sábado, 22 de julho de 2017

Como um "esquerdista" foi expulso da "Esquerda" por dizer a verdade sobre o Islã

O artigo abaixo foi escrito por Eric Allen Bell, um cineasta recentemente banido de blogar no "Daily Kos" porque ele escreveu três artigos que afrontaram o politicamente correto, especificamente nomeando "Loonwatch.com" como uma "Rede terrorista." A Frontpage o convidou para contar sua história, o que ele faz abaixo.

O ALTO PREÇO DE DIZER A VERDADE SOBRE ISLÃ
Como fazer um filme para defender o direito dos muçulmanos de construir uma mesquita nos Estados Unidos mudou minha visão de mundo.
6 de Fevereiro de 2012


Uma coisa estranha aconteceu comigo no outro dia, quando eu me dirigia o prédio federal em Los Angeles. Havia uma multidão de pessoas reunidas lá com sinais que diziam que Israel é uma força agressiva no Oriente Médio e que o Irã está sendo vilipendiado. Quando parei num farol vermelho, ouvi um homem com um mega-fone liderar os manifestantes em um canto acusando Obama de genocídio. Vi muitos jovens e várias mulheres muçulmanas com a cabeça coberta. Foi uma demonstração anti-guerra que provavelmente um ano atrás eu teria apoiado. Mas, embora eu não seja favorável à ação militar, eu sei que o Irã não é outro Iraque, e que, de fato, há mais coisas do que a imagem excessivamente simplificada que os manifestantes estavam pintando, como os carros buzinavam apoiando.

Quando a luz ficou verde, outro sinal me chamou a atenção - uma imagem das torres gêmeas queimava, que dizia "9/11 foi um trabalho interno". Enquanto eu olhava para um mar de bandeiras palestinas e as crianças da faculdade batendo na bateria, senti uma certa frustração - frustração baseada em uma série de eventos que mudaram minha visão de mundo.

No verão de 2010, tinha saido recentemente de Hollywood,  para tirar uma pausa muito necessária da minha profissão de cineasta, eu estava dirigindo no meu carro ouvindo uma história sobre NPR { National Public Radio }. Parece que as pessoas no meu novo lar em Murfreesboro, TN estavam em armas sobre a proposta construção de uma mega mesquita de 53 mil pés quadrados, para ser construída em sua pequena cidade no meio do Cinturão da Bíblia americano.

Eu escutei atentamente aos curtos discursos daqueles que apareceram na reunião da prefeitura para expressar sua oposição e, como alguém que era bastante novo no sul, fiquei surpreso com o que eu estava ouvindo. "A América é uma nação cristã e há apenas um Deus e seu nome não é Alá e seu filho é Jesus Cristo" e "A América é uma nação cristã" e "Esses muçulmanos não compartilham meus valores e não os quero em meu quintal". Crescendo no sul da Califórnia, nunca tinha ouvido nada assim na minha vida. E comecei a seguir a história com grande interesse.

Na perifieria da cidade, perto de uma pequena estrada rural, havia uma grande parcela de terra, logo ao lado de uma igreja batista, com um grande sinal que dizia: "Casa futura do Centro Islâmico de Murfreesboro". Ao longo dos últimos 6 meses, esse sinal foi desfigurado duas vezes. Uma vez foi quebrado pela metade e outra vez, as palavras "Not Welcome" foram pintadas com spray sobre ele.
O Condado de Rutherford, que inclui Murfreesboro, tem apenas um pouco mais de 100 mil habitantes e, no entanto, a área possui quase 200 igrejas cristãs. Não tendo sido muito fã do islamismo ou do cristianismo ou de religião em geral (e isso está a dizer o mínimo) eu vi isso como uma história de David vs Golias - com evangélicos fanáticos que perturbavam uma população muçulmana pacífica, que tinha estado na comunidade por mais de 30 anos sem que houvesse algum problema. E, depois de saber que, em julho, haveria um grande desfile pela Main Street até a praça da cidade, protestando contra a construção desta nova mesquita, decidi que alguém realmente precisava fazer um documentário sobre isso. E mesmo que eu tivesse ido a Murfreesboro para escapar do mundo dos filmes por um tempo, parecia bastante claro que, se eu não documentasse isso em um filme, ninguém mais faria. Eu queria mostrar ao mundo o que eu estava vendo. Então, juntei uma pequena equipe de filmagem e comecei a produzir um documentário que eu titularia, "Não é bem-vindo".

Nunca vi tantas bandeiras americanas reunidas em um lugar do que naquela manhã quente de julho, quando a multidão anti-mesquita se reuniu no acampamento base para se preparar para o desfile. Muitos dos manifestantes apareceram vestidos de vermelho, branco e azul. Eu tinha 4 câmeras cobrindo o evento com uma equipe misturada com os ativistas liberais que iriam contra-demonstrar e o resto das câmeras comigo, misturado com aqueles que deveriam marchar contra a mesquita. Eu fiz várias entrevistas no estacionamento da escola, onde os habitantes locais e aqueles que haviam dirigido por horas reuniram-se, e prepararam-se para marchar contra o que eles percebiam como não só uma ameaça ao seu modo de vida, mas também algo de insulto dado os eventos de 11 de setembrode 2001. Dois candidatos ao Congresso, ambos prometendo "parar o campo de treinamento islâmico" apareceram e aproveitaram esta oportunidade de campanha, um dos quais até fez um discurso através de um mega-fone, lembrando a gente de votar nele se quisesse parar a Lei Sharia de chegar a Murfreesboro. O pastor da igreja batista reuniu todos juntos em oração, e o desfile decolou pela rua principal com sinais que diziam "Google the Koran" e "Parem de Criar Terroristas em Nossos Quintais" e alguém na multidão entregou centenas de pequenas bandeiras israelenses como várias centenas de sulistas que marcharam contra a mesquita.

Cerca de seis meses depois, eu havia acumulado mais de 300 horas de filmagem, entrevistado o organizador do desfile, candidatos ao Congresso, o prefeito, o Imam na mesquita e vários de seus membros do conselho, numerosos residentes preocupados em ambos os lados da questão, residentes muçulmanos, membros do conselho da cidade, um lobista cristão sionista que estava organizando a oposição à mesquita - e eu até filmara semanas de processos judiciais, já que um grupo local havia tentado uma ação judicial contra o Condado para impedir que emitissem licenças de construção para o Centro Islâmico. Os procedimentos judiciais eram verdadeiramente um circo com um advogado do país com um terno estravagante  e gravata borboleta, argumentando que o islã não é uma religião e que ele estava preparado para levar a questão ao Supremo Tribunal, se necessário. Essa ação legal falhou e falhou miseravelmente. E, embora muitas pessoas da cidade de fato tenham uma série de preocupações muito válidas, senti que aqueles que eles escolheram para representá-los não percorreram o melhor caminho para a defesa. De muitas maneiras, para as pessoas de Murfreesboro, TN, isso resultou ser um embaraço internacional - dado o interesse da imprensa.

Além disso, alguém tentou incendiar alguns equipamentos de construção no local da nova mesquita e o grupo de ativistas estudantis, chamando-se "Tenessianos do Meio pela Liberdade Religiosa", reuniu uma vigília de luz de vela onde centenas de pessoas da cidade se apareceram em apoio da tolerância. Alguns homens jovens apareceram em uma caminhonete e tocaram seu berrante repetidamente durante a vigília. Suas roupas pareciam indicar que passaram o dia do trabalho pendurado na parede de apartamentos. E quando eles colocaram um enorme sinal na parte de trás do caminhão que diziam "Sem Mesquita" enquanto falavam a palavra mesquita, não hesitei em filmar, mas também para provocá-los, para provocar uma boa resposta na câmera . E entendi. Um deles disse que devemos suspender a Constituição e prosseguimos dizendo que "Todos esses Mulçumanos devem ser enviados para casa", mesmo aqueles que nasceram aqui.

Para adicionar mais combustível à fogueira um incidente teve lugar quando tentei entrevista Kevin Fisher em um evento de chá na praça da cidade. Foi  minha opinião que a fim de evitar acusações de ser discriminador, os interesses do dinheiro (uma organização sionista cristã chamada Proclamar a justiça para as Nações) escolheu a única pessoa de cor, já envolvida nesta questão, para levar o desfile e para ser um demandante no processo judicial. Kevin Fisher era um afro-americano provindo da universidade, que trabalhava como guarda prisional e se tornou um fervoroso opositor da nova mesquita, após sua mulher ter se divorciou dele e se tornado, adivinhe, uma convertida muçulmana. Quando fui falar com ele na praça com uma tripulação que incluía 4 câmaras, dizendo apenas "Olá, Kevin" ele discou o seu telefone celular e  chamou  a polícia dizendo que ele estava sendo "assédiado racialmente". Isto não só encheu as manchetes do jornal local mas o incidente, incluindo áudio da sua ligação para a polícia foi tocado e tocado toda aquela noite no noticiário local. Isto se tornou algo de uma piada, quando eu era reconhecido no supermercado em Murfreesboro por exemplo, as pessoas muitas vezes virarvam para mim e diziam "Olha, para de me assediar racialmente" e então todos nós dávamos uma grande risada. E blogs como Loonwatch.com de orientação islâmica ficavam muito felizes em contar  sobre um artigo em que um adversário da mesquita trouxe a questão racial contra um cineasta que estava apenas tentando fazer perguntas.

A CNN circulou pela cidade e produziu uma reportagem qualificando todos os adversários da mesquita como iletrados e caipiras e a comunidade islâmica como pessoas comuns que estavam sendo injustamente perseguidas. Soledad O'Brien produtora ofereceu para comprar de mim algumas das minhas filmagens com a promessa explícita de que seu programa seria chamado de "Islã: na América" e não teria foco em mais do que alguns minutos em Murfreesboro. Depois de uma dica interna que seu produtor estava mentindo para mim, eu a enfrentei e recebi algumas respostas bastante vagas. Então eu recusei-lhe a licenciar qualquer um dos meus materiais. E com certeza, o documentário da CNN realmente se concentrou exclusivamente em Mufreesboro e foi chamado de "Não Bem-vindo: os muçulmanos ao lado". De alguma forma, Hollywood, com seus truques habituais, conseguiu me encontrar escondido no Tennessee.

Eu acumulava muita metragem de filmes de boa qualidade. Isso, combinado com o crescente número de ameaças físicas feitas a mim pessoalmente ao filmar em grandes multidões e ameaças de morte que chegaram por e-mail (fazendo-me olhar por cima do meu ombro em todos os lugares que eu fui e tornando necessário gastar uma pequena fortuna em segurança privada) isso tudo me disse a hora tinha chegado. A escrita estava na parede. Era hora de eu deixar Murfreesboro, contratar um editor profissional e começar a trabalhar na montagem de minhas filmagens para criar um longa-metragem documental para distribuição em cinemas.

Antes de ir mais longe, devo mencionar que, enquanto tudo isso estava acontecendo, eu me envolvi na própria história. Eu tomei partido. Me deparei com a comunidade islâmica no seu direito legal de construir uma casa de culto e quando fui entrevistado pelos jornais locais (não é todo o dia que uma pequena cidade como esta tem alguém fazendo um documentário lá) quando me perguntaram como me situava sobre o assunto, eu nunca hesitei em dar o meu ponto de vista. E depois de um tempo, meu ponto de vista foi apresentado por jornais maiores e vários programas de rádio locais e sindicados - principalmente conservadores e muitos se beneficiando com minha posição. E também fui convidado a escrever várias peças para o blog de Michael Moore também.

Embora eu tivesse deixado a cidade para editar, continuaram a haver cartas para o editor em alguns dos jornais locais dizendo que eu deveria deixar o TN e voltar para onde eu vim. Eu não podia acreditar na maneira animada em que aqueles que se opunham à mesquita estavam fazendo seu caso. Senti que estava no lado direito desta coisa - absolutamente certo. Mas na verdade, eu estava errado.
Tudo o que eu contei até agora - esta versão da minha história - é exatamente como eu estava vendo as coisas até que algo mudasse. Eu fui para casa em Los Angeles, mostrei minha versão curta de 25 minutos do documentário para alguns distribuidores e patrocinadores, e fiz o show habitual de cães e poneis que tinha funcionado tão bem para arrecadar fundos, para outros projetos de filmes que eu tinha envolvido no passado. E com certeza, alguém disse que iria haver a conclusão do filme. Foi decidido que o foco seria sobre "o inimigo em casa" que sendo o que chamávamos de "Cristianismo Apocalíptica" (como havia preocupação em usar a palavra "sionismo" no "Sionismo cristão"). A questão de Murfreesboro deveria ser usada como um ponto de partida para dar uma olhada na influência crescente do lobby “Fim dos Tempos Evangélicos” nos Estados Unidos e como eles usam sua influência para fabricar o consentimento para o bombardeio de países islâmicos ricos em petróleo e para influenciar a política em questões sociais. O tema se concentraria nos problemas que temos nos Estados Unidos, com nossa própria franja lunática religiosa, e não em um grupo pacífico de não-cristãos que só queria construir um local de culto.

Depois de escrever alguns artigos para Michael Moore, eu também escrevi para um blog liberal chamado Common Dreams e escrevi mais de uma centena de artigos para o Daily Kos, um blog liberal tão popular que eles recebem mais de um milhão de visitantes por dia. Senti que estava protegendo o perdedor, indo atrás dos valentões. Eu realmente acreditava que eu estava no lado correto neste conflito.

Mas algo me irritava as entranhas. Algo sobre tudo isso não caiu  bem. A Primavera árabe, que eu apoiei, começou a degenerar no Inverno islâmico, e eu fiquei cada vez mais preocupado. Eu voltei para Nashville para filmar uma conferência sobre se o Islão era ou não propício com valores democráticos e no caminho para o meu quarto de hotel eu aprendi que meu motorista de táxi era do Egito. Perguntei-lhe como ele se sentiu sobre a queda de Mubarak, um ditador que valia mais de US $ 70 bilhões, enquanto a maioria de seu país estava morando na pobreza e ele me disse que ele estava preocupado. Preocupado? Não era esta uma boa notícia? O motorista de táxi era um cristão copta e ele me disse que ele temia por sua família em casa. "Se os muçulmanos assumirem o controle, e eles vão, será muito perigoso para meus pais e minhas irmãs. Estou com medo agora por eles ". Depois dessa conversa, comecei a prestar mais atenção às notícias provenientes do mundo islâmico no Oriente Médio.

Ao longo dos próximos meses, observei que a Irmandade Muçulmana ganhava o poder político no Egito. Eu vi que os piores receios do motorista de táxi se tornaram realidade quando os cristãos coptas foram atacados por turbas islâmicas. Eu vi a Tunísia instituir a Sharia, a lei islâmica brutal. Depois que a Líbia caiu, o Conselho de Transição também instituiu a Lei Islâmica. O governo islâmico nuclear do Paquistão prendeu e puniu aqueles que colaboraram com os Estados Unidos para matar Osama Bin Laden. Uma mulher sob o governo islâmico do Afeganistão enfrentou a execução pelo crime de ser estuprada. Notícias similares surgiram do Irã. Um homem que escreveu "não há um deus" como o seu status do seu Facebook na Indonésia, o maior país islâmico do mundo, foi preso por blasfêmia.

Vários homens muçulmanos na Inglaterra foram presos por distribuir folhetos aos londrinos, exigindo que os homossexuais sejam executados por enforcamento por violar a lei islâmica com seu estilo de vida.

E isso me pareceu chocante. Mesmo que essas pessoas irritadas em Mufreesboro, TN, não tivessem articulado suas preocupações muito bem, elas estavam errados apenas pela metade. Lembro-me de conhecer Frank Gaffney e entrevistá-lo na frente do tribunal e perguntando se ele realmente pensava que os muçulmanos pacíficos aqui realmente apresentavam uma ameaça real para os Estaos Unidos e ele disse que não. Isso me surpreendeu, então eu perguntei se ele realmente achava que era uma ameaça credível que uma comunidade que represente cerca de um por cento da população dos Estados Unidos acabasse de se levantar um dia e tentar conquistar o país e forçar a Sharia sobre todos nós. Novamente ele disse que não. Então ele me disse que eu estava fazendo as perguntas erradas. Ele sugeriu que eu só estava procurando respostas que apoiassem as conclusões que eu já havia chegado. Ele disse que, depois de muita pesquisa, chegou a um conjunto diferente de conclusões e ele me desafiou a olhar um pouco mais fundo. Ele me deu um relatório para ler e muitos, muitos meses depois, eu lí o seu relatório.

Foi nesse momento que eu fui aos meus patrocinadores e disse-lhes que não estávamos fazendo um documentário honesto. Eu senti que tudo o que eu tinha colocado na versão curta de 25 minutos (o que eu usei para arrecadar os fundos) era verdade, mas apenas meia-verdade. Era fundamental que também mostrassemos as ameaças muito reais que existem no islamismo. Precisavamos mostrar que o que está acontecendo com essas pequenas comunidades de muçulmanos pacíficos na América são a exceção à regra. Eu queria mostrar o que acontece com os países quando ganham uma maioria muçulmana, como as mulheres são tratadas, que os homossexuais são executados, que a liberdade de expressão não existia, que a Lei Islâmica forçada não era consistente com os valores democráticos – tudo ou nada que eu poderia pensar criaria um impacto emocional na mentalidade liberal. E a resposta que recebi foi: "Eric, você está começando a parecer um islamofóbico. Não queremos fazer um filme que promova o medo. Vamos ficar com o plano existente, ok? "

Eu lutei e lutei. Eu mostrei-lhes um livro chamado "A verdade sobre Maomé", mas foi derrubado desde que o autor era um homem chamado Robert Spencer e meus apoiantes apontaram que o Southern Poverty Law Center considerava o seu site "Jihad Watch" como parte de um grupo de ódio. Pedi-lhes que assistissem um documentário chamado "Islão: O que o Ocidente Precisa Saber" e disse que eu investiguei de forma independente e verifiquei a verdade sobre o que estava sendo apresentado lá, mas eles nem sequer assistiram a esse documentário, pois estavam certos que era "discurso de ódio" e "propaganda projetada para espalhar o medo". Provavelmente não é preciso dizer que, agora, fiquei muito frustrado. Mostrei aos meus novos apoiadores vários versos do Alcorão que pediam o assassinato de infiéis e foi dito que esses versículos provavelmente estavam sendo retirados do contexto. Mostrei-lhes um videoclipe da MEMRI TV de uma jovem criança egípcia que recita um Hadith que pede o assassinato de judeus e fui informado de que "você não pode confiar no MEMRI porque tem uma agenda.”

Eu mencionei o popular site de vigilância da islamofobia "Loonwatch" e como eu tinha notado um padrão de deflexão em todas as críticas ao islamismo radical e violento chamando qualquer um que publicamente levanta essas preocupações um lunático, e como eu percebí, isso era um esforço intencional para fornecer uma cortina de fumaça para os terroristas. Eu também notei que tudo o que Loonwatch disse estava amarrado com o Conselho sobre Relações Islâmicas Americanas (CAIR) e agora o CAIR foi nomeado um co-conspirador não declarado no processo da Fundação Terra Santa - a maior instituição de caridade islâmica, de uma só vez, que foi criada para fornecer dinheiro para organizações terroristas islâmicas. Eu também notei que a CAIR tinha vínculos com o Hamas e a Irmandade Muçulmana e que Al Qeada havia saído da Irmandade Muçulmana. Eu expressei minhas preocupações de que o imã egípcio do Centro Islâmico de Murfreesboro poderia ter vínculos com a Irmandade Muçulmana, algo que eu não tinha investigado adequadamente. Mas desde que o CAIR teve o apoio de Glenn Greenwald e do programa de Amy Goodman, Democracy Now, foi-me dito que eu tinha errado nos meus julgamentos. Também foi me dito que se CAIR fosse supostamente algum tipo de fronte terrorista, então, por que eles ainda têm um status de isenção de impostos e por que eles ainda estão por aí? Quando eu disse que não sei, mas era possível que o governo preferisse observá-los ao ar livre, em vez de arriscar-se a ve-los entrar no subsolo. Foi-me dito que meu julgamento era cada vez menos claro e talvez eu precisasse dar um passo atrás ao projeto por um tempo.

Como última tentativa, eu mostrei as imagens do Imam em Murfreesboro perdoando apedrejamento, admitindo que Maomé matara alguém até a morte, dizendo que para as mulheres não se pode confiar dinheiro porque são irracionais. Então, eu apontei que um membro do conselho do Centro Islâmico de Murfreesboro foi investigado depois que fotos de sua página do MySpace apareceram indicando suas fortes simpatias com o Hamas. Lembrei-me de que o Hamas era também um partido político que foi eleito democraticamente e que eu precisava fazer uma escolha - quer fique com o plano original ou então devolva o dinheiro e vá encontrar outro suporte. Foi o que eu fiz. Eu andei. Se eu não posso fazer um documentário honesto, então estou no negócio errado. Eu não queria adicionar mais ao ruído que está lá fora - eu queria fazer algo que contasse a verdade, mesmo que essa verdade seja difícil de engolir.

É engraçado porque eu administro um site chamado Global One TV, que já teve cerca de 23 milhões de visitantes até agora, e o tema deste blog é que "A Revolução Interna cria uma Revolução Externa". E aqui eu estava tendo que tomar meu próprio remédio. Minha própria revolução interna - o questionamento das conclusões de alguém em busca de uma verdade mais profunda - me levou a um lugar muito estranho. Pensei na famosa citação de Nietzsche que diz:: "Quando você olha para o abismo, o abismo também olha para você". E com nada a perder, usei minha posição no Daily Kos para dizer a verdade.

Em janeiro de 2012 escrevi 3 artigos consecutivos para o Daily Kos. O primeiro foi intitulado "Loonwatch.com e Islam Radical". Nele, eu indiquei como Loonwatch apenas desvia a crítica do islamismo radical. Eu também criticava a teologia islâmica, observando repetidas vezes que a maioria dos muçulmanos era pacífica. A seção de comentários do Daily Kos me fez sentir como se estivesse participando do meu próprio funeral. Era como uma lapidação pública. Não havia como responder a nenhum dos pontos expostos no meu artigo, mas centenas de comentários me acusavam de ser "direitista", um "fanático" e um "lslamofóbico". Isso foi decepcionante.

No dia seguinte, recebi um e-mail de Loonwatch.com com um artigo mostrando meu nome e uma fotografia do meu rosto, divulgado para grande parte do mundo islâmico, me chamando de "Loon at Large". Este artigo foi apanhado pela IslamophobiaToday.com e TheAmericanMuslim.org - mais tarde, foi reaproveitado por inúmeros blogs islâmicos em todo o mundo, inclusive em lugares em que todos sabemos o que acontece com quem é percebido como o inimigo de Alá ou que se atreve a "Insultar"o Islã.

O meu próximo artigo procurou continuar a fundamentar o meu ponto em relação a esses lobos em roupas de ovelha, chamando-se de "sites de vigilância da islamofobia" e sua primeira linha de defesa, que sendo uma blogósfera de infiéis de lemas liberais que estão pré-programados para descartar a palavra "islamofóbico". Esse artigo foi chamado de "Como e por que Loonwatch é uma rede de controle de circulação terrorista". E, como você pode ter adivinhado, essa peça foi encontrada com a mesma mentalidade da máfia daqueles que, ao invés de lerem o artigo e criticá-lo por seus méritos, dispararam o mensageiro com acusações de "islamofobia". Havia também 2 artigos no Daily Kos escritos em resposta me atacando pessoalmente, outro artigo de Loonwatch, onde alguém sugeriu que eu devia ser da TN e não ter educação, etc. E mais uma vez meu nome foi colocado na rua através de uma rede de blogs islâmicos, incluindo a página de destino para o CAIR, usando uma forma de falar duplo islâmico que traduziu para qualquer Jihadista sério significa "inimigo de Alá" e "insultar o Islã".

Dada a incrível estupidez da mente liberal, como os leitores dos meus artigos não conseguiram ver como as crenças do Islã estavam em conflito direto com direitos humanos, direitos dos homossexuais, direitos das mulheres e valores democráticos básicos, escrevi uma peça final chamada, "Você está a favor dos direitos humanos?" E isso, obviamente, me deixou proibido pelo Daily Kos. Deve-se notar que, em um dos artigos Loonwatch.com, o autor, uma pessoa que simplesmente se chama "Danios", exigiu que o Daily Kos me silenciasse e forneça um link para seus leitores enviarem um e-mail aos editores do Daily Kos, exigindo que este "Islamofobico" seja censurado. E funcionou - mais uma vez, provando a relação óleo-água entre o islamismo e a tolerância à liberdade de expressão.

As coisas ficaram ainda mais estranhas a partir daí. O próprio Robert Spencer me escreveu um e-mail e tivemos um diálogo bastante interessante. Ficou aparente quase imediatamente que não havia nada sobre esse homem que fosse remotamente odioso. Então, quando Robert Spencer perguntou se eu me importaria se ele reimprimisse meu e-mail em resposta ao dele no Jihad Watch, eu disse "claro, por que não?" Assim que este artigo foi publicado, a contagem de amigos na minha página de fãs do Facebook caiu de repente. Amigos e conhecidos me disseram que eu tinha me tornado um odiador, um pregador do medo e um islamofóbico. Eu assinalei que um islamofóbico é alguém com um medo irracional do Islã, mas não há como ser razoável com alguém tão profundamente indoutrinado na tirania da correção política.

E quase simultâneamente, veio a da notícia sobre o NYPD (a polícia de Nova York) usando como video de treinamento um documentário narrado por um muçulmano devoto que se opõe ao terrorismo e à jihad, que que deu conselhos a polícia e serviu no exército e foi médico de membros altamente colocados do governo dos Estados Unidos. Esse documentário foi chamado de "The Third Jihad" (A Terceira Jihad) e o CAIR estava chamando este filme "islamofóbico" e exigindo que o NYPD o retirasse imediatamente, o que, é claro,foi o que eles fizeram. O CAIR exigiu a remoção do chefe da NYPD e a blogosfera liberal fez um estardalhaço - principalmente com artigos sobre Huffington Post chamando o documentário "The Third Jihad" discurso de ódio e, claro, mais "islamofobia". Quando publiquei um link para este documentário na minha página do Facebook, recebi mais acusações de ser um islamofóbico por pessoas que recentemente me disseram o quanto eles foram inspirados e influenciados por meus escritos.

Depois que Jamie Glazov, da Frontpagemag.com - parte do David Horowitz Freedom Center - procurou-me para pedir para estar no seu programa de rádio (o que eu concordei) eu naveguei na web um pouco tentando obter uma melhor idéia de quem exatamente David Hororwitz era. Ficou claro quase que imediatamente que não compartilhamos os mesmos pontos de vista políticos, mas uma coisa que Horowitz disse que surgiu com uma clareza deslumbrante foi uma afirmação de que havia uma aliança profana entre a esquerda e o islamismo, com o islamismo radical usando a mídia liberal para criar uma cortina de fumaça para isso - um lugar onde o radical pode parecer moderado e receber apoio liberal. Ele também disse que, em muitas universidades dos Estados Unidos, os estudantes estavam sendo radicalizados, doutrinados na extrema esquerda. E lembrei de algo. Quase todos os organizadores do grupo de ativistas da faculdade que se manifestaram em favor da nova mesquita em Murfreesboro eram socialistas ou comunistas. Eram jovens e todos pareciam compartilhar um professor em particular que era um mentor para eles, um socialista que sempre parecia estar em volta de suas festas universitárias, infiltrando-se em sua cena social, levando os mais inteligentes e mais articulados para junto dele. As alas como o grupo do campus chamado simplesmente "Solidariedade" cresceram em números - de fato recrutando alguns estudantes enquanto se organizavam a favor da mesquita.

Então, aqui estamos hoje, como notícias de que o Kuweit é islamista e o NYPD responde ao CAIR, um braço de uma organização terrorista, sem preocupação com a correção política. Eu me tornei um conservador por causa de tudo isso? Na verdade não. Ainda me oponho a invasão do Iraque. Eu ainda sinto que todas as guerras devem ser evitadas, a menos que seja absolutamente necessário. Ainda acho que George W. Bush foi uma das piores coisas que aconteceu com os Estados Unidos na minha vida. Ainda apoio a igualdade matrimonial. Mas eu também sou ainda pró-vida. Você vê uma tendência aqui? Eu apoio os direitos humanos e oponho-me a qualquer coisa que pareça violar os direitos humanos.

E o que fica do Islã? Vejamos seu fundador - um homem que estuprou uma garota de 9 anos, um proprietário de escravos, um líder que ordenou que as pessoas fossem torturadas, para que os adúlteros fossem apedrejados, para que incontáveis incrédulos fossem decapitados, um assassino, um guerreiro que espalhava sua "religião da paz" pela espada, um homem que sofria de alucinações de vozes, dizendo-lhe que fizesse coisas violentas, um tirano, um maníaco homicida, talvez o equivalente a 100.000 Osama Bin Ladens. E esse lunático sádico é considerado o "homem ideal" no Islã. O que mais precisa ser dito sobre o Islã do que isso?

Então, neste clima onde pessoas inocentes são mortas quando os Alcorões são queimados, quando há tumultos e ameaças de bombas e assassinatos por meio de caricaturas que ofendem os muçulmanos, quando um escritor como Salman Rushdie é aconselhado pelas autoridades de inteligência indianas que não é seguro para ele entrar no país para participar do maior festival literário do mundo, quando os muçulmanos fora do festival ameaçam a violência, de modo que os organizadores do festival decidam cancelar até mesmo a apresentação em um vídeo de Rushdie durante a conferência, num mundo onde um homem, Theo Van Gough, foi baleado duas dúzias de vezes em plena luz do dia, depois esfaqueado, depois uma espada entrou no seu coração na calçada de uma rua européia, simplesmente por fazer um filme de 10 minutos sobre o maltrato de mulheres muçulmanas - em um mundo que é constantemente aterrorizado por militantes islâmicos cuja insanidade é cooptada por um exército de blogueiros liberais que dando desculpas para eles - quem nos diz que 9/11 foi provavelmente culpa nossa - o que será do meu documentário. E eu termino?

Como será que "Não é bem-vindo" será recebido? Os cinemas se recusam a mostrar, assim como aquelas muitas livrarias que removeram os desenhos animados dinamarqueses das prateleiras? Os festivais de cinema terão medo de exibi-lo? Minha vida estará em perigo? Algum clérigo islâmico lunático emitirá uma Fatwa pedindo minha morte? O CAIR ganhará ainda mais influência política e trabalhará dentro do sistema para proibi-lo como "discurso de ódio"? Será que os críticos temem suas vidas e, portanto, se recusam a comentá-lo?

A visão liberal de que a Jihad oculta é apenas uma teoria da conspiração, então qual teoria seria realmente verdadeira? Quem ganhará - a liberdade de expressão ou a selvageria de uma multidão crescente que se inclinou pela Jihad? Só posso lhe dizer isso. Eu não vou recuar. Não serei intimidado, ameaçado, forçado ou aterrorizado pela "religião da paz".

Cada um de nós tem uma responsabilidade para com as outras pessoas neste planeta, e especialmente com aqueles a quem iremos deixar este planeta após a nossa morte. E isso às vezes significa assumir uma posição impopular para proteger os direitos de pessoas inocentes. Loonwatch, CAIR e as outras inúmeras redes terroristas de controle de opinião - vocês não viram o meu fim. Não por um tiro longo. Como diz o ditado, "Você tem o direito de balançar os punhos, mas o direito acaba quando seu punho se conecta com o nariz".

E, a propósito, eu ainda acredito que, a menos que eles quebrem a lei, o Centro Islâmico de Murfreesboro tem o direito legal de construir sua casa de culto. Não precisamos gostar disso, mas, novamente, a Primeira Emenda foi projetada para não proteger as idéias populares - pois elas não precisam ser protegidas -, mas também para proteger idéias impopulares. Isso é algo que você não encontrará em nenhum país islâmico e também é algo que vale a pena proteger - mesmo quando a chamada "religião da paz" tentar fechá-lo.

Paz

Eric Allen Bell
Eric Allen Bell é um escritor e cineasta. Sua estréia como diretor, um curta-metragem intitulado "Missing Sock", foi colocado no prestigiado "Top 10 Short Films" de Film Threat. Ele passou a dirigir seu primeiro longa duração, "The Bondage", que estreou no South By South West Festival de Cinema, recebendo múltiplas ofertas e garantindo distribuição completa em cinemas. Seu projeto atual, um documentário intitulado "Not Welcome", narra a reação sobre a construção de uma mega-mesquita de 53 mil pés quadrados no meio do cinturão bíblico americano. Ele pode ser contactado em: Eric@BellMedia.org.




2 comentários:

Anônimo disse...

"Ser anti imperialista ou de esquerda"... como se "ser anti imperialista" fosse sinônimo de "ser de esquerda". Se esse blog começa com uma declaração falaciosa, o que dizer do restante do conteúdo...

José Atento disse...

Você vai ter que fazer mais do que jogar com palavras para criticar o conteudo do blog. Claro que anti-imperialismo não é sinônimo de Esquerda. São duas coisas distintas. E agora?
Se você tiver algum problema com o conteúdo do blog, por favor, seja claro. O que, especificamente, o incomoda? Eu terei o máximo prazer em esclarecer.