domingo, 19 de fevereiro de 2017

Prefeitura de São Paulo se abre ao capital islâmico. E qual a contrapartida?


Como o artigo está criando polêmica, eu desejo fazer uma afirmação inicial. O problema não está na implementação da plataforma de governo que levou João Dória a ser eleito prefeito, que inclui privatizações. O problema está em se buscar investimento islâmico que não apenas busca o lucro, mas que também busca a islamização, através da mudança das leis, cultura, costumes e história do Brasil. Leia, por exemplo, Zakat (dízimo islâmico), Certificação Halal, e o financiamento da Jihad. Vejam como era Londres, Paris e Bruxelas a 20 anos atrás e veja como estão hoje. 
Vai haver licitação para a venda destes '55 projetos'? 

O prefeito de São Paulo, João Dória (PSDB), encerrou uma visita de vários dias aos tremendamente ricos países do Golfo Pérsico, Emirados Árabes Unidos e Catar. Ele visitou as cidades de Abu Dabi, Dubai e Doha. Segundo suas próprias palavras no seu Facebook:
O dinheiro do mundo está aqui. O dinheiro árabe. Dinheiro dos principais fundos. Nós visitamos 6 fundos, dos quais 5 estão entre os 10 mais importantes, mais poderosos do mundo. Visitamos também 6 bancos investidores, 4 grupos privados de investimentos, 2 dos Emirados e 2 do Catar. 
Missões já organizadas e previstas para março e maio, ao Brasil, e vocês terão notícia disso.
A minha missão, minha função, e ser acima de tudo é de ser brasileiro, mais do que prefeito de São Paulo, eu sou uma pessoa que torce e trabalha pelo Brasil. 
Segundo informações em diversas mensagens no seu Facebook, o prefeito afirma ter firmado parceria com Akbar Al Baker, CEO da Qatar Airways para revitalizar marginais de São Paulo, com Al Ameri Al Tareq, presidente da Abu Dhabi Motosports para trazer o modelo do autódromo da cidade para Interlagos, atraído o interesse de Khalid Al Thani, dono de uma fortuna de 20 bilhões de dólares. Também a Investment Corporation do Dubai e a Dubai Chamber (uma câmara do Comercio e Indústria, que virão ao Brasil em março.

O Facebook do prefeito também mostra um vídeo que básicamente coloca a cidade de São Paulo à venda. Eu não vou esconder que o meu viés político é nacionalista e não é muito chegado a privatizações, notadamente quando se transfere propriedade para grupos estrangeiros. Mas o problema maior neste caso são os grupos estrangeiros que o prefeito está namorando. São grupos islâmicos, oriundos de uma região onde o radicalismo do salafismo e do wahabismo é a norma. (Leia um resumo sobre a Lei Islâmica Sharia aqui)

https://youtu.be/otTrRbOeYNs OK

Este é o vídeo com o qual a Prefeitura de São Paulo se põe à venda para o capital islâmico. Ela oferece o Autódromo de Interlagos, o Centro de Convenções do Anhenbí, o Estádio do Pacaembú, o Parque do Ibirapuera, o Mercado Central de São Paulo, os terminais de ônibus, o sistema de venda de bilhetes de transporte público, os serviços funerários (22 cemitérios, 18 casas funerárias e 1 crematória), a iluminação pública (600 mil pontos de luz), bens municipais imobiliários em áreas estratégicas da cidade, e apoio preferencial aos investidores estrangeiros (fast track)  

É importante compreender que para os muçulmanos, em geral, e os salafistas e wahabistas em particular, a propagação do islamismo é um dever. O investimento islâmico virá com um aumento da imigração (hégira), uma ampliação do controle da indústria alimentícia pela "certificação halal" (e consequentes doações para a jihad global), um aumento da construção de mesquitas e madrassas e um aumento do proselitismo islâmico em todos os níveis. O que o Brasil ganha com uma ideologia monocultural crescendo no seu seio? O islamismo não traz nada de bom, basta olhar como é a vida das minorias nos países de maioria populacional islâmica, incluindo-se aí os ateus, os homossexuais, as mulheres, os ex-muçulmanos, os cristãos, e demais religiões.

O ganho econômico aparente irá desaparecer por completo com a deterioração das relações sociais que surgem associadas ao crescimento de uma população islâmica!

Se fosse para privatizar para grupos que estejam apenas interessados em auferir lucro, ainda vai. Mas se deixar compar por grupos que, além do lucro, desejam alterar a lei, a cultura e a história do Brasil? Isso não é boa governança.

(Leia depois: Emirados Árabes Unidos financia a islamização do Brasil)

O que vemos são modos diferentes de apoio ao islamismo, seja por segmentos de uma Esquerda pró-islâmica (como foi o caso do ex-prefeito Hadad), seja por capitalistas globalistas que só vêm o lucro à sua frente (como é o caso do atual prefeito João Dória). (E o último está sendo preparado pelo PSDB como candidato a presidência da república.)

É possível ser esquerda sem ser pró-islâmico.
É possível ser capitalista sem ser pró-islâmico.
Basta um pouquinho mais de amor ao Brasil.

Mais do que o lucro, o que o investimento islâmico almeja é a conquista da própria alma do Brasil e da América Latina


São Paulo sendo posta à venda para o pior tipo de investidor




19 comentários:

Anônimo disse...

Que triste o Ocidente virou uma prostituta.

Anônimo disse...

Publicação extremamente infeliz, só imbecil acredita em um absurdo desses....

Anônimo disse...

Temos que parar Doria pois se continuar com essas idéias racistas vai acabar com São Paulo. NÃO É UMA VASSOU NA MÃO QUE VAI MOSTRAR O CARáter deste homem. Cuidado brasileiros naocse deixem iludir por pequenas coisas.

Victor Thell disse...

Filosofou ... Mas todo o texto é embasado na falácia que o islamismo quer converter nosso país.
A não ser que tenha analisado os contratos acordados entre o fundos e a prefeitura de São Paulo, todo esse texto não tem fundamento, pois a contrapartida do investimento estará lá e somente lá.

José Atento disse...

Victor Thell. Não é questão de converter, mas questão de crescer o poder econômico, e, tendo condições políticas e números, implantar a Sharia, mesmo que lentamente. Este é um processo que acontece na Inglaterra, França, Bélgica ... Parte dos lucros serão investidos na expansão do islamismo no Brasil. Isso não precisa estar em contrato algum. Isto está na lei de Alá, a Sharia, que é a lei que eles seguem. Você chegou a ler os links no artigo? Eles ajudam a esclarecer.
Se você tiver alguma dúvida específica é só perguntar. Abraços.

Anônimo disse...

Eu acho que esta certo, pois os paulistas nada fazem para melhorar, os brasileiros vivem calados enquanto os politicos fazem o que querem com nosso pais eu acho que deveríamos vender o Brasil pois só assim a coisa ia melhorar vende essa bosta de pais pros americanos e já era tudo vai funcionar. pais que é governado por ladrões não vai pra frente o povo é quem paga a maior parcela. Ta certo o prefeito.

Anônimo disse...

Vitor o Islã que converter todo mundo poder econômico sobre uma região também traz poder cultural pense por que EUA influencia o resto do mundo.A China quer esse poder não é a toa que está comprando estúdios de Hollywood que cada vez mais fica dependente do mercado chinês com a intenção de ganhar mais os filmes serão feitos para agradar esse público onde consequentemente se tornará refém. Não acredito que o dono do blogue quer que os que leem suas postagens vá sair por aí atacando muçulmanos só quer alertar de que nada é por acaso e que o perigo de um regime islâmico e real.

Denivaldo Pereira disse...

Que viagem!!!!!

Euller disse...

Vamo ver logo o que o dória tem a dizer

Anônimo disse...

Vdd

Mauro Julio Vieira disse...

Existe duas religiões políticas que pretendem o poder total sobre a humanidade: o marxismo-leninismo, hoje disfarçado em políticamente correto e o islamismo......Não adianta ficar com medo....religião é religião. vem de ideias e ideias são indestrutíveis.....O negócio é resolver problemas: os de agora....depois , os de depois.

Anônimo disse...

Racistas?!

Anônimo disse...

Até na China os muçulmanos estão encrencando. Muçulmanos tem que pagar por serem muçulmanos. Por exemplo, vejo muçulmanos mentindo pra conquistar mulheres ao islã, dizendo que a religião as honra etc., mas o islã permite estupro e agressão física contra as mulheres. Em que tipo de crime essa imoralidade se encaixaria pra eles responderem criminalmente? Má-fé? Só procurando um jurista ou outra coisa da área. Só sei que tudo o que o islam defende já é crime e é absurdo deixá-los atuando livres, leves e soltos.

Luís Salazar disse...

Não gosto de nenhuma religião que queira impor sua doutrina e costumes a todos pela força e uso de armas.

Anônimo disse...

Se eu criar uma organização que tenha por objetivo dominar todas as pessoas. Para submete-las ao domínio dessa organização sob pena de serem assassinadas, eu posso?

Cláudio César de Toledo disse...

+ Vitor Thel / E você é o quê? Algum tipo de desinformante? Se não for, está desinformado e aconselho que leia o livro do Islam: O Alcorão. Isto, se realmente tiver algum compromisso com a verdade. Quando quiser saber algo sobre uma religião, vá direto a fonte e não se deixe levar por palavras de muçulmanos. A menos, é claro, que você seja um. O texto acima está condizente com tudo o que se lê no Alcorão. Motivo pelo qual eles não permitem que as pessoas não muçulmanas obtenham o livro: para não saberem a verdade de suas pretensões.

Anônimo disse...

Esses árabes são iguaizinhos aos refugiados violentos da Europa, todos eles obedecem a mesma cartilha, e todos podem mentir e se passar por muçulmanos moderados, pois o Alcorão permite mentir (Taquir)Para o Dória não importa de onde venha o dinheiro, por isso ele não se importa de vender SP para essa gente, o dinheiro é fácil, mas também é perigoso e talvez com consequências irreversíveis para a cidade de SP, com a chegada dos muçulmanos árabes virão muito outros problemas, eles se sentem desobrigados a cumprir as leis do país que estão, só obedecem a Sharia...Temos um grande problema pela frente...A NOM com os olhos voltados para o Brasil..


Anônimo disse...

Uma coisa e certa: todo muculmano e radical e por isso precisam ser erradicados da face da terra

verdadecatolica disse...

É muita burrice! O autor do post é contra privatização, ou seja, é um SOCIALISTA! Segundo, fazer investidores oferecerem bons serviços para o povo a custo baixo e sem mexer na liberdade do povo só não é bom para a extrema-esquerda.