quarta-feira, 18 de abril de 2018

Presidente do PT pede que muçulmanos intervenham no Brasil para libertar o presidiário Lula


Palavras tais como "surreal", "Kafka" e "fatwa" vieram à minha mente quando eu assistí a este deplorável espetáculo da presidente nacional do Partido dos Trabalhados, a Senadora Gleisi Hofmann, pedindo uma intervenção dos árabes e palestinos no Brasil para libertar o ex-presidente, e atual presidiário, Lula, da prisão. Queiram ou não, O PT ainda é um dos mais importantes partidos políticos do Brasil. E ver uma senadora pedidno que extrangeiros intervenham no Brasil é uma traição sem limites.

Que espetáculo tosco. E pior, a que ponto os interesses políticos levam pessoas a traírem o seu próprio país.

E mais grave ainda, é que a senadora deixou bastante claro que ela não se referia aos "árabes" mas sim aos "muçulmanos" ao se referir de modo enfático aos palestinos. Ela deseja uma maior presença do Hamas ou da Jihad Islâmica no Brasil?

A rede de televisão al Jazeera é conhecida entre especialistas em terrorismo internacional como a porta-voz da Al-Qaeda, do Estado Islâmico e da Irmandade Muçulmana. A Al Jazeera é também conhecida pela propaganda de ódio aos judeus, de forma aberta ou subliminar. E a Senadora Gleisi se utilizou exatamente desta plataforma para pedir ajuda? Que tipo de ajuda ela quer da Al-Qaeda e do Estado Islâmico?

O que esta senadora aparentemente desmiolada deseja, jihad no Brasil? E o pior é que o site do PT apresentou isso como algo glorioso! 

Outrora uma centelha de esperança, o PT se tornou em um sindicato de ladrões. E agora, cai ainda mais, tornando-se em uma central de promoção do terrorismo. 


O que a Senadora Gleisi deveria ser presa segundo ao quebrar a Lei No. 7170, de 14 de dezembro de 1983, que "define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social." 

Esta lei está no site do planalto (veja link aqui; transcrição ao final do artigo), mas aqui damos destaque a: 


TíTULO II 
Dos Crimes e das Penas
Art. 8º - Entrar em entendimento ou negociação com governo ou grupo estrangeiro, ou seus agentes, para provocar guerra ou atos de hostilidade contra o Brasil.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único - Ocorrendo a guerra ou sendo desencadeados os atos de hostilidade, a pena aumenta-se até o dobro.
Mas o que a senadora disse que é tão sério? Estamos colocando o vídeo abaixo, mas dentre as diversas coisas ela distorce a situação ao colocar o Lula como "preso político" (ele é preso comum), ela joga com o anti-americanismo (ódio aos cristãos) e anti-semitismo (ódio aos judeus) tremendamente enraizado na mente muçulmana dizendo claramente que o tudo o que está acontecendo no Brasil (o combate contra a corrupção) é uma conspiração do Departamento de Estado dos EUA (lembre-se que os EUA são o "grande satã" e Israel é o "pequeno satã" ... ambos inimigos do islamismo por não aceitarem Alá e seu único profeta). Logo, indiretamente, ela afirma que o que está acontecendo no Brasil é contra os muçulmanos! Ou seja, ela está instigando o muçulmano comum no Orienté Médio e ao redor do mundo para ficar contra o Brasil e contra os brasileiros. 

O Brasil não é notícia na imprensa internacional. Os estrangeiros sabem muito pouco sobre o que se passa no Brasil, e os muçulmanos não são diferentes. Mas agora, vem esta senhora dizendo que o governo Lula era tão amigo dos muçulmanos, o único que visitou a Palestina, o único que foi a favor da uma pátria palestina (e não de uma solução de "dois Estados"), e insinuando que o ex-presidente Lula está sendo perseguido por uma conspiração dos EUA e de Israel ... Ao fazer este joguete com a "mente muçulmana", Gleise está incitando o ódio islâmico contra o Brasil e contra os brasileiros. 

Esta senadora precisa ser presa!





Presidência da República
Casa CivilSubchefia para Assuntos Jurídicos
Define os crimes contra a segurança nacional, a ordem política e social, estabelece seu processo e julgamento e dá outras providências.
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:
TÍTULO I
Disposições Gerais
Art. 1º - Esta Lei prevê os crimes que lesam ou expõem a perigo de lesão:
I - a integridade territorial e a soberania nacional;
Il - o regime representativo e democrático, a Federação e o Estado de Direito;
Ill - a pessoa dos chefes dos Poderes da União.
Art. 2º - Quando o fato estiver também previsto como crime no Código Penal, no Código Penal Militar ou em leis especiais, levar-se-ão em conta, para a aplicação desta Lei:
I - a motivação e os objetivos do agente;
II - a lesão real ou potencial aos bens jurídicos mencionados no artigo anterior.
Art. 3º - Pune-se a tentativa com a pena correspondente ao crime consumado, reduzida de um a dois terços, quando não houver expressa previsão e cominação específica para a figura tentada.
Parágrafo único - O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução, ou impede que o resultado se produza, só responde pelos atos já praticados.
Art. 4º - São circunstâncias que sempre agravam a pena, quando não elementares do crime:
I - ser o agente reincidente;
II - ter o agente:
a) praticado o crime com o auxílio, de qualquer espécie, de governo, organização internacional ou grupos estrangeiros;
b) promovido, organizado ou dirigido a atividade dos demais, no caso do concurso de agentes.
Art. 5º - Em tempo de paz, a execução da pena privativa da liberdade, não superior a dois anos,
pode ser suspensa, por dois a seis anos, desde que:
I - o condenado não seja reincidente em crime doloso, salvo o disposto no § 1º do art. 71 do Código Penal Militar;
II - os seus antecedentes e personalidade, os motivos e as circunstâncias do crime, bem como sua
conduta posterior, autorizem a presunção de que não tornará a delinqüir.
Parágrafo único - A sentença especificará as condições a que fica subordinada a suspensão.
Art. 6º - Extingue-se a punibilidade dos crimes previstos nesta Lei:
I - pela morte do agente;
Il - pela anistia ou indulto;
III - pela retroatividade da lei que não mais considera o fato como criminoso;
IV - pela prescrição.
Art. 7º - Na aplicação desta Lei, observar-se-á, no que couber, a Parte Geral do Código Penal Militar e, subsidiariamente, a sua Parte Especial.
Parágrafo único - Os menores de dezoito anos são penalmente inimputáveis, ficando sujeitos às normas estabelecidas na legislação especial.
TíTULO II
Dos Crimes e das Penas
Art. 8º - Entrar em entendimento ou negociação com governo ou grupo estrangeiro, ou seus agentes, para provocar guerra ou atos de hostilidade contra o Brasil.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único - Ocorrendo a guerra ou sendo desencadeados os atos de hostilidade, a pena aumenta-se até o dobro.
Art. 9º - Tentar submeter o território nacional, ou parte dele, ao domínio ou à soberania de outro país.
Pena: reclusão, de 4 a 20 anos.
Parágrafo único - Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até um terço; se resulta morte aumenta-se até a metade.
Art. 10 - Aliciar indivíduos de outro país para invasão do território nacional.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
Parágrafo único - Ocorrendo a invasão, a pena aumenta-se até o dobro.
Art. 11 - Tentar desmembrar parte do território nacional para constituir país independente.
Pena: reclusão, de 4 a 12 anos.
Art. 12 - Importar ou introduzir, no território nacional, por qualquer forma, sem autorização da autoridade federal competente, armamento ou material militar privativo das Forças Armadas.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
Parágrafo único - Na mesma pena incorre quem, sem autorização legal, fabrica, vende, transporta,
recebe, oculta, mantém em depósito ou distribui o armamento ou material militar de que trata este artigo.
Art. 13 - Comunicar, entregar ou permitir a comunicação ou a entrega, a governo ou grupo
estrangeiro, ou a organização ou grupo de existência ilegal, de dados, documentos ou cópias de documentos, planos, códigos, cifras ou assuntos que, no interesse do Estado brasileiro, são classificados como sigilosos.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único - Incorre na mesma pena quem:
I - com o objetivo de realizar os atos previstos neste artigo, mantém serviço de espionagem ou dele participa;
II - com o mesmo objetivo, realiza atividade aerofotográfica ou de sensoreamento remoto, em qualquer parte do território nacional;
III - oculta ou presta auxílio a espião, sabendo-o tal, para subtraí-lo à ação da autoridade pública;
IV - obtém ou revela, para fim de espionagem, desenhos, projetos, fotografias, notícias ou informações a respeito de técnicas, de tecnologias, de componentes, de equipamentos, de instalações ou de sistemas de processamento automatizado de dados, em uso ou em desenvolvimento no País, que, reputados essenciais para a sua defesa, segurança ou economia, devem permanecer em segredo.
Art. 14 - Facilitar, culposamente, a prática de qualquer dos crimes previstos nos arts. 12 e 13, e seus parágrafos.
Pena: detenção, de 1 a 5 anos.
Art. 15 - Praticar sabotagem contra instalações militares, meios de comunicações, meios e vias de transporte, estaleiros, portos, aeroportos, fábricas, usinas, barragem, depósitos e outras instalações congêneres.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
§ 1º - Se do fato resulta:
a) lesão corporal grave, a pena aumenta-se até a metade;
b) dano, destruição ou neutralização de meios de defesa ou de segurança; paralisação, total ou parcial, de atividade ou serviços públicos reputados essenciais para a defesa, a segurança ou a economia do País, a pena aumenta-se até o dobro;
c) morte, a pena aumenta-se até o triplo.
§ 2º - Punem-se os atos preparatórios de sabotagem com a pena deste artigo reduzida de dois terços, se o fato não constitui crime mais grave.
Art. 16 - Integrar ou manter associação, partido, comitê, entidade de classe ou grupamento que tenha por objetivo a mudança do regime vigente ou do Estado de Direito, por meios violentos ou com o emprego de grave ameaça.
Pena: reclusão, de 1 a 5 anos.
Art. 17 - Tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito.
Pena: reclusão, de 3 a 15 anos.
Parágrafo único.- Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até a metade; se resulta morte, aumenta-se até o dobro.
Art. 18 - Tentar impedir, com emprego de violência ou grave ameaça, o livre exercício de qualquer dos Poderes da União ou dos Estados.
Pena: reclusão, de 2 a 6 anos.
Art. 19 - Apoderar-se ou exercer o controle de aeronave, embarcação ou veículo de transporte coletivo, com emprego de violência ou grave ameaça à tripulação ou a passageiros.
Pena: reclusão, de 2 a 10 anos.
Parágrafo único - Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até o dobro; se resulta morte, aumenta-se até o triplo.
Art. 20 - Devastar, saquear, extorquir, roubar, seqüestrar, manter em cárcere privado, incendiar, depredar, provocar explosão, praticar atentado pessoal ou atos de terrorismo, por inconformismo político ou para obtenção de fundos destinados à manutenção de organizações políticas clandestinas ou subversivas.
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos.
Parágrafo único - Se do fato resulta lesão corporal grave, a pena aumenta-se até o dobro; se resulta morte, aumenta-se até o triplo.
Art. 21 - Revelar segredo obtido em razão de cargo, emprego ou função pública, relativamente a planos, ações ou operações militares ou policiais contra rebeldes, insurretos ou revolucionários.
Pena: reclusão, de 2 a 10 anos.
Art. 22 - Fazer, em público, propaganda:
I - de processos violentos ou ilegais para alteração da ordem política ou social;
II - de discriminação racial, de luta pela violência entre as classes sociais, de perseguição religiosa;
III - de guerra;
IV - de qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
Pena: detenção, de 1 a 4 anos.
§ 1º - A pena é aumentada de um terço quando a propaganda for feita em local de trabalho ou por meio de rádio ou televisão.
§ 2º - Sujeita-se à mesma pena quem distribui ou redistribui:
a) fundos destinados a realizar a propaganda de que trata este artigo;
b) ostensiva ou clandestinamente boletins ou panfletos contendo a mesma propaganda.
§ 3º - Não constitui propaganda criminosa a exposição, a crítica ou o debate de quaisquer doutrinas.
Art. 23 - Incitar:
I - à subversão da ordem política ou social;
II - à animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições
civis;
III - à luta com violência entre as classes sociais;
IV - à prática de qualquer dos crimes previstos nesta Lei.
Pena: reclusão, de 1 a 4 anos.
Art. 24 - Constituir, integrar ou manter organização ilegal de tipo militar, de qualquer forma ou natureza armada ou não, com ou sem fardamento, com finalidade combativa.
Pena: reclusão, de 2 a 8 anos.
Art. 25 - Fazer funcionar, de fato, ainda que sob falso nome ou forma simulada, partido político ou associação dissolvidos por força de disposição legal ou de decisão judicial.
Pena: reclusão, de 1 a 5 anos.
Art. 26 - Caluniar ou difamar o Presidente da República, o do Senado Federal, o da Câmara dos Deputados ou o do Supremo Tribunal Federal, imputando-lhes fato definido como crime ou fato ofensivo à reputação.
Pena: reclusão, de 1 a 4 anos.
Parágrafo único - Na mesma pena incorre quem, conhecendo o caráter ilícito da imputação, a propala ou divulga.
Art. 27 - Ofender a integridade corporal ou a saúde de qualquer das autoridades mencionadas no artigo anterior.
Pena: reclusão, de 1 a 3 anos.
§ 1º - Se a lesão é grave, aplica-se a pena de reclusão de 3 a 15 anos.
§ 2º - Se da lesão resulta a morte e as circunstâncias evidenciam que este resultado pode ser atribuído a título de culpa ao agente, a pena é aumentada até um terço.
Art. 28 - Atentar contra a liberdade pessoal de qualquer das autoridades referidas no art. 26.
Pena: reclusão, de 4 a 12 anos.
Art. 29 - Matar qualquer das autoridades referidas no art. 26.
Pena: reclusão, de 15 a 30 anos.
TíTULO III
Da Competência, do Processo e das normas Especiais de Procedimentos
Art. 30 - Compete à Justiça Militar processar e julgar os crimes previstos nesta Lei, com
observância das normas estabelecidas no Código de Processo Penal Militar, no que não colidirem com disposição desta Lei, ressalvada a competência originária do Supremo Tribunal Federal nos casos previstos na Constituição.
Parágrafo único - A ação penal é pública, promovendo-a o Ministério Público.
Art. 31 - Para apuração de fato que configure crime previsto nesta Lei, instaurar-se-á inquérito policial, pela Polícia Federal:
I - de ofício;
II - mediante requisição do Ministério Público;
III - mediante requisição de autoridade militar responsável pela segurança interna;
IV - mediante requisição do Ministro da Justiça.
Parágrafo único - Poderá a União delegar, mediante convênio, a Estado, ao Distrito Federal ou a Território, atribuições para a realização do inquérito referido neste artigo.
Art. 32 - Será instaurado inquérito Policial Militar se o agente for militar ou assemelhado, ou quando o crime:
I - lesar patrimônio sob administração militar;
II - for praticado em lugar diretamente sujeito à administração militar ou contra militar ou assemelhado em serviço;
III - for praticado nas regiões alcançadas pela decretação do estado de emergência ou do estado de sítio.
Art. 33 - Durante as investigações, a autoridade de que presidir o inquérito poderá manter o indiciado preso ou sob custódia, pelo prazo de quinze dias, comunicando imediatamente o fato ao juízo competente.
§ 1º - Em caso de justificada necessidade, esse prazo poderá ser dilatado por mais quinze dias, por decisão do juiz, a pedido do encarregado do inquérito, ouvido o Ministério Público.
§ 2º - A incomunicabilidade do indiciado, no período inicial das investigações, será permitida pelo prazo improrrogável de, no máximo, cinco dias.
§ 3º - O preso ou custodiado deverá ser recolhido e mantido em lugar diverso do destinado aos presos por crimes comuns, com estrita observância do disposto nos arts. 237 a 242 do Código de Processo Penal Militar.
§ 4º - Em qualquer fase do inquérito, a requerimento da defesa, do indiciado, de seu cônjuge, descendente ou ascendente, será realizado exame na pessoa do indiciado para verificação de sua integridade física e mental; uma via do laudo, elaborado por dois peritos médicos e instruída com fotografias, será juntada aos autos do inquérito.
§ 5º - Esgotado o prazo de quinze dias de prisão ou custódia ou de sua eventual prorrogação, o indiciado será imediatamente libertado, salvo se decretadas prisão preventiva, a requerimento do encarregado do inquérito ou do órgão do Ministério Público.
§ 6º - O tempo de prisão ou custódia será computado no de execução da pena privativa de liberdade.
Art. 34 - Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.
Art. 35 - Revogam-se a Lei nº 6.620, de 17 de dezembro de 1978, e demais disposições em contrário.
Brasília, em 14 de dezembro de 1983; 162º da Independência e 95º da República.
JOãO FIGUEIREDO
Ibrahim Abi-Ackel
Danilo Venturini

Este texto não substitui o publicado no D.O.U. de 15.12.1983

sábado, 14 de abril de 2018

O Dilema abraâmico do islão: o islamismo distorce as narrativas bíblicas para tomar posse daquilo que não lhe pertence


O islamismo distorce as narrativas bíblicas na tentativa de tomar para sí o que não lhe pertece. Por exemplo, no que diz respeito a Abraão. O Alcorão altera a narrativa bíblica de Abraão e Isac, substituindo o último por Ismael, além de ordenar a inimizade dos muçulmanos contra os infiéis não muçulmanos. 
O islamismo é uma mistura de paganismo árabe regurgitado com narrativas distorcidas da Bíblia.  

O Dilema abraâmico do islão

Artigo de Raymond Ibrahim
PJ Media, 5 de abril de 2018

Vamos supor que você tenha um avô de quem você gosta de modo muito especial. Mas, inesperadamente, um estranho te diz: "Ei, esse é o meu avô!". Então, para que você pense que esse estranho está, de alguma forma, tentando agrada-lo, ele acrescenta: "Tudo o que você pensava que sabia sobre o vovô está errado!"

Isso não seria muito estranho para você? Mas essa é a pergunta que todos que acreditam na noção das “três Fé Abraâmicas” precisam responder.

Os defensores desta opinião acreditam que, já que Abraão é uma figura importante no judaísmo, cristianismo e islamismo (especialmente no primeiro e no último), todas as três religiões compartilham um fator comum que deve preencher as lacunas existentes e fomentar o entendimento entre elas.

Esta noção está entrincheirada na linha principal da opinião americana (e também no Brasil). Por exemplo, no jornal eletrônico Huffington Post, você pode ler que “Maomé rejeitou claramente o elitismo e o racismo e exigiu que os muçulmanos vissem seus irmãos e irmãs abraâmicas como iguais perante Deus”.

Enquanto visitava a Indonésia, o ex-secretário de Estado dos EUA John Kerry bateu em um tambor de uma mesquita enquanto convocava os muçulmanos à oração: "Foi uma honra especial visitar esse lugar extraordinário de culto", ele disse. "Estamos todos ligados a um só Deus e as fés abraâmicas nos unem em amor pelo próximo e honra pelo mesmo Deus."

Depois que um muçulmano de uma mesquita de Oklahoma City decapitou uma mulher, “um funcionário do governo voou de Washington para Oklahoma para agradecer especialmente a congregação muçulmana”. Ele leu uma mensagem do ex-presidente Barack Obama: “Seu serviço é um um exemplo forte das poderosas raízes das religiões abraâmicas e de como nossas comunidades podem se unir e compartilhar de com paz com dignidade e senso de justiça. ”De fato, Obama tem falado freqüentemente sobre “as raízes abraâmicas compartilhadas de três das principais religiões do mundo”.

Mas a questão permanece: como é possível que a apropriação da herança de um povo por um outro pode ajudar os dois povos a se darem bem?

Além disso, aqueles que atribuem a teoria das “três religiões abraâmicas” nunca mencionam - ou se incomodam em aprender - o problema principal: o Islã não trata os personagens bíblicos da mesma maneira que o Cristianismo o faz.

Os cristãos aceitam a Bíblia hebraica, ou o Antigo Testamento, como ele é. Eles não acrescentam, tiram ou distorcem os relatos dos patriarcas que os judeus também confiam. Por outro lado, ao mesmo tempo em que confiam nas figuras do Antigo e do Novo Testamento - principalmente para dar à sí um senso de antiguidade e de autoridade ligados a eles, o islamismo as transforma completamente para satisfazer a sua próprias agenda.

Basta apenas olhar para o tópico em questão para provar isso: Abraão.

Judeus e cristãos focalizam diferentes aspectos de Abraão - os primeiros o vêem como seu patriarca na carne, o segundo como seu patriarca na fé ou no espírito (por exemplo, Gálatas 3: 6), mas ambos confiam no mesmo relato textual de Abraão encontrado no Gênesis.

No relato muçulmano, no entanto, Abraão não apenas deixa seu país com a promessa de Deus de torná-lo “uma grande nação” (Gênesis 12), mas exemplifica o ódio que os muçulmanos são obrigados a ter pelos não-muçulmanos: "vocês têm um bom exemplo em Abraão e naqueles que o seguiram”, Alá informa os muçulmanos no Alcorão 60:4; “Pois disseram ao seu povo: 'Nós te negamos e os ídolos que você adora além de Alá. Nós te renunciamos: inimizade e ódio devem reinar entre nós até que vocês acreditem apenas em Alá'”(ênfase adicionada).

De fato, o Alorão 60:4 é o verso fundamental de que todos os muçulmanos "radicais" - da al-Qaeda ao Estado Islâmico - citam como prova de que todos os muçulmanos "devem ser hostis aos infiéis", mesmo que eles sejam liberais e gentis para com os muçulmanos.” (Para citar o Sheikh Ibn Taymiyya, The Al-Qaeda Reader, p. 84).

Imediatamente após citar 60:4, Osama bin Laden escreveu:
Portanto, há uma inimizade, evidenciada pela hostilidade feroz e um ódio interno do coração. E essa hostilidade feroz - isto é, batalha - cessa somente se o infiél se submeter à autoridade do Islã, ou se o seu sangue for proibido de ser derramado [se ele se tornar um dhimmi], ou se os muçulmanos são [naquele momento] fracos e incapazes [de espalhar a lei islâmica para o mundo]. Mas se o ódio a qualquer momento extingue-se dos corações, isso é uma grande apostasia; aquele que faz isto [extingue o ódio de seu coração] permanecerá sem desculpas diante de Alá [p. 43].
Tal é a mutilação que Abraão sofreu no Islã. Abraão não é apenas uma fonte de comunhão entre muçulmanos, de um lado, e judeus e cristãos, de outro; ele é a figura principal para justificar a "inimizade e ódio ... entre nós até que vocês acreditem apenas em Alá".

A apropriação de Abraão pelo Islã levou a outros problemas mais concretos, do tipo que se pode esperar quando um estranho aparece e diz que o lar em que você vive foi deixado a ele como herança pelo SEU antepassado supostamente "compartilhado". Embora os judeus reivindicassem a Terra Santa como seu direito de nascimento por pelo menos um milênio antes da chegada do Islã, Jerusalém é agora especial para os muçulmanos em parte porque eles também reivindicam Abraão e outras figuras bíblicas.

Como resultado, declarações como a de grupos cristãos tradicionais, por exemplo, a Igreja Presbiteriana dos EUA, são comuns: “[PCUSA] condena veementemente a decisão do presidente dos Estados Unidos [Trump] de definir Jerusalém como a capital judáica. Jerusalém é o coração espiritual de três religiões abraâmicas … ”

A apropriação e a mutilação de figuras bíblicas por parte do islamismo é uma fonte de problemas e não de soluções. E apenas uma mentalidade secular muito rasa não é capaz de compreender além do raciocínio superficial de que se as três religiões reivindicam as mesmas figuras, então todas elas devem, eventualmente, serem “amigas”.


quarta-feira, 11 de abril de 2018

Facebook baniu historiador alemão por dizer "o islamismo não faz parte da história alemã"


O islão faz parte da história da Europa no sentido que as invasões incessantes e o expansionismo islâmico levaram a Europa a se unir para se defender dele. 

Tyler O'Neal, PJ Media

No mês passado, o Facebook censurou um historiador alemão que postou uma mensagem sobre o impacto histórico do islamismo na Alemanha. O Facebook proibiu o historiador por 30 dias, apesar de 76% dos alemães concordarem que o islamismo não "pertence à Alemanha".

Michael Hesemann, jornalista e historiador do Vaticano com um doutorado honorário por seu trabalho na descoberta de documentos do genocídio armênio, publicou uma mensagem que o Facebook disse que "não corresponde aos padrões da nossa comunidade". A mensagem ofensiva era uma declaração histórica precisa - se exagerada. [Nota do Tradutor: a declaração não foi exagerada]

"O Islã sempre desempenha apenas um único papel na história de 1700 anos do Ocidente Cristão: o papel da espada de Dâmocles que pairava acima de nós, a ameaça da barbárie contra a qual era necessário se unir e lutar", escreveu Hesemann, segundo o NRW Direkt. "Nesse sentido, o Islã não faz parte da história alemã, mas a defesa contra o Islã!"

O Facebook argumentou que excluiria qualquer comentário que "atinja pessoas por causa de sua raça, etnia, origem nacional, orientação religiosa, orientação sexual, identidade sexual ou deficiência física", informou o site católico OnePeterFive.

A relação histórica entre o Islã e a Alemanha tornou-se um tema quente no último mês, com a ascensão do novo ministro do Interior, Horst Seehofer. O ex-presidente da Alemanha, Christian Wulff, declarou que "o Islã pertence à Alemanha" - e a chanceler Angela Merkel concordou.

"Não. O Islã não pertence à Alemanha", declarou Seehofer logo após assumir o cargo. "A Alemanha é caracterizada pelo cristianismo". Mesmo assim, ele acrescentou: "Os muçulmanos que vivem conosco naturalmente pertencem à Alemanha".

(leia artigo do Gatestone Institute sobre esta declaração do ministro do interior alemão)

Em uma recente pesquisa WELT-Trends, 76% dos alemães concordaram com Seehofer sobre esta questão, com 61% dizendo que "concordam fortemente". Apenas 20% dos alemães discordaram, insistindo que o Islã é fundamental para a Alemanha. Apenas quatro por cento disseram que estavam "indecisos".

O historiador lamentou o silêncio forçado da correção política nesta questão. "Isso diz muito sobre o estado deplorável de nossa democracia sob a chanceler Angela Merkel, quando um historiador pode não expressar fatos históricos simples", disse Hesemann à NRW Direkt.

"A questão de saber se o Islã pertence à Alemanha, como Merkel afirma, ou não, como Horst Seehofer afirmou, tem uma terceira resposta: sim, é parte de nossa história, embora de uma forma que pode ser desconfortável para muitos", afirma o historiador. disse.

"O Islã contribuiu significativamente para a integração européia. Sem o Islã, não teria havido Carlos Magno, cujo avô, como herói de Poitiers, cresceu além de seu papel como Hausmeier e lançou as bases para a dinastia carolíngia", disse Hesemann. Sem o Islã, não haveria "cruzadas e nenhuma transferência cultural associada, nem Renascimento - a conseqüência da queda de Constantinopla e a fuga de seus estudiosos para o Ocidente, nenhuma liga sagrada como a primeira aliança de defesa européia contra os turcos, e assim muito mais. "

O historiador estava se referindo à Batalha de Tours (732 dC), quando Charles Martel derrotou um exército muçulmano na França depois que os muçulmanos se espalharam para o norte da Espanha. Essa batalha uniu várias tribos francas, ajudando a criar a nação da França. O neto de Charles Martel, Carlos Magno ou Carlos Magno (742-814), uniu um vasto território sob seu domínio e fomentou um período de aprendizado conhecido como o "Renascimento carolíngio". Seu "Sacro Império Romano" desempenhou um papel colossal na história européia e durou cerca de 1000 anos.

Tantos momentos decisivos da história européia, da Batalha de Tours à Batalha de Lepanto (1571) e dos cercos de Viena (1529 e 1683), resultaram de conflitos diretos com a expansão islâmica.

Mesmo a descoberta das Américas por Cristóvão Colombo em 1492 teria sido incompreensível sem o Islã. O Rei Fernando e a Rainha Isabella, dos reinos unidos da Espanha, enviaram Colombo em sua viagem depois de derrotar os muçulmanos em Granada. Os portugueses iniciaram o colonialismo europeu em resposta ao controle muçulmano das rotas comerciais do leste, e os espanhóis contrataram Colombo para encontrar outra rota para o leste.

Sem a presença do Islã como uma "ameaça da barbárie", os europeus não teriam descoberto e colonizado as Américas, com todo o bem e o mal que vinham de suas expedições.

Na Alemanha em particular, o Sacro Império Romano de Carlos Magno inspirou uma identidade alemã separada, unindo eventualmente reinos díspares e estados-cidades no Império Alemão em 1871. Assim, sem o Islã, não haveria Alemanha - mas isso não significa que a Alemanha é islâmica. .

Resumindo esse tremendo impacto, o historiador vaticano Hesemann acrescentou: "Então o Islã certamente desempenhou um papel importante na história da Europa, e especialmente na Alemanha, mas não como parte de nossa cultura, na qual nunca foi integrado - mas como uma ameaça contra que se unir e superar todas as fronteiras e desacordos ".

"Diga: sem o Islã, um cristão ocidental nunca teria se definido nessa clareza", concluiu Hesemann.

O historiador disparou contra a ideia de que ele atacou pessoas por causa de sua afiliação religiosa. "Essa análise da história de nossa relação com o Islã no período entre os séculos 7 e 18 não afeta uma única pessoa viva", disse Hesemann.

"Ele não ataca o Islã, embora afirme que ele foi percebido pelo Ocidente cristão como barbarismo, um termo que, aliás, vem da Grécia antiga e significa todas as características não-gregas", explicou. "O Islã realmente não tem raízes gregas."

Hesemann explicou: "Ninguém se ressentiria quando um historiador afirma que os francos e os cruzados, por sua vez, foram entendidos por muitos muçulmanos como 'bárbaros' em alguns aspectos".

"Mas aqui, a avaliação histórica do Islã é simplesmente censurada e indigna de uma sociedade livre", brincou o historiador. "Obviamente, qualquer engajamento crítico com uma religião que se espalhou através da subjugação de outros povos e ainda hoje segue uma lei bárbara do século VII que segue a Sharia com suas brutais punições corporais e capitais, incluindo o apedrejamento e a crucificação."

"Aparentemente, cada historiador crítico deve agora calar a boca", disse Hesemann. "Eu protesto fortemente e pleiteio pelo direito de liberdade de expressão e livre discussão de fatos históricos."

De fato, eventos recentes na Alemanha sugerem que o Islã está se tornando uma espécie de religião estatal. Críticas à religião são consideradas inaceitáveis, e os imigrantes se safaram com crimes tão horríveis quanto o estupro por causa de sua herança cultural.

No mês passado, uma diretora alemã teria dito a uma garota cristã que tinha sido espancada por colegas muçulmanos que ela deveria usar uma hijab [véu islâmico] para evitar mais intimidação. No mesmo mês, um juiz alemão ordenou que a Volkswagen recontratasse um homem que era suspeito de recrutar para o Estado Islâmico (ISIS). No ano passado, um turco foi absolvido após estuprar uma alemã porque seu sexo violento forçado não era "culturalmente" considerado estupro.

Onde o Islã é ou não fundamentalmente bárbaro, a interpretação da história de Michael Hesemann está correta. Os europeus temiam o Islã e se uniam para combatê-lo, forjando uma identidade cristã em contraste com a religião de Maomé.

O Facebook não deve banir historiadores que dizem verdades difíceis. Com o Facebook banindo Hesemann por essa história, será que ele censuraria um muçulmano por dizer que os cruzados eram "bárbaros"? O Facebook consideraria um insulto para os ateus se um cristão falasse que os regimes ateus mataram centenas de milhões de pessoas no século 20? Os fatos históricos nunca devem ser censurados, e o Facebook deveria ter vergonha desse comportamento.

Nota: Infelizmente, os grupos mais poderosos de mídia social (Facebook, Twiter e Google-YouTube) vem retirando a monetização (modo de ganhar dinheiro pela Internet) e suspendendo temporáriamente ou mesmo banindo para sempre canais e contas particulares daqueles que criticam a islamização e o apoio que governos (de países tais como Alemanha, Inglaterra, Suécia e Canadá) vêm dando para isso.



sábado, 7 de abril de 2018

Bélgica: partido islâmico admite objetivo de implantar governo 100% islâmico; partidos islâmicos na Europa crescem com a imigração muçulmana


O Partido Islâmico Belga Partij Islam está pronto para concorrer a candidatos em 28 municípios nas próximas eleições municipais belgas, e declararam sua intenção de criar um Estado Islâmico no qual mulheres e homens tenham que andar em ônibus separados.

O Partij Islam provavelmente espera ter sucesso em áreas altamente povoadas por muçulmanos como Molenbeek e Anderlecht, onde o partido já tem alguma representação, relata o HLN.

O conselheiro municipal de Anderlecht, Redouane Ahrouch, o tesoureiro do partido, disse à imprensa belga: "Nosso objetivo é um estado islâmico cem por cento".

Ahrouch, que também trabalha como motorista de ônibus em Anderlecht, disse que muitas mulheres se queixaram de que os homens estavam tentando persegui-las sexualmente. Sua solução para o problema, segundo ele, é separar o transporte público por sexo, para que as mulheres tenham seus próprios ônibus.

O partido também acredita que qualquer mulher deve ter permissão para usar o lenço islâmico em qualquer lugar que quiser e que todas as escolas do país devem ser forçadas a oferecer carne halal nos cardápios escolares. No ano passado, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos confirmou a proibição belga de usar o véu facial em público.

O secretário de Estado de Asilo e Migração da Bélgica, Theo Francken, criticou as posições do partido, dizendo: “As mulheres não têm direitos em seu mundo da Sharia. E começa com transporte público separado. Estou enojado com este partido islâmico. Eles estão cuspindo na Europa.

O partido não é o primeiro partido islâmico na Europa, pois partidos semelhantes surgiram em todo o continente em países como Holanda, Áustria e Suécia.

Denk, um partido muçulmano centrado principalmente na comunidade turca na Holanda, ganhou vários lugares nas eleições nacionais do ano passado, e o partido islâmico Nida em Roterdã tentou uma aliança com partidos de esquerda este ano até que a coalizão se dividiu por causa de um tweet de o partido que comparou Israel ao Estado Islâmico na Síria e no Iraque.

Enquanto isso, na Suécia, o partido Jasin foi impedido de se registrar pela comissão eleitoral do país, depois que surgiram revelações de que ele havia sido tomado por extremistas islâmicos radicais.





sábado, 17 de março de 2018

Atualizações em fevereiro de 2018

Veja o que entrou de novo no blog em fevereiro de 2018, exemplificando a aplicação da lei islâmica Sharia ao redor do mundo, seja por governos de países com maioria muçulmana, grupos islâmicos ou mesmo ações individuais.

O roubo e profanação da "Pedra Negra" da Caaba, quando Alá foi sequestrado sem a defesa da sua "força aérea de pássaros"
Leia este artigo no blog.


Paquistão: tribunal de justiça manda tornar público dados pessoais de quem deixar o islamismo
O ato visa atingir os muçulmanos que adotam o rito Ahmadi, considerados como 'não muçulmanos' em emenda à constituição paquistanesa em 1974. "Qualquer um que deixar a fé islâmica deve ser considerado perigoso e precisa ser punido", disse Prof Madni, da Universidade do Punjab (RT)  


Direitos das Mulheres sob o Islão: Parte 3Parte 2Parte 1
A imigração muçulmana aliada ao políticamente correto do Ocidente estão tornando as mulheres ocidentais igualmente sem defesa frente ao avanço implacável da Sharia.
#NoHijabDay: mulheres ao redor do mundo queimam o véu islâmico (hijab)
Leia este artigo no blog.

Conselho Central Islâmico da Suíça defende a mutilação da genitália feminina (FGM)
Leia este artigo do blog.

França: 30% das mulheres que vivem nos subúrbios controlados por muçulmanos estão sob o risco de sofrerem mutilação genital (FGM)
Socióloga francesa e diretora do Grupo para a Abolição da Mutilação Sexual (GAMS), Isabelle Gillet-Faye, afirma que a prevalência da FGM nos subúrbios de Paris, frequentemente chamados de zonas proibidas (no-go zones), na Île-de-France, é algo de grande preocupação (Breitbart).

Irlanda: muçulmano defende "circuncizão feminina" e diz que criticá-la é racismo
Ali Selim, médico e porta-voz do Centro Cultural Islâmico da Irlanda em Clonskeagh, afirmou que a mutilação genital feminina (FGM) era parte do Islã por causa de um provérbio de seu profeta Maomé. Para ele, criticar a circuncisão feminina é racismo e preconceito, já que a maioria dos casos acontece com negros. O médico fez jogo de palavras ao dizer que a "circuncizão feminina" é diferente da "muitilação da genitália feminina." (mas como se em ambas o clítoris é removido?) (RTE)

Indonésia: mutilação genital feminina (FGM) feita em massa; líderes muçulmanos defendem a prática
Na Indonésia, o país mais populoso da maioria muçulmana do mundo, as meninas têm seus clítoris mutilados em massa em grandes cerimônias anuais (Guardian), e o Conselho Indonésio de Ulema - a maior autoridade clerical islâmica do país - opôs-se fortemente contra os esforços mundiais para proibi-los (Jakarta Post).
[notícias de 2012 e 2013, mas o problema persiste]

Somália: fatwa do governo da Somalilândia torna FGM obrigatória para todas as mulheres
Fatwa é um decreto islâmico. A Somalilândia é uma região autônoma dentro da Somália, um país onde 98% das mulheres e meninas sofrem FGM (Clarion)

Irã: pesquisa comprova que cresce oposição contra a obrigação do véu islâmico
Um estudo realizado pelo Centro de Estudos Estratégicos, um braço do escritório do presidente, entrevistou os iranianos quatro vezes entre 2006 e 2014. De acordo com o estudo, em 2006, 34% dos iranianos indicaram que desaprovavam o governo ditar o que as mulheres deviam usar. Até 2014, esse número aumentou para 49%. Da mesma forma, em 2006, 54% concordaram que as mulheres deveriam usar um chador, mas em 2014, apenas 35% pensavam assim. Não se sabe o motivo que levou o presidente do Irã divulgar este estudo (Clarion).

Irã: "Policia da Moralidade" prende mulher pelo uso indevido do véu islâmico (mostrava um pouquinho do cabelo)
Vídeo mostrando agentes da polícia da moralidade iranianas humilhando e assediando uma jovem mulher apenas eplo fato dela não estar usando usando o véu islâmico do modo islâmicamente adequado. Vídeo original de My Stealth Freedom.


Arábia Saudita: muçulmano casa com quatro esposas no mesmo dia
Ele se casou com quatro marroquinas (Tribune).

Alemanha: Feminista pró-refugiados admite que estava errada sobre imigração e vê Polônia e Hungria como “ilhas de estabilidade”
Após anos de atividades e militância a favor de refugiados, uma ativista feminista alemã, Rebecca Sommer, admite que sua visão sobre imigração e tudo aquilo pelo qual tinha lutado estava errado. Ela também disse à revista polonesa Do Rzeczy que ela conhece pessoalmente alemães que se preparam para migrar para a Polônia. (Panoramalivre, amigodeisrael)

Suécia: adolescente usa porrete para espancar irmã que se recusava a usar o véu islâmico
Em defesa da honra (Breitbart24blekinge)

Austrália: ex-muçulmana teve que correr de casa para evitar sua mãe que a forçava a usar o hijab
Em uma conferência em Melborne, ela relatou como a sua mãe a obrigava a usar o véu islâmico e a ofendia quando ela se recusava, chamando-o de prostituta. Ela mantém o anonimato para evitar represálias dos adeptos da "religião da paz" (Daily Mail)

Marrocos: lei sobre violência contra a mulher não proíbe marido de bater na esposa
A legislação engloba como violência aos atos de agressão e abuso através de mensagens de texto, mensagens vocais ou fotos, exploração sexual, agressão e abuso no local de trabalho e amplia a punição em situações como gravidez ou no caso de violência ser perpetrada por pessoas que são conhecido pela vítima, como colegas. No entanto, a legislação não contempla o abuso conjugal, uma questão controversa na sociedade civil. (ansamed)

Holanda: mulheres do governo se submetem e usam o véu islâmico durante visita ao Irã
Meses atrás, as mulheres do "governo feminista" da Suécia foram ao Irã e desfilaram usando o véu islâmico. Agora, foi a vez das "feministas" do governo holandês. O interessante é que a ministra Sigrig Kaag havia declarado a uma revista feminina SheDecides que era preciso criar condições para que as mulheres e meninas tivessem oportunidade de decidir sobre o seu corpo." (https://www.facebook.com/StealthyFreedom/posts/2103749626305787)


Afeganistão: jornalista ameaçada por deputado ao perguntar sobre estupro
A proeminente jornalista Isobel Yeung foi ameaçada de ter o nariz cortado por um deputado afegão depois de discordarem sobre "estupro" durante uma entrevista. Ela simplesmente queria saber se ele acreditava que a mulher deveria ser punida por estupro ou pelo homem.

Alemanha: movimento #120db tenta fazer as mulheres alemães reagirem aos ataques sexuais e assassinatos de mulheres por refugiados muçulmanos
Mais detalhes na website http://www.120db.info/en/.
[Video English subtitles: https://youtu.be/RJxU8iiyOS0]

Legendas em português (OK)

Nigéria: Boko Haram sequestra 111 alunas de escola feminina (para escravidão sexual)
Forças militares resgataram 76 delas e recuperaram o corpo de outras duas. As restantes estão desparecidas. Em 2014, o Boko Haram sequestrou 270 meninas de uma escola. Elas servem sexualmente aos jihadistas do grupo terrorista islâmico. (Guardian)


EUA: aluno de escola católica reclama da propaganda islâmica dentro da escola
Quem reclamou foi um aluno muçulmano! Ele diz que de católico, o Colégio Manhattan só tem a capela. Ele diz também que os professores são "progressistas" e totalmente pró-islâmicos (creepingsharia). 

Doutrinação nas prisões: maioria nas prisões na europa são "estrangeiros" 
  • Suíça: 80% dos presos na parte francesa da Suíça são "estrangeiros" (maioria do Norte da África e sub-Sahara).
  • Alemanha: "estrangeiros" são entre 50 a 60%.
  • França: "estrangeiros" mais de 60%
"Estrangeiros" é o modo politicamente correto de se referenciar a muçulmanos. (Breitbart)

Doutrinação nas prisões: literatura de Jihad nas prisões da Áustria
Desconfia-se que imãs e xeiques estejam radicalizando os presos muçulmanos, bem como tentando cooptar outros presos para a causa da jihad islâmica (Breitbart)

Turquia: Erdogan sugere que menina deva ser celebrada ao se tornar "mártir"
a islamização da Turquia à olhos vistos, onde crianças são motivadas a se tornarem "mártires islâmicos" (aqueles que matam e são mortos). (Suptnik)


Escravidão - Exemplos

Mauritânia: escravidão criticada pela União Africana
A União Africana repreendeu a Mauritânia por não ter tomado medidas contra a escravidão generalizada dentro de suas fronteiras e ordenou ao governo que dê uma compensação financeira a dois filhos escravos prejudicados por falhas no seu sistema legal. Esta foi a primeira vez que a União Africana se manifestou contra a prática generalizada da escravidão hereditária na Mauritânia, que os ativistas acreditam afetar vários milhares de pessoas. (Guardian)


O profeta (a paz esteja com ele) disse: "Se encontrardes alguém fazendo como o povo de Lot fez, matai aquele que faz e aquele a quem a coisa é feita." (Hadice Abu Dawood 38:4447) -- PS. O "povo de Lot" são os homens que aparecem na Bíblia querendo fazer sexo com os homens que se hospedaram na casa de Lot (Gênese 19:4-5)
Malásia "moderada": jornal publica lista de como identificar gays e lébicas 
"O tratamento cada vez pior de pessoas gays, lésbicas e transgêneros na Malásia está sendo conduzido em parte pela crescente influência do islamismo conservador, afirmam os críticos." (Daily Mail)

EUA: clérigo muçulmano diz que homossexualismo é doença contagiosa 
"Se você tiver um professor que e gay ou lésbica ... você vai pegar a doença." (MEMRI)

Halal - Boicote Halal 

Leia este artigo "Boicote Produtos Halal" para saber o que é "comida halal" e o porquê de boicotá-la. E visite os demais links.


Islamização do Brasil

Turquia patrocina programa de islamização que inclui o Brasil
Milhares de cópias do Alcorão serão distribuídos na América Latina. (Gospel Prime)

Argentina negocia com EUA modos de enfrentar tráfico de drogas do Hezbollah
Hezbollah é um grupo terrorista internacional financiado pelo Irã, que atua no tráfico de drogas na América Latina.
O secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, esteve em Buenos Aires para conversar com seu homólogo argentino, o ministro das Relações Exteriores, Jorge Faurie, e depois confirmaram que a questão foi discutida. "Com respeito ao Hezbollah, também falamos hoje em nossa discussão sobre toda a região sobre como devemos todos juntos para ir atrás dessas organizações criminosas transnacionais - tráfico de narcóticos, tráfico de seres humanos, contrabando, lavagem de dinheiro - porque vemos as conexões com terroristas organizações de financiamento também ", disse Tillerson
(Breitbart).

Provável candidato a vice de Lula, Requião grita "Allahu Akbar"







A Radicalização dos agentes de segurança, policiais e militares muçulmanos torna-se o grande medo das autoridades européias
Já surgiram diversos casos nos últimos anos de oficiais de segurança que apoiam os islâmicos no continente europeu. (Sputinik)

Canadá: "Jihadi Jack", canadense que se juntou ao Estado Islâmico, pede para voltar para casa
Jack Lets, um muçulmano converso que virou jihadista e se juntou ao Estado Islâmico na Síria, foi preso pelos milicianos curdos. Ele agora está pedindo que o governo canadense o resgate. O lema do atual governo canadense é "um canadense é um canadense." Ou seja, não importa se for um terrorista preso no exterior, o governo irá tentar soltá-lo e deixá-lo viver em liberdade no Canadá. É isso que foi feito com os 30 jihadistas que voltaram ao país (CBC).

Canadá: Assembléia de Toronto cria "Dia da Islamofobia" mesmo com a oposição da população
Apesar de pesquisa mostrar que 49% dos canadenses se opõem a um "dia da islamofobia" (apenas 17% são favoráveis) a Assembléia de Toronto (City Council) aprovou a sua criação. A votação foi feita com a presença de apenas 24 dos 45 membros. A data, 29 de janeiro, foi quando um homossexual matou o seu ex-namorado, e outros 8 que estavam no caminho, em uma mesquita de Quebec. O primeiro-ministro Justin "Jihad" Trudeau, bem como a imprensa, classificaram o incidente como um crime de ódio contra os muçulmanos. (Toronto Sun, Toronto Sun)

Suécia: muçulmano paquistanês nomeado Diretor do Conselho do Patrimônio Nacional da Suécia 
Qaisar Mahmood admite que não sabe nada sobre o patrimônio cultural da Suécia. Mas seu novo trabalho não é realmente sobre preservar e proteger o patrimônio cultural da Suécia e os sites históricos. Qaisar Mahmood está usando a sua posição não destacar e celebrar esse patrimônio, mas para minimizar o patrimônio cultural e a história  da Suécia, mas sim para criar uma narrativa falsa que ajudará a obrigar os suecos a aceitarem a imigração muçulmana em massa. Ele diz que não quer simplesmente educar as pessoas para artefatos vikingos e similares, mas sim usar a história da Suécia para "criar uma narrativa" que tornará os imigrantes muçulmanos uma parte dela, sem nunca terem sido (Frontepage).
  
Suécia: dentista demitido (e perde sua casa) ao provar que refugiados adolescentes são, na verdade, adultos  
Bernt Herlitz, 56 anos, a partir de exames de dentes, descobriu que muitos dos refugiados que se dizem adolescentes são na verdade adultos. Ele avisou o Departmento de Imigração. Ao invés de ser parabenizado, o dentista foi expulso do seu emprego . Ele esta sendo processado por "expor a privacidade de pacientes" e as custas equivalem ao valor da sua casa. Os jornais suecos ainda fizeram uma "execução pública",  acusando-o de ser um "ativista da extrema-direita" (Jihad Watch, Samhällsnyt).

Suécia: polícia começa a usar metralhadoras para retomar o controle das ruas de Malmö
Malmö tornou-se um enclave islâmico na Suécia. (Voice of Europe)

Grã-Bretanha: relatório sugere alterações na lei britânica para que ela se alinhe a lei islâmica (Sharia)
O relatório ‘The independent review into the application of sharia law in England and Wales’ sugere alterações na lei britânica de matrimônio e divórcio. O relatório também admite que existem dezenas de tribunais da Sharia operando em paralelo, dez deles online.
Repare que os muçulmanos são apenas 4 milhões em uma população de 66 milhões e já conseguem fazer este estrago!
Repare também que apenas muçulmanos fazem estas exigências. Não se vê nada semelhante por parte de indús, budistas, judeus ... (breitbart).
link para o relatório: https://www.gov.uk/government/publications/applying-sharia-law-in-england-and-wales-independent-review

Grã-Bretanha: rádio muçulmana multada por "discurso de ódio" contra os 'não muçulmanos'
A rádio disse que atos de violência contra 'não muçulmanos' trazem honra ao islão, e fez referências pejorativas aos 'não muçulmanos.'
Em particular, não muçulmanos foram chamados de kufar (plural de káfir) e "Kaafir I Murdaar" (que significa "descrentes sujos" na lingua urdú).
Mas, esperar o que se isso faz parte do islão?
(Eu fico surpreso deles terem sido multados; em breve, nem isso)
https://www.nottinghampost.com/news/nottingham-news/muslim-radio-station-fined-broadcasting-1271966

Pesquisa revela não existir crescimento do islamismo nos EUA devido a conversões
Leia o artigo no blog.

EUA determinam que entidades ligadas à Irmandade Muçulmana são terroristas
Grupos Ismail Haniyeh, Harakat al-Sabireen, Liwa al Thawra, e Harakat Sawa’d Misr (HASM) foram incluídas na lista de "terroristas globais" pelo Departamento de Estado. Estes grupos haviam sido denominados "terroristas" pelo Reino Unido no mês passado. (pjmedia)

Alemanha: 34 refugiados importam 130 familiares, além de segundas esposas
Dados migratórios do norte da Alemanha dizem que 34 refugiados trouxeram 130 membros da família para a Alemanha. São quase quatro vezes mais do que o número de pessoas que se candidataram.
Em outra região aconteceu algo semelhante. Em um caso do distrito de Pinneberg, um homem sírio se mudou para a Alemanha com seus quatro filhos e sua primeira esposa. Mais tarde, ele trouxe mais quatro filhos e agora recebeu permissão para trazer sua segunda esposa. Ele recebeu permissão para a reunificação familiar porque "as crianças não podem viver sem a mãe em um país estrangeiro." Fontes dizem que este já é o segundo caso de poligamia entre os refugiados sírios no distrito de Pinneberg. Na Síria, um homem pode se casar com até quatro mulheres.
De acordo com a lei alemã, os reintegrados têm que pagar os custos da entrada. Mas, assim que estiverem na Alemanha, o Estado (o contribuinte) pagará os custos. (Voice of Europe)

Alemanha: polícia manda críticos da política migratória deixarem o país
Esta foi a resposta da polícia a cidadãos que reclamaram da violencia do grupo ANTIFA durante manifestação das mulheres de Berlin. (searchlight-germany)

Alemanha: trens parados pela "oração islâmica"
Muçulmanos começaram a rezar sobre a linha de trem na cidade de Neumünster. O serviço ficou paralizado por meia hora para retirar estes "religiosos" da linha do trem. (searchlight-germany).

Alemanha: protestos em massa contra a política migratória de Merkel
Os protestos acontecem em várias cidades e parecem ganhar mais força. Cada vez mais a população alemã mostra seu descontentamento Merkel e seu governo. O estopim foi o assassinado da jovem de 15 anos, Mia, por um refugiado afegão, esfaqueada dentro de uma farmácia na cidade de Kandel. Algumas mulheres protestaram e foram acusada de xenofobia pelo prefeito. Isso levou a cidade a se revoltar em uma marcha. Existiram manifestações em Cottbus, Hamburgo, Dresden, Berlin, e novas manifestações estão previstas para amanhã (dia 24). Estas manifestações têm sempre a presença de agitadores da ANTIFA, que querem criar confusão (voiceofeurope, voiceofeurope, voiceofeurope, wochenblick).

Hungria: Premiê húngaro propõe lei contra ONGs que ajudam imigrantes
Viktor Orbán também quer fechar cerco contra George Soros. A Hungria está lutando para manter a usa soberania (Terra).

Áustria: Chanceler Sebastian Kurtz critica Merkel por condicionar fundos da União Européia e quotas de imigrantes
Ele diz que a União Européia existe para defender os direitos dos seus cidadãos e defender suas fronteiras. Ele criticou Merkel por estar demasiadamente concentrada nos refugiados (Die Welt).

Sebastian Kurz (esquerda) dando lição de governo a Angela Merkel (direita)

Turquia irá invadir a Grécia, será?
Turquia: invadindo a Síria; planejando a invasão da Grécia
A Turquia, sob a batuta do manda-chuva Erdogan está ocupando o norte da Síria, em torno da cidade de Afrin. Objetivo declarado: expulsar os curdos. Objetivo real: reocupar uma região que pertenceu ao Império Otomano.
Agora, fala-se em "reconquistar" as ilhas gregas no Mar Egeu (ilhas estas que, como toda a Turquia, diga-se de passagem, nunca foram turcas, mas sim conquistadas militarmente). O interessante é que o partido de oposição (da linha "secular" de Ataturk) concorda com Erdogan, o que mostra que em termos de imperialismo, tanto faz.
A Turquia invadiu o Chipre em 1974 e ocupa 50% do seu território até hoje. A Turquia está invadindo a Síria e o mundo está bocejando. O Erdogan deve achar que ocupar um punhado de ilhas gregas próximas da Turquia vai ser moleza e o mundo irá olhar para o lado novamente. Talvez ele esteja certo.
No mapa abaixo, a fronteira marítima entre Grécia e Turquia.
https://www.gatestoneinstitute.org/11954/turkey-threats-greek-islands
https://pt.gatestoneinstitute.org/11927/turquia-invadir-grecia
https://www.sabah.com.tr/fotohaber/gundem/iste-erdoganin-lozanla-verdik-dedigi-adalar





Suécia: bispo advoga pela chamada à oração islâmica em voz alta
O bispo Modeus, da Igreja Luterana sueca, está apoiando o pedido dos muçulmanos da cidade de Växjö de poderem transmitir a sua chamada à oração, cinco vezes por dia. Ele disse que quer ouvir isso junto com os sinos das igrejas [Bispo idiota, mude-se para a Arábia Saudita e peça permissão para construir uma igreja e todar o sino 5 vezes por dia, seu traidor sem fibra.] A Igreja Luterana sueca, a maior do país, é a mesma que elegeu uma bispa lésbica que defende a criação de espaço para as orações islâmicas dentro das igrejas. Não é de se estranhar a igreja sueca venha perdendo milhões de fiéis ao longo dos anos. A Igreja Sueca pertencia ao governo, mas passou a ser semi-autônoma desde 2000. Ela, contudo, reflete o pensamento do governo feminista da Suécia.  (Breitbart)

A bispa lésbica da Igreja da Suécia

EUA: para "im-pastora" metodista "nós somos todos muçulmanos"
Karen Oliveto é uma lésbica praticante e bispa da região "Big Sky" dos Metodistas Unidos dos EUA (Pulpit and Pen).


Grã-Bretanha: igreja promove evento inter-religioso "A Jihad de Jesus"
A igreja anglicana de Blackburn se juntou com islamistas e está promovendo um seminário baseado no livro de um escritor "cristão" australiano intitulado "A Jihad de Jesus: a luta pacífica sagrada em busca da justiça." Eles estão politizando Jesus em prol do islamismo (até onde eu me lembre, não usar o santo nome de Deus em vão é um dos dez mandamentos - exatamente isso que esses "cristãos" estão fazendo.) (lancashiretelegraph).



EUA: muçulmana que cometeu 8 incêndios criminosos afirma "A sorte de vocês é que eu não sei contruir uma bomba" 
Tnuza Jamal Hassan foi está sendo julgada pelo crime de "incêndios criminosos, todos os 8 feitos no campus da Universidade St. Catherine, em Mineápolis, onde estudava. Um deles foi em um prédio que comporta uma creche. No julgamento ela não se fez de rogada e disse que teria explodido os prédios se pudesse. (Twincities)

EUA: FBI confirma a existência de 22 campos de treinamento de jihadistas dentro dos EUA
O grupo jihadista Jamaat ul-Fuqra opera nos EUA sob o nome "Muçulmanos da América." Ele é composto de recém-conversos, a maioria negros que se converteram nas prisões. O grupo é comandado pelo Xeique Mubarak al Gilani no Paquistão. Existem 22 destas “Vilas Islâmicas” tais como “Islamberg” em Nova York, bem como outras vilas na Virginia, Carolina do Sul, Georgia, Tennessee, Texas, Michigan, Canadá e Trinidad e Tobago. Um dos membros do conselho da ul-Fuqrua é candidato a deputado federal nos EUA pelo estado de Massassuchets (Clarion).

EUA: policia investiga terrorismo após motorista sair atropelando pedrestres em Filadélfia
Kalil Lawal saiu atropelando pedestres até ser morto por policial em licença. (Fox)
http://www.foxnews.com/us/2018/01/29/off-duty-cop-shoots-driver-attempting-to-run-over-pedestrians-philadelphia-police-say.html

Bélgica: motorista muçulmano foge após atropelar pai e filho judeus
Video mostra incidente quando eles se dirigiam para a sinagoga na cidade de Antuérpia (PJ Media).
https://pjmedia.com/trending/video-muslim-driver-attempts-hit-run-jewish-father-son-belgium/

França: policial muçulmana presa por roubar armas, planejar jihad
Ela é considerada como uma "radical" pelas colegas e foi presa na "zona proibida" (no-go zone) de Seine-Saint-Denis (subúrbio de Paris). Outros 3 foram presos dentro da mesma investigação, um deles membro do exército francês (leparisien).

Rússia: jihadista ataca igreja ortodoxa, 5 mortos e 4 feridos, a maioria mulheres
O Estado islâmico reivindicou a responsabilidade pelo ataque aos cristãos que deixavam a missa de domingo da igreja ortodoxa russa na cidade Kizlyar, no Daguestão, uma região predominantemente muçulmana. Khalil Khalilov, 22 anos, estava armado com rifles de caça e abriu fogo, matando 5 mulheres. Ele gritava, claro, Allahu Akbar.  (breitbart, dailymail).

2018 Russia Ataque a igreja Khalil_Khalilov_s_body_.jpg

Filipinas, 27.2.2004: grupo terrorista islâmico Abu Sayyaf afunda barca "Super-Ferry" matando 116 pessoas
A barca conduzia 180 pessoas. Sendo nas Filipinas, a maioria deles seria composta de cristãos ou ateus, todos infiéis (káfir) (wikipedia)

França: descobertos complôs de ataques contra crianças e time de futebol
A polícia descobriu e prendeu os jihadistas que plenejavam "jihad pela causa de Alá" em um estádio e em uma escola primária. Um deles é um recém-converso (Express)

Jordânia: presos 17 jihadistas prestes a atacar a embaixada dos EUA
A célula jihadista iria se separar para ataques simultâneos no Instituto Francês da Jordânica, na Ro'ya TV, uma boate, uma fábrica de fosfato, uma igreja e o comércio de um judeu. (Clarion)

Alemanha: jihadista palestino condenado a prisão perpétua por assassinato à facadas
Ahmad Alhaw matou um e feriu outros seis à facadas, em Hamburgo, em julho de 2017, aos gritos de Allahu Akbar. “Para ele era importante matar o maior número possível de cristãos alemães. Queria que sua ação fosse entendida como uma contribuição à jihad mundial”. (istoe)

Jihad, Tipos de Jihad

Jihad Cultural

Jihad da Vitimização 

Canadá: muçulmana inventa ameaças para facilitar sua eleição no Conselho Escolar, mas a sua manobra foi descoberta
Nimra Amjad era candidata ao Conselho Escolar de Calgary. Ela disse que havia sido vítima de "ameaças racistas." A polícia descobriu que era mentira. Agora, ela está sendo processada por assinar um formulário oficial com informações falsas e de ter feito declarações falsas com propósitos eleitorais. Ela perdeu a eleição e agora está tendo que prestar contas com a polícia. (CBC)




Austrália: estudante muçulmana esfaqueia vizinho. "Eu vim para a Austrália para matar" - ela vestia uma burca durante o ataque
Momena Shoma, de Bangladesh, com visto de estudante, esfaqueou seu vizinho de 56 anos. Polícia trata o caso como "terrorismo inspirado no Estado Islâmico. Ela pode pegar prisão perpétua. (ABC)



"Se alguém ofender o profeta então não há problema, podemos matá-lo" 
Leia este artigo no blog.

Paquistão: milhares de muçulmanos vão às ruas exigindo o degolamento de adolescente cristão acusado de blasfêmia
Patras Masih, adolescente da cidade de Shahdara, perdeu o seu celular. Dias depois uma pessoa desconhecida postou "imagens de Maomé" na sua conta do Facebook. Um muçulmano o acusou de ter ferido a lei 295c do código penal, que estabelece crime de blasfêmia contra o islão. A multidão islâmica ameaça queimar a casa dos cristãos caso a polícia não prenda Patras  (britishpakistanichristians).

Malásia: dono de editora que publicou livro "Alá, amor e liberdade" sendo processado pelo Tribunal da Sharia 
O livro é de autoria da escritora Irshad Manji, uma reformista muçulmana (e lésbica). O Tribunal acusa o livro de conter "idéias confusas sobre o islão." (themalaymailonline).


Perseguição Cristãos: Parte 1Parte 2
"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
Políticos alemães alarmados pela escalada de 'crimes de ódio' anti-cristãos
 Leia este artigo no blog.

Alemanha: arcebispo condena a violência dos imigrantes muçulmanos contra cristãos e cristãos conversos 
A Igreja Católica considera o aumento dos ataques contra os cristãos na Alemanha algo assustador. O arcebispo de Bamberg, Ludwig Schick. disse existir "tendências de radicalização entre certos grupos de muçulmanos" bem como em outros setores da sociedade. Segundo ele, isso traz perigos à coesão social e à convivência pacífica." O arcebispo disse ainda que entre os refugiados do Oriente Médio que vieram para a Alemanha desde 2014, há indubitavelmente alguns que "não entendem nem aceitam a ordem liberal do nosso país, mesmo aqueles que não são refugiados, mas terroristas vieram. Esse é um fato que devemos responder. Mas também é verdade que a maioria daqueles que escaparam da guerra e do caos realmente apreciam as conquistas do nosso estado e da nossa sociedade e querem aceitá-los." No ano passado, houve quase 100 ataques contra cristãos na Alemanha. Entre eles um assassinato, nove feridos, um incêndio criminoso, além de casos em que igrejas e símbolos cristãos foram atacados. O caso de homicídio ocorreu em abril de 2017 em Prien am Chiemsee, e atualmente está sendo julgado em tribunal. (Die Welt)

Indonésia: homem armado com espada fere 4 pessoas em igreja católica
Instigado por "grupos radicais", um homem armado com uma espada atacou os fiéis durante a missa de domingo em uma igreja católica no domingo (11/2),  na cidade de Yogyakarta, Ilha de Java. Pelo menos quatro pessoas ficaram feridas,, inclusive o padre que rezava a missa. Ao chegar ao local, a polícia feriu o agressor. (New AsiaFront CatólicoABC)

Nigéria: etnia Fulani continua sua jihad contra o cristianismo
  1. Fulanis atacam 15 vilarejos e caçam os cristãos, com o propósito de limpar a região de todos os traços do cristianismo. O grupo atacou e caçou os habitantes dos vilarejos, destruindo e incendiando 9 igrejas bem como muitas casas. Em Song LGA, no Estado Adamawa.
  2. 25 vilarejos destruídos desde 15 de janeiro, no estado de Nasarawa. Os Fulani desejam expulsar os cristãos da etnia Tiv de suas terras ancestrais.
  3. Enquanto isso, ataques a propriedades e assassinatos continuam ocorrento nos estados de Benue e Taraba, a tal ponto do governador de Banue, Samuel Orton, ter alertado a população para "se proteger usando de todos os meios lícitos."
  4. Alunos muçulmanos da Moddibo Adama Universidade de Tecnologia em Yola, mataram um aluno cristão e feriram vários outros. Eles não ficaram satisfeitos com a eleição de um aluno cristão como presidente da associação de estudantes, temendo uma promoção do cristianismo. Oa atacantes gritavam (claro) Allahu Akbar (Alá é maior). (fonte: worldwatchmonitor)
Paquistão: menina cristã de 16 anos é estuprada por grupo e o trauma a deixa gaguejando
A menina de 16 anos já sofria de distúrbios mentais. Mesmo assim, 4 muçulmanos estupraram a infiél enquanto a sua mão estava no mercado fazendo compras para o Natal. A mãe e os irmãos pegaram os 4 em flagrantes e deram queixa, mas a polícia está agindo vagarosamente e registrou o estupro como tendo sido cometido por apenas um (britishpakistanichristians). O Alcorão diz que Alá gosta quando um muçulmano protege o outro, e é isso que a polícia está fazendo (como de costume).

Paquistão: cristão prefere pular de prédio a fazer sexo oral no seu primo acusado de blasfêmia
Sajid Masih foi chamado para ir à delegacia prestar depoimento sobre o seu primo, também cristão, acusado de blasfêmia contra o islão. Chegando lá, os policiais o levaram para o banheiro, onde ele foi despido e espancado. Quando os policiais mandaram-o fazer sexo oral no seu primo, ele correu e se jogou pela janela. Ele sobreviveu milagrosamente e está se recuperando no Hospital Geral de Lahore, onde deu depoimento ao seu advogado. A polícia abriu inquérito sobre o ocorrido mas espera-se que nada aconteça (talvez eles acusem Sajid de ter danificado a calçada na sua queda). (Christiansinpakistan)

"Lute contra aqueles que não acreditam em Alá ou no Último Dia, que não proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro, e  que não reconhecem a Religião da Verdade (islão), mesmo que sejam do Povo do Livro (cristãos e judeus), até que paguem o imposto tributo jizyah em submissão, sentindo-se subjugados e humilhados. "[Outra tradução diz:] "paguem o imposto em reconhecimento da nossa superioridade e do seu estado de sujeição". (Alcorão 9:29)
EUA: "Filho do Hamas" desmascara Arábia Saudita na ONU
Mosab Hassan Yousef é o filho de um dos líderes do Hamas.

https://youtu.be/Yj1Ezrmk-2Y

Bélgica: refugiado muçulmano preso por colocar Alcorão em sinagogas, e remover mezuzá da porta de residências
Mezuzá é uma decoração  (contendo uma oração ou um versículo da Torá) que judeus colocam na porta de suas casas com sinal de fé. O ódio contra os judeus aumenta com o aumento da população muçulmana (Arutz Sheva)

Gaza: Al-Jazeera TV relata as novas iniciativas do comércio e negócios em Gaza 
A Al-Jazeera fez reportagem sobre a crescente economia de consumo de Gaza, em um episódio do programa "Economia e Pessoas." A reportagem foi filmada em shopping centers, restaurantes e lugares turísticos, mostrando que o negócio está prosperando. De acordo com os investidores e empresários entrevistados, esse tipo de projeto é atrativo por causa da promessa de lucros rápidos e dos baixos riscos envolvidos, mas citou o fechamento dos cruzamentos fronteiriços como um fator importante que impede o desenvolvimento, e eles colocam suas esperanças na reconciliação do Fatah com o Hamas, o que, segundo eles, levaria a uma melhora das condições em Gaza e ao aumento dos lucros. O programa foi exibido em 26 de novembro de 2017. (MEMRI TV)


França: anti-semitismo islâmico acarreta em limpeza étnica dos judeus (Gatestone)
  • Pichações em casas de judeus alertam os proprietários para que "fujam imediatamente" se quiserem continuar vivos. Cartas anônimas com balas de verdade são colocadas em caixas postais de judeus.
  • As leis destinadas a punir as ameaças antissemitas agora são usadas para punir aqueles que as denunciam. Uma nova edição de um livro escolar de história da oitava série afirma que na França é proibido criticar o Islã.
  • Os judeus franceses que têm condições de emigrar, emigram mesmo. A maioria das partidas é feita às pressas, muitas famílias judias vendem suas casas a preços bem abaixo do valor de mercado. Os bairros judeus que outrora prosperavam agora encontram-se à beira da extinção.
  • "O problema é que o antissemitismo de hoje na França vem menos da extrema-direita do que de indivíduos da fé ou da cultura muçulmana". − Ex-primeiro-ministro da França Manuel Valls.

Mas quando os meses sagrados tiverem transcorrido, mate os idólatras onde quer que você os encontre, e capturai-os, e cerque-os, e arme ciladas para eles usando de todos os estratagemas (da guerra); mas caso eles se arrependam, observem a oração e paguem o zakat [ou seja, se tornem muçulmanos], abra o caminho para eles. Sabei que Alá é Indulgente, Misericordiosíssimo. (Alcorão 9:5)
Índia: guarda de templo sufista morto por devotos do islamismo tradicional
Muçulmanos se matam para definir quem é o mais fiel seguidor de Maomé (hindustan times)



Punições Islâmicas (sob a lei islâmica)

Estado Islâmico (ISIS) continua aplicando a lei islâmica nas regiões da Síria ainda sob o seu controle
Uma mulher foi apedrejada a morte Al-Shajara, na Síria, uma cidade que ainda controlada na parte sul do país. Embora ela vivesse com o marido, o grupo terrorista a acusou de adultério.
Abu Mohammed, que vive em Al-Shajara, relatou as circunstâncias de sua morte, bem como o chicoteamento de dois jovens para Al-Araby Al-Jadeed: "O exército de Khalid ibn al-Walid, uma organização ISIS, invadiu em um apartamento cinco dias atrás, disparando e prendendo todas as pessoas dentro. [Mais tarde], na praça principal, o ISIS apresentou dois jovens e uma mulher que estavam no apartamento na época, dizendo que todos foram presos por adultério. Eles apedrejaram a mulher até a morte porque ela era casada e os jovens foram chicoteados, cada um deles 80 vezes sem piedade porque eles são solteiros.
O marido, ele próprio membro do ISIS, fugiu. (Clarion, Al Araby)



Irã: autoridades acusam turistas de espionar programa nuclear com lagartos e camaleões 
Este argumento foi usado para justificar a prisão de turistas, cientistas e ambientalistas (Dawn).

Alemanha: imigrante sírio mata cachorro indefeso jogando-o fora de uma janela alta
Um buldogue francês foi morto na cidade alemã de Straubing. A mídia alemã diz que o perpetrador é um migrante de origem síria. (Voice of Europe)

Turquia: homens sem barba provocam pecado em outros homens
Clérigo islâmico turco Murat Bayaral  disse em um programa de televisão que os homens têm que usar barba. Quem não usa acaba provocando os outros homens, que pensam que os homens sem barba são mulheres. (Daily Mail)

ÍNDIA - muçulmanos queimam fraldas Pampers porque embalagem tem escrito que se assemelha com nome de Maomé em árabe
Os muçulmanos na Índia estão pedindo um boicote aos produtos da Pampers sob a alegação de que as linhas que ilustram os bigodes, o nariz, a boca e o olho esquerdo de um felino sorridente desenhado na embalagem foram colocadas de propósito para se parecerem com a grafia do nome "Maomé" quando escrito em árabe ou Urdu. A empresa nega isso veementemente. Mas como conversar com quem perdeu o cérebro? (Daily Mail)


.➽