion Project. Publicado em 3/4/2014. Acessado em 22/2/2015. 

6. Berlin terá templo único para cristãos, judeus e muçulmanos, Exame.com. Publicado em 3/6/2014. Acessado em 22/2/2015. 




segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Irã: lei permite homens se casarem com filhas adotivas de 13 anos (mais um legado de Maomé)


O parlamento iraniano aprova uma lei que permite os homens de casar-se com suas filhas adoptivas desde a idade de 13 anos
Veja bem, a lei já permite um homem se casar com até quatro mulheres. Esta lei é um prato-feito para os pedófilos, que podem praticar pedofilia (e incesto), não apenas com uma, mas com até 4 meninas de 13 anos, com a proteção da lei.  E tudo isso porque Maomé se casou com uma criança e se casou (praticou incesto) com a sua nora (veja referências no final do artigo). Isso é lei islâmica em ação. E pensar que nós estamos importando isso para o Brasil. 
Artigo: Le Parlement Iranien approuve une loi qui permet aux hommes de se marier avec leur fille adoptive des lage de 13 ans, Tunisia Daily

Tradução: Gustavo Bourbon

Segundo o jornal tunisiano, aqueles que pensavam que o novo presidente iraniano, Hassan Rouhani, foi um reformador, estarão certamente decepcionados:

Rouhani acabou de assinar uma nova lei para permitir que homens se casem com suas filhas adoptivas desde [...] a idade de 13 anos. O jornal britânico The Guardian relatou que esta lei foi incorporada à legislação que diz ser, ironicamente, para proteger as crianças. Foi aprovada pelo Parlamento iraniano neste domingo.

«Esta lei legaliza a pedofilia» – diz a advogada Shadi Sadr, que milita pelos direitos humanos na organização Justice for Iran, com sede em Londres.

«Casar-se com uma criança adotada não é parte da cultura iraniana.» Obviamente, há incesto no Irã, mais ou menos como em todos os países do mundo, mas esta lei legaliza a pedofilia e coloca nossas crianças em perigo, fazendo o crime uma norma na nossa cultura» – ela acrescentou. «Se um pai se casar com sua filha adoptiva, que é menor e houver relação sexual, isso é um estupro».

Segundo Sadr, os legisladores iranianos justificam esta lei, explicando que ela resolverá das complicações ligadas ao hijab (véu) quando uma garota é adotada. Uma filha adoptiva deve usar o hijab na frente de seu pai adotivo e uma mãe deveria usá-lo na frente de seu filho adoptivo duma certa idade. «Com esta lei, você pode ser pedófilo e conseguir uma presa, como um pretexto para adoptar uma criança» – ela disse.

Shiva Dolatabadi, que dirige a organização de proteção dos direitos das crianças iranianas, também acredita que a lei legaliza o incesto. «Você não pode abrir um caminho no qual o papel dum pai ou uma mãe pode ser misturado com aquele do cônjuge. As crianças não são seguras na tal família.

No Irã, meninas podem se casar a partir dos 13 anos se elas têm a permissão de seus pais. Mas um juiz também pode autorizar o casamento duma menina que tenha menos de 13 anos. Os rapazes podem se casar a partir dos 15 anos. Em 2010, ocorreram 42.000 casamentos de crianças dentre 10 e 14 anos de idade, de acordo com o sítio iraniano Tabnak. Além disso, em Teerã, pelo menos 75 crianças com abaixo de 10 anos se casaram.

A lei ainda deve ser aprovada pelo Conselho dos Guardiães, que é composto de seis advogados e seis teólogos.

Leituras adicionais:

- Direitos das Mulheres sob o Islão

Porque a adoção é ilegal no islamismo (e porque incesto é legal): o escandaloso casamento de Maomé com sua nora, Zainab (e o caso de Maomé com a sua tia Kaula)


domingo, 15 de fevereiro de 2015

Toda a vida européia morreu em Auschwitz


Por Sebastian Vilar Rodrigez

Eu caminhava pelas ruas em Barcelona, e de repente descobri uma verdade terrível - A Europa morreu em Auschwitz ... Nós matamos seis milhões de judeus e os substituimos por 20 milhões de muçulmanos. Em Auschwitz queimamos uma cultura, o pensamento, a criatividade, o talento. Destruímos o povo escolhido, verdadeiramente escolhido, porque eles produziram grandes e maravilhosas pessoas que mudaram o mundo.

A contribuição deste povo é sentida em todas as áreas da vida: ciência, arte, comércio internacional, e acima de tudo, como a consciência do mundo. Estas são as pessoas que nós queimamos.

E sob o pretexto da tolerância, e porque queríamos provar a nós mesmos que estávamos curados da doença do racismo, abrimos nossas portas para 20 milhões de muçulmanos, que nos trouxeram estupidez e ignorância, extremismo religioso e falta de tolerância, crime e pobreza, devido a uma falta de vontade de trabalhar e sustentar suas famílias com orgulho.

Eles têm explodido nossos trens e transformaram nossas belas cidades espanholas em um terceiro mundo, afogando-se em sujeira e crime.

Calados nos apartamentos que recebem livre do governo, eles planejam o assassinato e destruição de seus hospedeiros ingênuos.

E assim, na nossa miséria, trocamos a cultura pelo ódio fanático, a habilidade criativa pela habilidade destrutiva, a inteligência pelo atraso e superstição.

Trocamos a busca da paz dos judeus da Europa e seu talento para um futuro melhor para seus filhos, a sua determinação e apego à vida, porque a vida é sagrada, por aqueles que buscam a morte, por pessoas consumidos pelo desejo de morte para eles próprios e outros, para os nossos filhos e os deles.

Que terrível erro foi cometido pela Europa miserável.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Qisa: Retaliação na Lei Islâmica (olho-por-olho, dente-por-dente)


José Atento
Um artigo anterior, Punição com o Fogo: Mais um legado de Maomé, eu tratei da punição com o fogo, e como ela foi aplicada por Maomé e seus companheiros. O contexto do artigo foi a imolação do piloto jordaniano que foi preso pelo Estado Islâmico. Contudo, a mídia social do Estado Islâmico defende que a punição foi feita como Qisa, ou seja, retaliação pelo fato do piloto estar atacando o Estado Islâmico (claro, que do ponto-de-vista do Estado Islâmico, a ação deste piloto é um crime, ao passo que degolar, crucificar, assassinar, banir, escravizar sexualmente, estuprar e pilhar são ações virtuosas, pois foram praticadas por Maomé durante a sua vida e aprovadas pelo Alcorão). 
O piloto jordaniano, além de queimado,foi coberto por escombros. Isso porque o Estado Islâmico o acusou de bombardear jihadistas, matando-os queimados e cobertos por escombros. Dente-por-dente, olho-por-olho (Qisa), do modo mais literal possível.  
Em vista disso, eu resolví transcrever o que a Lei Islâmica ('Umdat al Salik) diz com respeito a Qisa, pois o texto em sí diz tudo. Lembre-se que não existe retaliação quando um muçulmano mata um não-muçulmano.  
Em resumo, o que a lei islâmica diz é que, em caso de lesão corporal ou morte, a família da vítima, ou o Estado Islâmico, tem o direito de aplicar a mesma lesão corporal ou tipo de morte que o culpado cometeu. Qisa significa "equidade."

o3.0 RETALIAÇÃO  DE LESÕES CORPORAIS OU MORTE (Qisas)

o3.1 Retaliação é obrigatória (A: se os beneficiários quiser aplicá-la (dis: o3.8)) quando há uma (N: puramente) lesão intencional (def: o2.4) contra a vida ou de ferimentos graves.

o3.2 Retaliação é obrigatória em troca de lesões (A: parte por parte proporcional) sempre que a
lesão retaliativa possa ser (S: totalmente) infligida sem exceder a extensão da lesão original, tal como
(A: quando a lesão é no retaliativo) um olho, pálpebra, a parte macia do nariz, das orelhas, dente, lábio, mão, pé, dedo, dedo, pénis, testículos, vulva, e semelhantes; desde que a lesão de retaliação seja como a original, o que significa que um membro do direito não é levado para um esquerdo, um superior para um inferior, nem um membro funcional por um membro paralisado. (N: Nem há retaliação por ferimentos a bala não fatais no estômago ou peito, por exemplo, uma vez que tais lesões não podem ser reproduzidas sem risco de danos maiores do que a razão original pela qual eles chamam de uma indenização (dis: o4.15). sozinho) Não há nenhuma retaliação por (O: quebra) um osso (A: embora o pagamento é devido para cobrir o custo do tratamento e assim por diante).

o3.3 As fêmeas têm o direito de retaliar contra os homens, crianças contra adultos, e pessoas de baixa classe contra a classe alta; se a retaliação for uma vida por uma vida, ou membro por um membro.

o3.4 Não é admissível a exata retaliação contra alguém sem a presença do califa (def: o25) ou o seu representante (O: o que significa que é necessário ter a permissão de um deles, porque
do perigo e falta de conhecimento envolvido em retaliação exigente consigo mesmo, uma vez que requer o julgamento e raciocínio pessoal de um governante. Se alguém toma retaliação sem a permissão do califa, então é válido (A: ou seja, basta a demanda por ele), mas a pessoa que levou ele é disciplinada (def: O17) para arrogando prerrogativa do califa, uma vez que a administração de retaliação é uma de suas funções e usurpa-la é errado). Se uma pessoa que tem o direito de retaliar for capaz de fazê-lo eficientemente (O: ser um homem forte, que sabe como fazê-lo), ele é permitido. Se não, ele é ordenado (N: pelas regras ou seu representante) para ter outro para fazê-lo.

o3,5 Se duas (O: ou mais) pessoas têm o direito de exigir retaliação contra o agressor, não é
admissível que apenas um deles insista em fazê-lo (O: apesar de se escolher um de si para
exigi-lo, isso é permitido, e o escolhido é considerado como o outro agente comissionado. os
dois não podem levar a retaliação em conjunto, pois isso equivale a torturar a pessoa que está sendo alvo de retaliação). Se cada um insiste que ele seja o único, eles devem tirar a sorte para ver quem vai fazê-lo.

o3.6 Não há nenhuma retaliação contra uma mulher grávida até que ela dê à luz e a criança seja capaz de se saciar com leite de outra.

o3.8 Sempre que alguém que tem o direito de exigir retaliação decide, ao invés, de perdoar o agressor e tomar uma indenização (def: o4) dele, a retaliação não é mais aplicada, e a pessoa merecedora tem direito à indenização. Se algum de um grupo de pessoas que têm o direito de retaliação concorda em renunciar a ele, como quando uma vítima de assassinato tem filhos e um deles perdoa o assassino, a retaliação não é mais obrigatória, eo  grupo merece uma indenização por parte do infractor. (A: Ou a indenização pode também ser dispensada.)

o3.9 Quando alguém mata um grupo de pessoas ou os mutila, um após o outro, a retaliação é exigida para o primeiro indivíduo atacado, e as outras partes merecem receber uma indenização. Se o infractor ferir todos de uma vez, então aqueles com direito a retaliar contra ele fazem um sorteio para determinar quem vai fazê-lo.

o3.10 Quando um grupo de pessoas assassinar uma única pessoa, eles são todos mortos em retaliação, não importa se o montante do prejuízo causado por cada um sobre a vítima é a mesma ou se difere.

o3.12 Não há nenhuma retaliação contra qualquer pessoa por uma lesão ou morte causada por alguém que fez isso intencionalmente, mas em conjunto com alguém que o fez por engano. Quando um crime prejudicial for causado por um alguém que não seja membro da família, em cooperação com o pai da vítima, retaliação só é tomada contra os quem não pertence à família (dis: o1.2 (4)).

o3.13 retaliação é também obrigatória (dis: o3.8) para cada ferida que corta o osso, como um corte na o cabeça ou face que atinge o crânio, ou um corte ao osso na parte superior do braço, inferior da perna, ou coxa. Até o osso significa que é sabido que uma faca ou uma agulha, por exemplo, atingiu o osso, não que não ferida, na verdade, tenha exposto o osso.



quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Punição com o fogo: um legado de Maomé (e dos seus companheiros)


José Atento
Porque o piloto Jordaniano Muath al-Kasasbeh foi queimado vivo? Isso é islâmico ou selvagelmente cruel? Reposta: os dois. Lembre-se, dentro da dualidade do islamismo, duas coisas contraditórias podem ser permitidas (halal). Como saber quando uma é permitida e quando a outra é permitida? Vendo o que Maomé fez em uma situação semelhante. Lembre-se que o Alcorão diz 93 vezes que Maomé é o exemplo de conduta! 
[Artigo relacionado - Qisa: retaliação na lei islâmica (dente-por-dente, olho-por-olho)]



Vejamos o que as tradições de Maomé (Sunna) nos relatam.

Maomé manda queimar duas pessoas, mas aparentemente volta atrás

Hadice sahih (autêntico) de Bukhari, Volume 4, Livro 52, Número 259:
Narrou Abu Huraira: O Apóstolo de Alá nos enviou em uma missão (ou seja, em uma unidade do exército) e disse: "Se você encontrar fulano-de-tal e beltano-de-tal, queime ambos com fogo." Quando mostramos intenção de nos afastar, O Apóstolo de Alá  disse: "Eu mandei que vocês queimem fulano-de-tal e beltano-de-tal, e é senão Alá quem pune com fogo, por isso, se vocês encontrá-los, matem-os. "
Como entender isso? Em primeiro lugar, Maomé manda queimar duas pessoas vivas. Em seguida, ele parece se arrepender de ter dito isso e manda seus seguidores não queimá-los mais, mas apenas matá-los (não manda perdoá-los, mas sim matá-los: esta é a misericórdia de Maomé).

Os companheiros próximos de Maomé queimavam pessoas vivas

O Hadice seguinte,  Bukhari, Volume 4, Livro 52, Número 260, também faz menção a queimar pessoas vivas:
Narrou Ikrima: Ali havia queimado algumas pessoas e esta notícia chegou a Ibn 'Abbas, que disse: "Se eu estivesse no seu lugar eu não teria queimado-os, pois como o Profeta disse: "Não puna (ninguém) com a punição de Alá."  Sem dúvida, eu teria matado-os, pois o Profeta disse: "Se alguém (um muçulmano) descarta sua religião, mate-o." 
Veja então que Ali, um parente próximo e um dos mais importantes companheiros de Maomé (ele se tornaria Califa mais tarde) estava queimando pessoas (neste caso, ex-muçulmanos). Ibn Abbas apenas disse que teria matado os ex-muçulmanos de modo diferente (novamente, nada de perdão).

Maomé torturava com fogo

Veja agora, a narrativa da Sunna (tradição de Maomé), como descrita por Ibn Ishaq na obra fundamental "A Vida de Maomé":
Kinana b. al- Rabi`, que tinha a custódia do tesouro do B. al- Nadir [tribo judáica], foi trazido para o apóstolo que lhe perguntou sobre o assunto [onde estava o tesouro]. Kinana negou que soubesse onde o tesouro estava. Um judeu veio (T. foi trazido ) ao apóstolo e disse que ele tinha visto Kinana andando em volta de uma certa ruína a cada manhã bem cedo. Quando o apóstolo disse a Kinana, "Você sabe que se eu descobrir que o tesouro está com você eu vou matá-lo?" Ele disse que sim. O apóstolo deu ordens para que a ruína fosse escavada e alguns pedaços do tesouro foram encontrados. Quando ele perguntou a ele sobre o resto ele se recusou a responder, de modo que o apóstolo deu ordens para al- Zubair b . al- `Awwam "torture-o até que você extraia tudo o que ele tem", então ele acendeu uma fogueira sobre o seu peito, com pedra e aço, até que ele estivesse quase morto . Em seguida, o apóstolo entregou-o para Muhammad b. Maslama e ele cortou-lhe a cabeça, para vingar seu irmão Mahmud. (Ibn Ishaq, Sirat Rasul Allah, traduzido como, The Life of Muhammad, (tr A. Guillaume ), Karachi: Oxford University Press, 1998, p 515.)
E esta outra narrativa, quando Maomé usou ferro quente para cegar pessoas, descrita por Bukhari, Volume 4, Livro 52, Número 261:
Narrou Anas bin Malik: Um grupo de oito homens da tribo de 'Ukil veio ao Profeta e, em seguida, eles encontraram o clima de Medina inadequados para eles. Então, eles disseram: "Ó Apóstolo de Alá! Deixe-nos com um pouco de leite." O Apóstolo de Alá disse: "Eu recomendo que vocês devem se juntar a manada de camelos." Então eles foram e beberam urina e leite dos camelos (como um medicamento), até que se tornaram saudáveis e gordos. Em seguida, eles mataram o pastor e afugentaram os camelos, e eles se tornaram descrentes, já que eles eram muçulmanos. Quando o Profeta foi informado por um pedido de socorro, ele enviou alguns homens em sua busca, e antes que o sol se levantou alto, eles foram trazidos, e eles tiveram suas mãos e pés cortados. Então ele ordenou que pregos fossem aquecidos e fossem passados por cima de seus olhos, e eles foram deixadas na Harra (isto é, na terra rochosa em Medina). Eles pediram por água, e ninguém lhes forneceu água, até que eles morreram (Abu Qilaba, um sub-narrador disse: "Eles cometeram assassinato e roubo e lutaram contra Alá e Seu Apóstolo, e espalharam o mal na terra.")
Eram todos "bandidos" mas a atitude de Maomé define bem o seu caráter.

O que doutores do islão dizem

Vejamos o que um doutor do Islão, Muhalab ibn Safra (d. 702), diz através de um tafsir, ou exegese, em relação a declaração atribuída a Maomé de que "só Alá atormenta com fogo." De acordo com o tafsir, a afirmação de Maomé não pretende proibir os jihadistas de usarem o fogo para atormentar as pessoas, sendo apenas um reflexo de "humildade", pois apenas Alá tem o poder de impor um tormento verdadeiro.

Vejamos, agora, o que um outro doutor do Islão diz, neste caso o eminente jurista Hafiz ibn al-Hajar (d. 1449), que comenta que "as obras dos companheiros [de Maomé] evidenciam a permissibilidade da queima, e o fato do profeta ter colocado para fora os olhos dos homens de Urayna usando ferro quente [além de cortar os pés e as mãos], e Khalid bin al-Walid [conhecido como a "Espada de Alá"] queimou algumas das pessoas que deixaram de ser muçulmanas."

Fatwa justifica queimar pessoas vivas

Raymond Ibrahim relata uma fatwa emitida pelo Estado Islâmico que permite a imolação de seres humanos. Esta fatwa argumenta que as escolas de jurisprudência islâmicas Hanafi e Shafí (duas das quatro escolas de jurisprudência do Islão sunita) autoriza a queima de pessoas.

A fatwa também faz menção a ao tafsir de Muhalab ibn Safra e ao comentário de Hafiz ibn al-Hajar.

Atualização: Raymond Ibrahim relata uma Fatwa de número 71480, emitida pelo Ministro de Awqaf e Assuntos Islâmicos, em 7 de fevereiro de 2006, intitulada "A Imolação de Ias ibn Abdul Yalil por Abu Bakr." Ela se refere a um incidente que ocorreu durante a Guerra da Apostasia quando o primeiro califa Abu Bakr imolou um apóstata. A conclusão da Fatwa é que o que foi feito com (al-Fuja'ah) Ias ibn Abdul Yalil foi justificado e merecido. Leia a passagem:
Quanto à história de Abu Bakr (que Alá esteja satisfeito com ele) queimar (al-Fuja'ah) Ias Abdul Yalil com o fogo, isto está documentado nos livros de história. No livro (Alkamel): "Ias Abdul Yalil veio a Abu Bakr e disse a ele: me ajude a combater os apóstatas, dando-me amras. Ele deu-lhe armas e ordenou-lhe a seguir as ordens; ele atacou os muçulmanos e até mesmo desceu para Aljoa, e enviou Nokhba bin Abi Almithae de Bani Sharid e nomeou um Emir aos muçulmanos, em seguida, ele atacou todo muçulmano na tribo de Salim, Amer, e Hawazen. Abu Bakr (que Alá esteja satisfeito com ele) ouviu falar sobre isso, então ele mandou alguém para prendê-lo [Ias] e trazê-lo de volta. Abu Bakr pediu que uma fogueira fosse feita na sala de oração, em seguida, ele atirou [Ias] nela com as mãos amarradas. 
(Ao final deste artigo, eu apresento o texto da História de al-Tabari, que descreve o evento que levou a imolação de al-Fuja'ah Ias Abdul Yalil)

Uma outra narrativa nesta mesma Fatwa:
Os estudiosos divergem quanto a saber se essa proibição [não matar com o fogo] é uma interdição ou apenas uma sugestão relativa a humildade; Ibn Hajar disse em [seu livro] Fath Albari: "..Al Muhallab disse: Esta proibição não é para a interdição, mas apenas para a humildade, bem como a prova de que a queima é permitida está nos atos de companheiros do profeta, o profeta - que a paz esteja sobre ele - queimou os olhos do Oranyeen [de Orayna] com ferro aquecida [pregos]. E Abu Bakr queimou os agressores, na presença dos companheiros, Khalid Bin Alwalid [muçulmano comandante do Exército] queimou alguns apóstatas, e a maioria dos estudiosos da Medina [cidade do profeta] permitem que castelos e navios sejam postos em chamas, em cima do seu povo, isto tendo sido afirmado por Althawri e Al-Awzaai. Ibn Mounir e outros disseram: não há uma prova para a permissão, porque a história de Oranyeen foi vingança, e no caso de castelos e navios é permitido com a necessidade, como condição, se esta for uma maneira de alcançar a vitória sobre o inimigo.
Conclusão

Eu acho que está claro que a punição com fogo, apesar de não ter sido estipulada no Alcorão, foi aplicada tanto por Maomé como pelos seus companheiros mais próximos, seja queimando pessoas vivas ou para torturá-las. E Maomé, apesar de ter mudado de idéia uma vez, nunca as proíbiu.

De modo que algum muçulmano pode dizer que queimar uma pessoa (ou tortura-la com fogo) não é uma punição de Alá, e ele está certo nisso. Contudo, ele estará errado ao dizer que esta punição é anti-islâmica, já que Maomé e os seus companheiros a aplicaram. 

Atualizações e mais exemplos

(1) Boko Haram queima 91 pessoas vivas no Camarões
O que indica que a área de atuação deste grupo que segue ao pé-da-letra os ensinamentos do Maomé está se ampliando (Pamela Geller). Eu descobri alguns dias atrás que o Boko Haram tem um nome em árabe: "Pessoas comprometidas com os ensinamentos do Profeta para a propagação e Jihad." 

(2) Estado Islâmico queima vivos mais 4 pessoas
Quatro iraquianos foram amarrados de cabeça para baixo, mas com visão para ver o fogo se aproximar deles até os envolver. (TLVFaces, agosto/2015)





Trecho de "A História de al-Tabari", Volume 10: A Conquista da Arábia: As Guerras da Apostasia D.C 632-633/D.H. 11 ("The History of al-Tabari", Vol. 10: The Conquest of Arabia: The Riddah Wars A.D. 632-633/A.H. 11), que narra a imolação de al-Fuja'ah Ias Abdul Yalil.



terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

Atualizações em janeiro de 2015



Veja o que entrou de novo no blog em janeiro de 2015

Publicações sobre o islão em português
Leia no link.

Liga Cristã Mundial emite 'carta aberta' relacionada aos atentados islâmicos e a islamização
É importante salientar que se opôr a islamização do Brasil não te obriga a assumir posturas diferentes daquelas que você tem hoje (por exemplo, se você é ateu, você não precisa se tornar cristão para isso). Porém, se opor a islamização vai ter obrigar ter uma visão mais ampla do problema, no sentido que todos nós, infiéis não muçulmanos, temos que aprender a conviver uns com os outros, porque o islão deseja acabar com todos nós. Isso é uma questão de escolha estratégica. É MELHOR ENGOLIR PEQUENOS SAPOS NOS NOSSOS RELACIONAMENTOS COM OUTROS "IRMÃOS INFIÉIS", MAS CONTINUAR VIVO, DO QUE SER ESMAGADO E MORTO PELO DINOSSAURO ISLÂMICO. (Link)



Mauritânia: Pena de morte decretada por apostasia
Blogueiro mauritânio Mohamed Cheikh Ould Mohamed foi sentenciado à morte no dia 24 de dezembro de 2014 por um artigo online que ele publicou há um ano atrás. No artigo com o títuto “Religião, religiosidade e artesãos,” (em tradução livre) Cheikh criticou o discriminatório sistema de castas do país, ligando isso ao que ele identificou com práticas similares as da vida do profeta Maomé. Mas foi acusado de insultar o profeta. (Fonte: Global Voices)
Artigo em árabe: http://www.aafaq.org/news.aspx?id_news=8808

Uganda: imã mata filha que se tornou cristã
Imame agrediu suas duas filhas (de doze e de quinze anos) com um porrete, matando a mais velha e deixando a outra hospitalizada, por terem se convertido ao cristianismo. (morningstarnews)



Propaganda islâmica mente sobre os 'direitos das mulheres' sob o islão
Leia tudo no link.

Arábia Saudita: Companhia aérea pode impor segregação entre os sexos
Isso por causa de reclamações de maridos que não aceitam que outros homens se sentem ao lado das suas esposas. A companhia aérea SAUDIA obrigará que o seu pessoal mantenham homens e mulheres afastados abordo, a menos que eles sejam parentes próximos. E obviamente, as políticas de viagem estão de acordo com a prática do Islã no país. (RT).

Pornistão
Separado da Índia pelos muçulmanos (sim, foram eles que começaram os tumultos na época), o Paquistão de maioria muçulmana ainda têm comunidades remanescentes das religiões majoritárias em toda a região: hindus, sikhs, budistas, zoroastrianos e até uma minoria de cristãos. Não podemos deixar de noticiar os fatos que a mídia covencional vergonhosamente esconde ou minimiza. Eles existem e nossos detratores podem tergiversar ou tentar racionalizar tais gravíssimos problemas sociais com discurso marxista cultural mas nada disto muda o fato de que, nestes países onde a ortodoxia islâmica moldou a mentalidade das massas, tais crimes são mais do que frequentes : são verdadeiras endemias culturais, por assim dizer. (Texto de Tob B)
"Horrível realidade do Paquistão: 90% de 1.5 milhões de crianças sem-teto são estupradas no país" (inquisitr)
"Menino de seis anos é estuprado e morto logo após" (dunyanews)

Arábia Saudita contrata hackers para combater pornografia na internet
Apesar do mundo islâmico ser um dos maiores consumidores deste "produto." (Meiobit)

Ministro da Saúde da Turquia diz que "carreira" das mulheres é a maternidade
Muitos e muitos filhos, ficar em casa cuidando deles, educá-los para serem bons jihadistas, só sair quando o marido permitir, e ficar feliz em compartilhar o marido com outras 3 esposas. (UOL)

Inglaterra: Médico muçulmano faz o parto de mulher não muçulmana e retira o clitóris (clitoridectomia) da parturiente
Sem o consentimento dela. (bbc)

Grã-Bretanha: Menina descreve como pai matou a mãe e depois a vendeu para um estuprador
(Mirror)

Estado Islâmico está executando mulheres com bom nível de escolaridade 
Especialmente as candidatas de eleições passadas para cargos públicos. Como disse o ministro da saúde da Turquia: o papel da mulher é a maternidade. (english.alarabiya)

Estado Islâmico ordena mutilação genital de todas as mulheres
Decisão pode atingir potencialmente até quatro milhões de mulheres. Feita para “para promover a atitude islâmica entre os muçulmanos” e aumentar o “distanciamento da libertinagem e da imoralidade. ” As consequências serão severas àquelas que descumprirem a decisão. (TN Online)

Imame diz que "mulher deve apanhar para entender a frustração no coração do homem"
Mais um imame islamófobo que parece não entender o islão direito. Será que ele não sabe que o islão engrandece as mulheres?


França: alunos católicos na mesquita
Diante de tantas ações dos governos, de organizações e de pessoas comuns, parece que a Europa é que está pedindo para ser islamizada. Os jovens católicos não vão mais a Missa. Que coisa fazer? Encorajá-los a conhecer melhor… o Islão. Iniciativa de uma escola católica. Os alunos do colégio católico Sant-Pierre Les Essarts, na França, colocaram em prática o espírito de Assis com uma visita a mesquita de La Roche-sur-yon, acompanhadas de seus professores. O propósito: “impregnar-se” do espírito do Islão. PS. A segunda foto do link é dos EUA. (Sampiox)

Reportagem do Fantástico: Jornalista francesa se alista disfarçada no Estado Islâmico
Francesa mostra em documentário a rotina dos combatentes e como o grupo recruta jovens europeus para o terror (O Globo). Alguns pontos a destacar:
(1) Como é fácil a movimentação dos jihadistas na França
(2) Mesquitas francesas usadas como "central de operações"
(3) Lei islâmica sendo implementada na sua integridade pelo Estado Islâmico
(4) Na França, doutrinação crescente de muçulmanos e recém-conversos, todos desejando Jihad.

Festinha em uma creche islâmica (no ocidente)
Aisha, vem cá ver que bonitinho o seu filho Mohamed cortando o pescoço de um bichinho de pelúcia, que gracinha, já está quase pronto para sacrificar animais de verdade para agradar Alá.

Puxa, Malalah, que bom, né? O meu filho, quando ele crescer, vai saber como combater os inimigos de Alá, e aplicar as punições prescritas por Alá, cortando os seus pescoços.

Aisha, pega um vidro de molho de tomate e joga no chão para parecer mais real.

video



Inglaterra: A Drag Queen muçulmana Asif Quraishi sofre ameaças de morte 
Ela se apresenta em shows de casas noturnas e diz sofrer ameaças de muçulmanos (bbc).


História

O dia de hoje na História da Jihad Islâmica
Veja as atualizações neste link

2015 é o ano do centenário do Genocídio Armeno, Grego e Assírio, pelos turcos maometanos
Um total estimado de 1,5 milhões de armenos, 900 mil gregos e 300 mil assírios, perderam as suas vidas nesta limpeza étnica, que muitos dizem, inspirou Hitler.
Leia mais no link.

Isso é um fato histórico: Antes da expansão militar do islão, e consequente ocupação das terras ocupadas, o norte da África não era árabe
http://youtu.be/I2atMXlxO0A


Indonésia
“Na Indonésia, eles se orgulham da intolerância cruel”, comenta Jabor (G1)



Curso sobre o "Mundo Islâmico" ministrado no Itamaraty
Leia o artigo no link.

Muçulmanos continuam assediando as mulheres brasileiras
Um vídeo do Jornal da Cultura que apenas corrobora sobre o assédio dos muçulmanos internacionais sobre as brasileiras, algo discutido em http://infielatento.blogspot.ca/2014/01/mulheres-enganadas-via-internet.html. O vídeo é correto ao afirmar que as mulheres muçulmanas só podem se casar com muçulmanos, mas o homem muçulmano pode se casar com qualquer uma. Mas como os filhos são muçulmanos, o estrago é permanente. Isso faz parte da Jihad Demográfica.


Número recorde de muçulmanos vive no Brasil
Governo petista tem facilitado movimento. Este texto está escrito de modo muito ponderado. A questão não é necessariamente sobre um "número recorde" de muçulmanos. A questão é sob que influência eles estão sendo expostos (wahabismo, salafismo, irmandade muçulmana)? Eles querem perverter a ordem constitucional e implantar a Sharia no Brasil? Eles estão se organizando em grupos fechados e guetos? Quem está financiando a construção de mesquitas e massalas no Brasil? E quem as mantém? A coisa é séria. (noticias.gospelprime).

Brasil bate recorde na concessão de refúgio a estrangeiros
Esses são os números de 2014: 2.320 refugiados. Sírios e angolanos são os que mais pediram refúgio no país. "Um expressivo número de estrangeiros que apresentou solicitação de refúgio nesse período era de religião muçulmanos." O número é três vezes maior que 2013 (651) e onze vezes maior que 2012 (199)! Leia mais neste link do Ministério da Justiça: http://bit.ly/17EdhXg. O Brasil está cometendo o mesmo erro da Europa!!! Esses são os refugiados. E os imigrantes?


CNN MOSTRA ADEPTO DO ISIS E DO TERROR NO BRASIL
Uma reportagem desta semana, apresentada pelo canal CNN, foi intitulada como “Qual foi o sentimento geral da comunidade muçulmana no Brasil depois dos acontecimentos violentos de Paris?” Inesperadamente, um fiel usando uma camiseta do ISIS debaixo da camisa, levanta e interpela o Imã pacifista, em árabe, dizendo que “o terrorismo é obrigatório no Islã, e que as decapitações dos inimigos de Allah devem continuar.”  O público na Mesquita da LUZ, situada no Rio de Janeiro, assistiu estarrecido quando o fiel disse, perante as câmeras, que não tinha medo de identificar-se. P.S.: A Mesquita da Luz (Masjid El Nur) situa-se na Rua Gonzaga Bastos 77 - Tijuca, perto da esquina desta rua com a Rua Barão de Mesquita.Segue vídeo: https://www.facebook.com/video.php?v=851994118177599

Hezbollah lança site no Facebook tendo como alvo público do Brasil 
O restante da América Latina também está incluido (ibrabo).

 

Argentina (com implicações para o Brasil): Hezbollah e assassinato de Alberto Nisman
O Promotor que investigava a conexão iraniana no atentado ao no centro judaico da AMIA, em Buenos Aires, em 1994, Alberto Nisman, apareceu morto horas antes horas antes de apresentar no Congresso argentino detalhes sobre a acusação contra a presidente Cristina Kirchner de manobra para encobrir os supostos autores. (globo.com)
Coincidência? Suicídio? Assassinato político? Espero que o que ele iria apresentar não seja igualmente morto.

Revista "Super Interessante" faz propaganda enganosa!
Super-Interessante de Fevereiro (não dá para acreditar nisso) pratica TAQUIA (a mentira sagrada do islamismo). A capa diz que Maomé "fundou uma nação baseada em direitos trabalhistas e livre mercado. Tinha uma esposa que ganhava mais que ele e emancipou as mulheres."
A verdade:
- O modelo econômico de Maomé era baseado na pilhagem das tribos vizinhas; 25% da pilhagem tornava-se  propriedade de Maomé.
- Maomé apenas tolerava quem fazia o que ele queria.
- Maomé deu o “Golpe do Baú ao se casar com a viúva de um mercador, Kadija, ela tinha 40 anos, e ele 25 (isso foi antes dele inventar o islamismo).
- “Emancipou as mulheres” ao torná-las propriedade do homem, e ao regulamentar a escravidão sexual.



Em 1989, o Monsenhor Lefevre já antevia as consequências da maciça imigração muçulmana para a Europa

video


Atlas HarperCollins exclui Israel de mapa escolar para crianças do Oriente Médio para agradar aos muçulmanos
Leia no link.

Grã-Bretanha: Escolas muçulmanas estão causando sérias divisões na sociedade, devido a sua falta de diversidade
E há denúncias de que nessas escolas há material que incita ao radicalismo islâmico. (Daily Mail)

Inglaterra: escola cristã é fechada por não promover o islamismo
(libertar.in)


Como implementar o Califado em Sete Etapas Fáceis
Será que tudo o que está acontecendo foi planejado a dez anos atrás?

Dominação Do Islã no Mundo - Como os Muçulmanos estão Dominando o Planeta
Este vídeo expõe a estratégia de conquista do islamismo de uma forma muito clara.


China baniu todo tipo de chamada para as orações dos muçulmanos
Vamos torcer para que a China influencie um outro "companheiro do BRICS." (JNews)

Jovem britânico de 19 anos é preso por queimar o Corão
Aí fica o questionamento: Queimar bíblias e invadir igrejas pode, não é grande mídia? Mas vai queimar uma mesquita ou o Corão em si. (Yorkshire Standard).

Itália: Prefeito de Milão autorizar a construção de duas mesquitas sem o consentimento do Conselho
O presente de Natal que o povo de Milão recebeu. O prefeito fez isso na calada da noite de indo contra algo que o Conselho da Cidade havia determinado. Pisapia é comunista. Sempre foi esquerdopata. É da "esquerda caviar" italiana. Mas a oposição e representantes da população de Milão já entraram com um processo de ilegalidade da decisão do prefeito. Há abaixo assinado de praticamente toda a população local contra essa construção, principalmente porque é em área histórica e turística. (imolaoggi)

Suécia: duas notícias contraditórias
  • Suecos viram-se contra a imigração: "A Suécia, conhecida por acolher bem os estrangeiros, mudou de sentido, em dezembro, quando o partido de extrema-direita dos Democratas foi eleito terceira força parlamentar. Esta viragem política forçou o governo de esquerda a convocar legislativas antecipadas para 22 de março. Entretanto, uma sondagem refere que 43% dos suecos são a favor de corte no apoio aos refugiados." (euronews)
  • Suécia se rende: enquanto isso, se mostrar crítico à política de imigração do governo sueco pode dar cadeia (Daniel Pipes)
Suécia: Faltam suecos em Malmö
Em um futuro não muito distante, não haverão mais suecos em Malmö, que é a terceira maior cidade da Suécia. E o governo ainda diz que a sociedade sueca ainda não está multicultural o suficiente. (Speisa)

Solução para a Islamização da França?
A solução para os conflitos na França é simples. Basta dividir a França em dois, sendo uma das metades governadas pela Sharia. E a capital, Paris, sendo dividida em dois. Afinal, Paris é a quarta cidade mais sagrada para o islamismo no mundo (sarcasmo).
Agora, sério, vejam este vídeo. Isso aconteceu a poucos meses atrás em Paris.




França: Número de extremistas islâmicos cresce nas prisões
Converter criminosos, convencendo-os que seus crimes podem ser justificados se cometidos contra não-muçulmanos. (fonte)

República Tcheca: Político sugere que população crie cães e porcos para passearem com eles na frente das mesquitas, principalmente nas sextas-feiras
A reportagem do Washington Post chama o político (descendente de japonês) de islamofobo. O repórter tenta se fazer de bomzinho para ser o último a perder o pescoço. (washingtonpost)

Austrália: grupo islâmico quer substituir o governo e implantar a Sharia
Grupo radical islâmico na Austrália, Hizb ut-Tathrir, anuncia publicamente num centro comunitário em Lakemba, ao oeste de Sidney, que está criando um exército de seguidores para impor a Sharia no país e assim, substituir o governo. (au.ibtimes)

EUA: Universidade UCLA irá transmitir por autofalantas a chamada para a oração às sextas-feiras
O sonho da laicidade está indo para o espaço. O que está acontecendo é a substituição do cristianismo pelo islamismo. A Universidade da Califórnia de Los Angeles (UCLA) passa a emitir o canto islâmico (adhan/azan) de chamado para as rezas muçulmanas das sextas-feiras pelos alto-falantes da Duke Chapel.
As salat (orações) são praticadas cinco vezes ao dia (mais as das sexta-feiras). Portanto, preparem seus ouvidos pois em breve todas as vizinhanças ocidentais poderão ter tais chamados, inclusive de manhã bem cedo (e também aos finais de semana), graças ao crescimento da população de muçulmanos ortodoxos. E depois do adhan / azan, ainda há um segundo chamado, o iqama, que convoca os fiéis para se enfileirarem para as orações.
O pior é que esta invasão do espaço sonoro público laico não é o mais grave dos problemas que tal ortodoxia em geral acarreta para a secularidade e liberdades civis dos países (e regiões) onde seus seguidores alcançam percentual significativo - o que, no caso deles, não precisa ser maior que 20% para se fazerem sentir sobre os não muçulmanos. As consequências da ortodoxia islâmica se farão sentir muito mais pesadas sobre as liberdades civis pelas pressões de seus seguidores e, finalmente pela pressão destes sobre as leis laicas. (Gatewaypundit)

"NO-GO ZONES" ou "zonas proibidas" 
"NO-GO ZONES" ou "zonas proibidas" são bairros que muçulmanos tornam em guetos islâmicos, onde a Sharia é implementada, e os serviços de segurança e cidadania são expulsos.

Guetos islâmicos estão se proliferando na Europa. Algumas notícias recentes sobre o assunto:

(1) Inglaterra: Assassinatos e estupros que acontecem nas zonas proibidas não são declarados para a polícia, pois nestas comunidades aplica-se um sistema próprios de justiça, a Sharia. 
Isto tem ocorrido, por exemplo, na área central da Inglaterra (chamada de Midlands), o aumento da "justiça comunitária" fez decrescer o número de chamadas da polícia. 
Este sistema de justiça paralelo e contrário às leis britânicas tem acarretado, por exemplo, no aumento das mutilações genitais das mulheres e dos crimes de honra, que acabam sendo mantidos em segredo.

(2) França: reportagem do Gatestone Institute discute as zonas proibidas na França, citando vários incidentes e dois relatórios que evidenciam estes lugares "onde a polícia e da guarda civil não podem impor a ordem republicana ou até mesmo entrar sem o risco de confronto, projéteis, ou até mesmo disparos fatais. Nem mesmo os franceses ousam ir mais lá. Mas ninguém fala sobre isso em público, é claro. Nem aqueles que dizem, 'viva o multiculturalismo' e 'Paris é maravilhosa!' se atrevem a entrar nestes subúrbios."

(3) EUA: Bobby Jindal, governador da Louisiana, criticou alguns países europeus que "permitiram que os muçulmanos estabelecessem bairros autônomos nas cidades, onde eles governam seguindo uma versão rígida da lei islâmica."

(4) Resolvemos postar aqui duas reportagens de uma tv russa sobre o assunto, demonstrando a factualidade deste grave problema com filmagens documentais, muito mais eloquentes que as filmagens feitas por tais esquerdistas pró-islâmicos em horários estratégicos para tentar minimizar o problema.

Suíca: Muçulmanos exigem que a cruz seja eliminada da bandeira da Suíça
Os muçulmanos de segunda geração desejam abolir a bandeira Suíça por causa da cruz, alegando que a cruz não representa um país multicultural. (Grato a Gustavo Bourbon) (aargauerzeitung ; libertaddigital)

Tribo mexicana sendo convertida à ortodoxia islâmica
Notem que o vídeo é de 2008, imaginem como pode estar a situação atualmente!


Dinamarca proíbe o abate para rituais religiosos
Ministro diz que 'os direitos dos animais vem antes de religião'. (Olhar Animal)

Itália: Chega de mesquitas!
O governo de Lombardia do Norte na Itália, criou uma lei que proíbe a construção de mesquitas. (Shoebat)

Jihad – lista de atentados

Síria sendo pulverizada 

Nigéria: Boko Haram mata cerca de 2.000 nigerianos em um só dia
Uma cidade inteira foi queimada. (BBC) Estas imagens de satélite dão uma idéia do nível de destruição da jihad empreendida pelo Boko Haram. (folha)


Nigéria: menina de 10 anos é forçada a se explodir em mercado, matando 19

França: homem gritando Allahu Akbar tenta enforcar policial
O médico que tratou do policial disse que mais um pouco ele teria morrido. (Telegraph)

Alemanha: Três membros do Estado Islâmico iam realizar os atentados contra os trens 
Nas cidades de Dresden e Berlim, mas foram presos. (exame)

Bélgica: Polícia mata terroristas que preparavam atentado eminente 
(zap.aeiou.pt)

Reportagem do Fantástico de ontem: Conheça como agem e o que querem os grupos terroristas mais perigosos
Organizações internacionais estimam que os grupos façam mais de 200 vítimas por dia. Cientista político analisa a intenção desses grupos.
Para quem não assistiu, um resumo neste link: (g1.globo)

Iêmen: Golpe de Estado 
Cai o governo yemenita e jovens do grupo radical Houthi entram no palácio presidencial, segundo informações do próprio Ministro do Interior do país. Eles querem que a região seja regida por um imame (imã,clérigo religioso islâmico). (Pamela Geller)

Rússia: Mulher-bomba mata 16
Oksana Aslanova, mulher-bomba (e fundamentalista islâmica, como seria de se esperar) é suspeita da explosão que matou 16 pessoas, e feriu outras 47, na estação de trem em Volgogrado, sul da Federação Russa. (fonte)



Jihad cultural





Asia Bibi: sentenciada à morte por beber um gole d'água
Leia o artigo no link

Paquistão
Reportagem do The Economist de novembro de 2014 discute a Lei da Blasfêmia do Paquistão. Além de ser algo contrário aos Direitos Humanos Universais, este dispositivo legal no Paquistão tem servido para a perseguição de minorias religiosas (cristãs e hindus) deixando a vítima sem chance de defesa contra acusações maliciosas. Enquanto que os juízes não têm receio de examinar evidências, imames atiçam multidões a se aglomerem do lado de fora exigindo punição dos acusados.
  • Em 2011 houve apenas um caso; em 2014, mais de 100. Um total de 62 pessoas já foram executadas por este "crime." 
  • O presidente da GEO, o maior canal privado de TV, foi condenado a 26 anos de prisão. O canal transmitiu uma canção sufista sobre Maomé (DW).
  • Os clérigos estão unidos na defesa da lei. Até mesmo os Balveris, uma escola islâmica considerada como moderada.
  • Dois anos após uma multidão enfurecida ter queimado uma centena de casas pertencentes a cristãos, a única pessoa presa é o cristão acusado da blasfêmia que provocou os ataques. (Tribune).
Mesquitas: lugar de oração ou central de operação?

Papel das Mesquitas no Processo de Islamização 
Leia o artigo no link.

Espanha: Islã radical às margens da maior mesquita espanhola
O uso do centro por uma célula fundamentalista ressuscita o debate sobre o papel dos líderes religiosos contra o jihadismo. As mesquitas servem de centro de doutrinação. Ignorar esse fato é brincar com o fogo. (El Pais)



Ateus na linha de tiro do islamismo
Blogueiro ateísta saudita foi condenado a 1.000 chicotadas e dez anos de prisão. Seu crime: promover o debate público de ideias em seu site. As primeiras cinquenta chibatadas serão dadas neste dia 9 de janeiro e as demais (até completarem 1.000, se ele sobreviver, o que é pouco provável), durante um período de vinte semanas.
No país, são frequentes as decapitações oficiais, das quais há vídeos no Youtube para quem quiser comprová-las.
Em 2014, a Arábia Saudita promulgou uma lei que classifica descrentes como terroristas e, portanto, inimigos daquele verdadeiro reino de trevas regido oficialmente pela Sharia(lei islâmica).
Tanto esquerdistas pró-islâmicos como muçulmanos argumentam que tais governos e seus imames se baseiam numa "interpretação radical da lei islâmica e da religião". Assim, aqueles primeiros, apologistas (não muçulmanos) ocidentais do Islã, se elegem teólogos consumados para argumentar algo que em nada muda o fato básico de que a Sharia nestes países do Golfo (e sua profunda influência nas leis dos que os cercam) é incompatível com nossos valores de liberdades civis e secularidade.
Outro fator importante é que professores universitários, advogados, políticos e outros profissionais de nível superior, em sua maioria esmagadora, apoiam tais leis, mostrando que não se trata de um problema de falta de educação formal de modo algum, como querem os esquerdistas. A ortodoxia islâmica em si é que promove valores teocráticos totalmente incompatíveis com nossas árduas conquistas seculares ocidentais. (agradecimentos a Tob B) (ibtimes)

Raif Badawi, blogueiro ateísta saudita e seus filhos
Apenas por promover debates sociais e políticos, ele foi condenado a uma década na prisão e 1.000 açoites com uma vara, sob alegações de que teria ofendido o Islã. Agradecimentos a Dutch Defense League por compartilhar o link desta postagem da página de Kacem El Ghazzali. O autor desta, aliás, é ele mesmo também um ateísta criado no mundo islâmico, que foi condenado pelo governo do Marrocos e ameaçado de morte por jihadistas, tendo, por isso, que fugir do próprio país com a ajuda financeira de ativistas europeus em 2010 e se radicar na Europa. (Leia mais no O Globo).



O panorama da perseguição no mundo em 2014
Enquanto que os muçulmanos no Brasil desejam nos vender a idéia mentirosa que o islão é tolerante ... a verdade é exposta de forma nua e crua nos paraísos islâmicos. Lembre-se que isso afeta todos os não-muçulmanos, não apenas os cristãos. Compartilhe isso. E se você for cristão, compartilhe principalmente com a sua congregação, igreja, paróquia, grupo de oração, grupo de estudo, o que seja. Mais detalhes no site https://www.portasabertas.org.br/cristaosperseguidos/


Estado Islâmico prepara maior limpeza religiosa da História
O jornalista e escritor alemão Juergen Todenhoefer advertiu que o Estado Islâmico é «muito mais forte» do que se pensa e que está a «preparar a maior limpeza religiosa da História». O primeiro jornalista ocidental autorizado a viajar para Mossul, após sete meses de negociações, publicou hoje um livro sobre o que viu. (Sapo)

Islão: construído sobre o sangue dos mártires cristãos 
Um artigo muito interessante. Poderia-se expandir o artigo para englobar o sangue dos ateus, hindus, judeus, budistas, ... pois o islão não poupa infiél algum na sua marcha inexorável. Leia no Link.

Vaticano está na mira do Estado Islâmico
Aponta serviço secreto dos EUA (ultimosegundo).

Noventa Por Cento De Todos Os Cristãos No Iraque Foram Expulsos Pelos Muçulmanos
Noventa por cento de todos os cristãos no Iraque foram expulsos de suas casas, ou deslocadas, de acordo com um relatório:
A invasão do Estado Islâmico do Iraque fez que 90% de cristãos do país em deslocados fugindo da perseguição religiosa e étnica, de acordo com Ghattas Hazim, bispo ortodoxo grego para Bagdá, Kuwait.
Em Bagdá, disse ele, apenas 30 de 600 famílias cristãs permanecem por lá, enquanto em Mosul, acredita não haver mais cristãos a não ser os que são idosos ou incapazes de se mover livremente, parece que há menos de dez famílias cristãs ainda permanecem em Mosul. Em Basra supostamente não há um lar de um único cristão .
Hazim o líder cristão também expressou desapontamento com o que considerou um esforço insuficiente por parte da comunidade cristã global, particularmente os do Ocidente, para ajudar os cristãos do Oriente Médio. "Não é verdade que o Ocidente está a facilitar a emigração dos cristãos", disse ele. "Eu sei que muitos cristãos e ortodoxos, em particular, que foram para embaixadas e não obtiveram vistos. Outros recorreram a Organização das Nações Unidas e outras organizações internacionais, a fim de emigrar e não deu certo. "
"Eles levou dinheiro, ouro, até mesmo os brincos nas orelhas [das mulheres]. Eles levaram tudo, até mesmo telefones celulares. Nós não sabemos se vamos voltar ", disse um homem cristão fugindo Mosul. "Até agora não temos nenhuma ideia se pode haver um retorno." (shoebat.com)

Nigéria: Cerca de mil igrejas cristãs destruídas em quatro anos
Isso é resultado da Jihad do Boko Haram. (agencia.ecclesia)

Pastor de igreja doméstica é ameaçado no Quirguistão
Líderes da mesquita entraram em sua casa e o proibiram de se reunir com outros cristãos (cpadnews).

Dois artigos que tratam da destruição das 2 igrejas e 1 colégio no Niger, que eram administrados por brasileiros
Reportagem da Folha e artigo na Veja.


Vários incidentes relativos a perseguição dos cristãos
"Em apenas dois meses, de agosto a outubro, cerca de 200 igrejas cristãs foram destruídas na Nigéria pela organização islâmica Boko Haram e pelos seus aliados muçulmanos, depois que eles capturaram cidades e aldeias nos estados do nordeste de Borno e Adamawa", disse o relatório. "Nas palavras do Rev. Gideon Obasogie, o diretor de Comunicação Social Católica da Diocese de Maiduguri no estado de Borno, "a tomada do território pelo grupo, em ambos os estados, deixou 185 igrejas incendiadas e mais de 190.000 pessoas deslocadas devido o [Boko Haram]".

Outros incidentes de violência muçulmana contra os cristãos, durante esse período de outubro, que foram descobertos por Ibrahim incluem (WND):
  • Um relatório da mídia árabe descreveu como uma "bomba caseira" explodiu ao lado da Igreja Evangélica de Deus em Minya, no alto Egito. O relatório disse que não houve vítimas.
  • E na Alemanha, uma "Igreja Cristã Copta no país europeu foi atacada e incendiada". De acordo com o relatório, "O prefeito de Berlim condenou o ataque e o incêndio deliberado da Igreja Ortodoxa Copta Santo Shenouda e Santo Atanásio em Berlim por extremistas ..."
  • Em seguida, no Iraque, houve atentados que "atingiram e devastaram a Igreja da Ressurreição, perto da cidade de Qaraqosh. O local de culto cristão estava sendo usado como base para os jihadistas, que tinham derrubado a cruz do telhado do edifício".
  • Nas Filipinas, "Um ataque com granadas em uma igreja durante o culto deixou duas cristãs mortas – Felomina Ferolin, uma enfermeira de 54 anos de idade, e a professora Gina Cabilona, de 39 anos de idade – e a outros três feridos". De acordo com as informações coletadas, "Dois homens em uma moto dispararam um lançador de granadas na porta da Igreja Unida de Cristo antes de fugirem".
  • E, de acordo com o relatório de Ibrahim, no Sudão, a "força aérea lançou quatro bombas em uma Igreja Episcopal ... nas Montanhas de Nuba". Um pastor relatou que toda a propriedade foi dizimada.
Os ataques, por vezes, assumiram a forma de decisões judiciais, relatou Ibrahim.
  • Ele disse que no Irã, três cristãos foram condenados a seis anos de prisão por estarem envolvidos em igrejas domésticas. Jason Demars, do Ministério Present Truth, disse no relatório que as autoridades iranianas querem "silenciá-los – depois querem levá-los para longe em um local onde seja difícil de se chegar, para que as suas famílias não os encontrem".
  • E, no Cazaquistão, dois homens cristãos, Vyacheslav Cherkasov e Zhasulan Alzhanov, receberam penas de prisão por distribuírem literatura cristã depois que as autoridades alegaram que um dos livros incitava ao ódio religioso.
  • O livro era "Jesus: Mais que um Profeta", que é uma coleção de testemunhos de pessoas que fugiram do islamismo para o Cristianismo.
  • Ibrahim relata que no Líbano, um cristão convertido do islamismo foi forçado a esconder-se porque o seu pai e os seus irmãos estavam procurando-o para "cortarem a minha garganta".
  • O relatório GateStone disse que na Malásia, um líder muçulmano estava convocando o povo para encontrar Bíblias e queimá-las.
  • E no Paquistão, um tribunal confirmou a pena de morte para Asia Bibi, uma mãe cristã que foi acusada de blasfêmia.
  • No Sudão, um muçulmano convertido ao Cristianismo escapou de um atentado contra a sua vida, quando um homem armado entrou em sua casa e abriu fogo. 
  • No Uzbequistão, um homem cristão foi multado em 50 vezes o salário mínimo mensal do país por ter "literatura religiosa".
Nigéria: Líder da Igreja Batista diz: “o mundo assiste cristãos morrerem como animais”
Lembre-se, que o islão divida o mundo entre a "casa do islão" e a "casa da guerra." E a guerra é contra TODOS os não muçulmanos. (jmnoticias)

Itália: dois incidentes que mostram o desdém para a cultura cristã que os acolhe
(1) Estátua de Maria quebrada por 5 muçulmanos mesmo havendo uma pessoa na frente dela rezando. E eles ainda urinaram na estátua. (tiaocazeiro)
(2) Crucifixo destruído perto de uma mesquita (/tiaocazeiro)



Alemanha: judeu atacado por muçulmanos
Judeu é atacado por muçulmanos apenas por ter pedido para que eles parassem de cantar músicas antissemita. (ABC)

Como esfaquear um Judeu?
Mídia Social da Autoridade Palestina mostra vídeo que ensina as melhores maneiras para se esfaquear um judeu. E o vídeo foi viral (visto por milhares). O link do vídeo foi retirado a pedidos.


Celebrando o assassinato de judeus
Fundamentalistas islâmicos palestinos (todos apoiadores do Hamas) celebram o jihad do terror no ônibus em Israel com o hashtag "Eu sou uma faca". (atlasshrugs)

Iêmen: Medo ronda judeus remanescentes após o golpe
Os poucos judeus restantes no Yêmen correm agora altíssimo risco sob o domínio dos supremacistas islâmicos Houthis e precisam imigrar urgentemente. O mesmo é aconselhável ao igualmente parco número de cristãos e de ateístas do país. (jpost)

27 de Janeiro de 2015: Hoje, fazem 70 anos da libertação de Auschwitz pelas tropas soviéticas
"Esquecer os mortos seria semelhante a matá-los uma segunda vez". ~ Elie Wiesel ~
E imaginar que tem gente que insiste em negar que esta tragédia existiu; ou pior, existem pessoas que acham que o "serviço de Hitler" precisa ser concluido. E tem gente que se sente ofendido pela simples menção dos campos de extermínio nazistas.


Punições Islâmicas (sob a lei islâmica)

Empalamento
Uma reportagem de Shoebat.com discute a prática islâmica do empalamento (enfiar uma estaca pelo anus de uma pessoa perfurando-a até o ombro, deixando que ela morra lentamente), e o pedido de uma maometana devota para que ela retorne, para o glória de Alá. Esta reportagem foi traduzida no site libertar.in e pode ser lida no link.

Irã enforca sete no Natal
E mais outros doze nos dias anteriores ao feriado. (Free Bacon)

Arábia Saudita: mais um degolamento nas ruas
Uma mulher foi decapitada numa rua na Arábia Saudita por matar sua enteada de seis anos, gritava sua inocência vista em imagens gráficas da execução enviadas para a Internet. (dailymail)

Relatório aponta o que já sabíamos: que a Arábia Saudita e o Estado Islâmico aplicam as mesmas punições para os mesmos crimes
(washingtonpost; middleeasteye)



Crucificação é um método de execução bárbaro e humilhante 
Abolido no mundo todo, muitos séculos atrás, exceto no mundo islâmico, onde ele é defendido por ter sido prescrito por Alá.



Imagem da página de Facebook Islam Brasil:




Irã: veja o que os Mulás dizem sobre o Ocidente 
... para fazer com que as meninas utilizem o hijab.
"Eles vivem como animais. Eles apenas querem satisfazer as suas necessidades sexuais. Para eles não faz diferença dormir ao lado de um homem ou uma mulher. Eles não se importam se têm filhos com cachorros …” Uma professora primária abaixou a voz e me perguntou: “Você sabia que esse mesmo dançarino ou cantor ou o que quer que o chame tem relações com animais? Era como se ela soubesse cada detalhe das relações com animais que o Michael Jackson tinha." (The Daily Beast)


Maioria Pacífica?
Para as milhares de vítimas nigerianas dos radicais islâmicos do Boko Haram, não interessa se os jihadistas estão deturpando ensinamentos de uma religião supostamente pacífica ou não , discussões teológicas não devolverão suas vidas nem as de milhares de vítimas do fundamentalismo islâmico no Iraque, na Síria ou em qualquer outro lugar do planeta onde eles perpetram seus crimes contra a humanidade.
A questão é : Será que a suposta maioria pacífica ficará também tão inerte como a dos frequentadores da mesquita do Rio, na qual um apoiador do Estado Islâmico abertamente se manifestou a favor de atos de terror, enquanto apenas o imame o refutava mansamente? Ou ainda, como os amigos turcos do bispo que foi decapitado em frente a todos sem que nada fizessem para impedir o radical islâmico de decapitar o indefeso clérigo cristão ? Ou como aqueles muçulmanos que denunciavam os yazidi e cristãos no Iraque aos membros do Estado Islâmico, e que, até então,as vítimas tinham acreditado serem seus amigos? Ou será que, no afã da solidariedade religiosa, farão como as massas na Tchtchênia que se solidarizaram com o presidente Ramzan Kadyrov que, segundo várias fontes da imprensa, declarou: " Nós dizemos firmemente que não deixaremos jamais que alguém fique impune por insultar o nome de nosso profeta e nossa religião"? Ramzan conclamou o povo tchetcheno ao protesto contra as charges da revista satírica francesa contra o que ele chamou de " vulgaridade, imoralidade, falta de cultura e falta de vergonha daqueles que caricaturaram o profeta". E, o que é mais revelador da verdadeira face da ortodoxia islâmica, ao se dirigir às massas, Ranzam Kadyrov disse, segundo o VOA news e outras fontes da mídia: "Se necessário, estamos prontos para morrer para parar quem quer que pense que pode irresponsavelmente conspurcar o nome do profeta." (Texto de Tob B)



Lei na Indonésia criminaliza desejar "Feliz Natal" ou "Feliz Ano Novo"
Agora nem cristãos nem ninguém podem dizer "Feliz Natal" e nem "Feliz Ano Novo" na Indonésia. (Shoebat)

Mais "farra natalina" dos jihadistas de plantão ao redor do mundo
(1) Canadá: Yaqoub Ali, 26 anos, foi preso após atentado no Shopping Tanger Outlet, em Ottawa (ottawasun).

(2) Filipinas: atentado mata 4 e fere 30
Uma bomba caseira explodiu na entrada de um mercado na cidade de Mlang, quando os clientes estavam comprando frutas e castanhas para celebrar o ano novo. A autoria foi do grupo Movimento da Liberdade Islâmica Bangsamoro, que deseja a forçar a criação de um estado islâmico independente, dentro deste país predominantemente católico. (abcnews)

FESTA DE REVEILLON, ESTILO ISLÂMICO
Muçulmanos queimam 940 carros na passagem do ano novo na França!
http://pamelageller.com/2015/01/muslims-torch-940-cars-across-france-on-new-years-eve.html/

Turquia: Papai Noel caçado nas ruas
"Na Turquia, um pais muçulmano, nao celebra-se Natal. Obviamente. Porém, o contato com o ocidente (TV, imigrantes etc) faz com que eles integrem a "cultura" do Natal na celebraçao de Ano-Novo (ex. Jingle Bells, papai-noel, arvores de "natal" e luzes sao colocadas em alguns lugares para celebrar o ANO-NOVO turco). Irritado, o governo, mais precisamente um vereador de Bolu, Mahmut Alan, montou uma pequena peça de teatro em seu distrito - na qual papai noel é expulso da cidade por um sultao muçulmano. Basicamente a peça de teatro é o sultao (ator) correndo atras do papai noel (ator), gritando aos "suditos" (gente na rua): Atirem-no para fora dessa cidade!"" (Daily News)

Bonecos de Neve são "haram"
Clérico Sheikh Mohammed Saleh al-Munajjid escreveu em um site religioso que é proibido fazer bonecos de neve, mesmo que seja para brincar ou para ser engraçado". Mas ele escreveu que podem ser feitos bonecos de neve de coisas que não possuam alma, como árvores, frutas, barcos ou outras construções. (rt.com).

Assistir futebol é "haram"
Segundo depoimentos de ativistas, o Estado Islâmico teria assassinado 13 adolescentes por assistirem partida de futebol pela tv. Os parentes dos jovens sequer puderam recolher os corpos, por receio de serem assassinados pelos jihadistas. (timesofisrael)

Sabonete com mesquita no rótulo irrita muçulmanos na Alemanha
Propaganda dizia que sabonete líquido Ombia – 1001 Noites, deixa um "perfume oriental." Teve que ser retirado das prateleiras (Terra).

Clérigo indonésio (muçulmano) afirma que se pessoas fizerem selfie serão condenadas ao inferno
Centenas de pessoas foram condenadas ao inferno depois que um clérigo indonésio decidiu que fazer selfies é um pecado. De acordo com Firebrand Felix Siauw, clérigo indonésio, as mulheres que praticam um interminável número de selfies são “impuras” e “sem-vergonha”. A prática é considerada “arrogante” por ele. Contra a opinião de Firebrand, “choveram” fotos no estilo “selfies” por parte dos indonésios no Twitter. O clérigo twittou que as mulheres muçulmanas exibem várias poses faciais e as mencionou sobre sua pureza. Segundo Firebrand, impressionar-se com o próprio ego é sinal de orgulho e esperar curtidas em fotos postadas é cair na armadilha da ostentação. Apesar de suas opiniões radicais, o clérigo possui mais de um milhão de seguidores. (Fonte)