sábado, 20 de janeiro de 2018

Alcorão exportado pelos sauditas incentiva os extremistas islâmicos


De onde vem a incitação ao islâmica terrorismo, guerra e escravidão, inclusive a sexual? Do Alcorão, exportado pela Arábia Saudita! 

Artigo escrito por Mark Durie*, no Quadrant2 de Novembro de 2017, sob o título "Chamando pela Jihad Violenta na Austrália", e republicado no Middle East Forum.
Menos de duas semanas antes de prender onze de seus companheiros príncipes, e derrubando o helicóptero de um décimo segundo (Mansour bin Muqrin) tentando fugir do país, e detendo dezenas de outros poderosos funcionários em 4 de novembro, o Príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman subiu ao palco na cerimônia de abertura da tão esperada conferência da Iniciativa de Investimento Futuro em Riyadh e prometeu voltar a "um Islã mais moderado" no reino saudita.
Enquanto que a afirmação do príncipe herdeiro foi capaz de apenas momentaneamente afastar os holofotes de Sophia, um robô humanoide alimentado por interligência artificial, sobre o qual os participantes da conferência foram informados da concessão da cidadania saudita a ele, Bin Salman sinalizou nas semanas desde a purga que ele fala sério sobre a luta contra o extremismo islâmico.
Se Bin Salman for realmente sério nesta sua intenção, ele deve começar por rever as dezenas de bilhões de dólares que seu reino gastou nas últimas décadas propagando o que o New York Times chama de "tensão rígida, intolerante, patriarcal e fundamentalista do Islã", ou seja, o wahhabismo. Até que os gastos acabem, os sauditas permanecerão, como disse Donald Trump no início da campanha presidencial, "os maiores financiadores do terrorismo no mundo".

Os Sauditas, os Emiratos Árabes Unidos e o Egito recentemente cortaram os laços diplomáticos com o Qatar e impuseram sanções, acusando o Qatar de apoiar o terrorismo. Os sauditas exigiram que o Qatar fechasse a Al-Jazeera e cortasse todos os laços com a Irmandade Muçulmana, Al Qaeda, Hezbollah e o Estado Islâmico. O apoio de longa data e bem conhecido do Qatar para a Irmandade Muçulmana, que visa unificar as nações muçulmanas sob um califado islâmico e tem redes de apoiadores em todo o Oriente Médio, agora é considerado uma séria ameaça para os seus vizinhos.
Este é o pote chamado a chaleira negra, pois a Arábia Saudita tem um longo histórico de exportar o radicalismo islâmico. Entre as suas exportações mais notáveis estão os milhões de alcorões traduzidos, que, através de comentários (principalmente nas notas de rodapé) e material de acompanhamento, incitam os muçulmanos a fazerem jihad violenta visando o estabelecimento um estado islâmico.

Entre os alcorões exportados pelos sauditas, há uma edição em língua inglesa, The Noble Qur'an (O Nobre Alcorão,) que pode ser encontrada em mesquitas, salas de oração e lugares de encontro ao redor do mundo. Qualquer pessoa que se peça visto à embaixada da Arábia Saudita em Canberra (Austrália) receberá uma cópia gratuita.

O Nobre Alcorão pode ser encontrado na mussala, ou sala de oração, do aeroporto de Canberra. Um exemplar, no que aparentemente é a mesma edição, com o termo "MUSSALA DO AEROPORTO" escrito em caneta de marcação preta no final da página, está disponível nos últimos quatro anos, desde que o novo aeroporto foi construído.

O Nobre Alcorão também está disponível publicamente em outros espaços de "multi-fé" que surgiram em instituições em toda a Austrália nos últimos anos, em universidades, hospitais e outros locais públicos.


O co-tradutor do Nobre Alcorão, Muhammad Taqi-ud-Din al-Hilali

O Nobre Alcorão do aeroporto de Canberra foi impresso por ordem do rei Abdullah da Arábia Saudita, que governou de 2005 a 2015. Inclui o texto árabe e, ao lado, a tradução inglesa de Muhammad Taqi-ud-Din al -Hilali e Muhammad Muhsin Khan.

Há também um endosso do Xeique Abdul-Aziz ibn Baz, juiz chefe da Arábia Saudita de 1993 a 1999, e um prefácio do Xeique Salih ibn Abdul-Aziz al-Shaikh, atual ministro saudita dos Assuntos islâmicos. Após o texto corânico, há cem páginas ou mais de apêndices, e sob o texto existem notas de rodapé, que oferecem um comentário. Há também interpolações frequentes entre colchetes para ajudar a esclarecer o significado da tradução.

Marcado "não está à venda", grandes quantidades do Nobre Alcorão impressas pelos sauditas são exportadas ao redor do mundo. O Complexo do Rei Fahd para a Imprensa do Alcorão Sagrado em Medina imprimiu mais de cem milhões de Alcorões em trinta e nove línguas desde a sua criação em 1985.

O Nobre Alcorão dourado, generosamente dourado, é distribuído como parte da da'wa global dos sauditas, ou seja, esforço para propagar o Islã. Que parece se dirigir a dois tipos de leitores.

Primeiro, o Nobre Alcorão procura alistar muçulmanos na jihad violenta contra os não-muçulmanos, para estabelecer um califado islâmico. Em segundo lugar, pretende envolver-se com os cristãos. O ensaio mais longo nos apêndices é um argumento de que Jesus era um profeta do Islã e comentários em todo o Alcorão Nobre - nas notas de rodapé explicativas, as interpolações entre colchetes e os apêndices - desafiam e "corrigem" os ensinamentos cristãos.

Às vezes é dito que, quando as pessoas usam versos do Alcorão para justificar a violência, eles as tiraram de contexto. Esta crítica não pode ser aplicada ao Nobre Alcorão, que segue um método islâmico tradicional de interpretar o Alcorão à luz do exemplo e dos ensinamentos de Maomé, conhecido como Sunna. De acordo com essa tradição, as citações da Sunna fornecem a grande parte das notas de rodapé explicativas.

Sobre os não-muçulmanos

As notas de rodapé no Nobre Alcorão são repetidamente depreciativas dos não-muçulmanos.

Por exemplo, uma nota para a Surata 10:19 (p. 272, fn1) cita Maomé para dizer que os seres humanos nascem muçulmanos e são "convertidos" para fora do islamismo por pais não muçulmanos. Segundo a nota, pais judeus ou cristãos que criam seus filhos em sua própria fé é semelhante a mutilá-los:
Todo filho nasce em al-Fitrah, mas seus pais o convertem para o judaísmo ou para o cristianismo ... Um animal dá à luz um animalzinho perfeito. Você vai encontrar o animalzinho mutilado?
A palavra al-fitrah refere-se à doutrina de que o estado inato dos seres humanos é ser muçulmano.

O texto em árabe do Alcorão diz que os não-muçulmanos são impuros (Surata 9:28), usando uma palavra depreciativa (najas). A nota de rodapé para este verso explica sobre os não-muçulmanos que:
Sua impureza é espiritual e física: espiritual porque eles não acreditam na Unidade de Alá e em seu Profeta Maomé ... e física, porque eles não têm higiene pessoal (são imundos em relação à urina, fezes e sangue [menstrual]). [p. 248, fn 2]
A Surata 3:85 afirma que "quem procura uma religião diferente do Islã, nunca será aceito, e no futuro será um dos perdedores." No comentário da nota de rodapé sobre este versículo, o Nobre Alcorão cita Maomé para explicar que os cristãos e judeus que morrerem descrentes em Maomé acabarão no Inferno:
não há nenhum dos judeus e cristãos ... que ouve sobre mim e depois morre sem acreditar na Mensagem com a qual fui enviado ... mas ele será um dos moradores do fogo (do inferno). [p. 84, fn 1]
Surata 4:47 adverte cristãos e judeus que eles devem acreditar em Maomé, ou então seus rostos serão levados para o inferno, aos quais os tradutores acrescentam, entre colchetes, "fazendo-os parecer como a parte de trás dos pescoços, sem nariz, boca, olhos." O comentário da nota explicativa explica ainda mais:

Este versículo é um aviso severo aos judeus e aos cristãos, e uma obrigação absoluta de que eles devem acreditar no Mensageiro de Allah, Maomé ... e também em sua Mensagem do Monoteísmo Islâmico e neste Alcorão. [p. 115, fn 2]

O Alcorão tem versos que exortam a tolerância de cristãos e judeus. No entanto, o Nobre Alcorão se esforça para enfatizar que tais versos foram cancelados por versos posteriores, seguindo o princípio contextual islâmico de abrogação (naskh). Aqui estão dois exemplos:
Primeiro, a Surata 2:62 afirma que um cristão ou judeu que "crê em Alá e no último dia e faça boas ações justas terá sua recompensa com o seu Senhor, sobre eles não haverá medo, nem se afligirão".
Isso poderia ser levado a implicar que os cristãos e judeus serão aceitos por Alá se eles seguirem sua fé corretamente. No entanto, o comentário sobre este verso esclarece que:

Este versículo (e versículo 5:69) ... não deve ser mal interpretado pelo leitor ... a provisão deste versículo foi abrogada pelo versículo 3:85 "e quem quer buscar uma religião diferente do islamismo, nunca será aceito por Ele, e no futuro, ele será um dos perdedores "(isto é, após a vinda do Profeta Maomé ... na terra, nenhuma outra religião, exceto o Islã, será aceita por qualquer um). [p. 13, fn 2]

O que esta nota de rodapé realmente está afirmando é que os cristãos e os judeus irão para o Inferno, a menos que eles aceitem o Islã, porque versículos anteriores que pareciam conter tolerância foram substituídos e cancelados por versículos posteriores.

Em segundo lugar, a Surata 2:109 afirma que os muçulmanos devem "perdoar e ignorar" os cristãos e os judeus, "até que Alá traga Seu Comando." No entanto, a nota de rodapé deixa claro que "a provisão deste versículo foi abrogada" (p. 21, fn 1) pela Surata 9:29. O versículo posterior ordena aos muçulmanos que combatam (isto é, matem) os cristãos e os judeus, a menos que, ou até que, eles se rendam aos muçulmanos e paguem tributo:

Lute contra aqueles que não crêem em Alá, nem no Último Dia, nem proíbem o que foi proibido por Alá e Seu Mensageiro (Maomé ...) e aqueles que não reconhecem a religião da verdade (isto é, o Islã) entre os povos das Escrituras (judeus e cristãos), até que paguem a Jizyah [é um imposto per capita cobrado a uma parte dos cidadãos não muçulmanos de um estado islâmico ] com uma submissão voluntária e se sintam subjugados. [Surata 9:29, p. 248]

Aqui, novamente, um versículo mais tolerante é reivindicado como tendo sido abrogado por um versículo posterior que comanda violência contra não-muçulmanos.

O significado da Jihad

Alguns muçulmanos têm proposto que o significado básico da jihad seja uma luta pacífica. Em contraste, o Nobre Alcorão define a jihad como travar guerra contra não-muçulmanos para tornar o islamismo dominante no mundo. Essa jihad é obrigatória para todos os muçulmanos, e rejeitar essa obrigação levará ao inferno.

Esta interpretação é clara no glossário, onde a entrada para a jihad é:


Sagrada luta na Causa de Alá ou qualquer outro tipo de esforço para tornar a Palavra de Alá (ou seja, o Islã) superior. A Jihad é considerada como um dos fundamentos do Islã. Veja a nota de rodapé de (V.2: 190) [p. 873]
A nota de rodapé referida é um comentário sobre a Surata 2: 190, "E lute no Caminho de Alá, aqueles que lutam contra você ..." Esta nota de rodapé lê:
Al-Jihad (luta sagrada) na Causa de Allah (com força total de números e armamento) é dada a maior importância no Islã e é um dos seus pilares (sobre o qual se sustenta). Através da Jihad, o Islã é estabelecido, a Palavra de Alá é feita superior, (Sua Palavra sendo La ilaha illallah, o que significa que ninguém tem o direito de ser adorado, mas Alá), e Sua Religião (Islã) é propagada. Ao abandonar a Jihad (que Alá nos proteja daquilo), o islamismo é destruído e os muçulmanos caem em uma posição inferior; Sua honra é perdida, suas terras são roubadas, sua regra e autoridade desaparecem. A Jihad é um dever obrigatório no Islã sobre todos os muçulmanos, e aquele que tenta escapar deste dever, ou no mais intimo de seu coração não deseja cumprir esse dever, morre com uma das qualidades de um hipócrita. [p. 39, fn 1]
Aqui o Nobre Alcorão está dizendo que o propósito da jihad é tornar os muçulmanos dominantes sobre os não-muçulmanos e o Islã dominando outras religiões. A guerra islâmica contra os não-muçulmanos é uma espécie de empreendimento missionário para difundir a fé, e qualquer muçulmano que não cumpre esse dever obrigatório é um "hipócrita".

O que é ruim em ser um "hipócrita" é esclarecido pelo Nobre Alcorão na página 906 dos apêndices: um hipócrita acabará nas mais baixas profundidades do inferno, o lugar da pior punição. O Nobre Alcorão está ensinando aqui que qualquer muçulmano que não se envolve e apoia a guerra para estabelecer o domínio do Islã está destinado a ocupar o lugar mais quente do inferno, pior do que o ocupado por não-muçulmanos.

Em sua nota de rodapé sobre a Surata 27:59, o Nobre Alcorão cita uma tradição de Maomé que se refere à jihad (pág. 512 fn 1). (Aqui, a jihad é definida como "luta santa".) A nota de rodapé enfatiza que lutar contra os não-muçulmanos é a melhor ação piedosa para um muçulmano, em segundo lugar apenas para se tornar muçulmano.

O califato e a guerra universal contra os não-muçulmanos

A surata 2: 252 (p. 55, fn2, correndo para a página 56) refere-se a Maomé como um mensageiro de Alá. A nota de rodapé deste versículo informa que a profecia de Maomé se distinguiu por certas características. Três destas são:
(i) Maomé foi vitorioso através do medo ou do terror dentro de uma região definida pela distância correspondente a um mês de viagem: "Alá me fez vitorioso pelo terror (por meio de assustar meus inimigos) por uma distância de um mês de viagem."
(ii) Ele foi o primeiro profeta de Alá a ter permissão para tirar o saque de seus inimigos: "A pilhagem foi feita Halal (legal) para mim ainda que não fosse legal para ninguém antes de mim."
(iii) Ao contrário dos profetas anteriores, ele foi enviado a toda a humanidade, não apenas a um grupo específico: "Todo Profeta costumava ser enviado apenas para sua nação, mas eu fui enviado a toda a humanidade."
A implicação deste terceiro ponto é que todos, em todos os lugares, são obrigados a aceitar Maomé como seu profeta, e os dois primeiros pontos mostram que ele foi comissionado exclusivamente para fazer guerra contra os incrédulos, aterrorizando-os e saqueando-os. Maomé é considerado o melhor exemplo para os muçulmanos seguirem, incluindo-se aí, fica claro, esses aspectos de sua carreira profética. O Nobre Alcorão enfatiza esses aspectos da missão de Maomé para ativá-los para a jihad.

Em sua nota de rodapé sobre a Surata 3:55 (p. 76, fn 1), o Nobre Alcorão afirma que, quando Jesus retornar, ele imporá a lei islâmica e quebrará a cruz (isto é, destruirá o cristianismo). Naquele tempo, Jesus vai acabar com a tolerância dos não-muçulmanos, de modo que "todas as pessoas serão obrigadas a abraçar o Islã e não haverá outra alternativa." Em outras palavras, eles serão obrigados a se converterem, pela força, se necessário.

Este ensinamento sobre o retorno de Jesus é repetido em um comentário sobre Surata 8:39 (p. 236, fn 1) e um comentário sobre Surata 61: 6 (p. 761, fn 2), que afirma que essa tradição se destina como "um severo aviso para os cristãos que afirmam serem os seguidores de 'Isa (Jesus) ... "Em essência, o Alcorão Nobre diz aos leitores cristãos que, quando ele retornar, Jesus os obrigará a abraçar o Islã e todas as pessoas na Terra terão que escolher entre o Islã e a morte.

O Complexo do Rei Fahd para a Impresão do Alcorão Sagrado em Medina produziu mais de 250 milhões de cópias do Alcorão

Em seu comentário sobre Surata 9:29 (p. 248, fn 2), o Nobre Alcorão cita uma tradição de Maomé sobre os judeus, que afirma: "A Hora (ou seja, a hora final) não será estabelecida até você lutar contra os judeus e a pedra, por trás da qual um judeu se esconderá, dirá: "Ó muçulmano! Há um judeu escondido atrás de mim, então mate ele." Então, no final, a própria criação clamará por sangue judeu.

Em uma interpolação na Surata 8:73, o Nobre Alcorão afirma que os muçulmanos do mundo não devem se aliar com os não-muçulmanos, mas se juntar "para tornar vitoriosa a fé da religião de Alá do monoteísmo islâmico" (p.224). É explicado em comentários que, se os muçulmanos não fizerem isso, haverá distúrbios terríveis e tribulações no mundo, com guerras, batalhas e colapso calamitoso da sociedade civil. Isto é devido aos efeitos deletérios das regras dos não-muçulmanos. Além disso, também é errado ter "muitos governantes muçulmanos", porque os muçulmanos devem se unir sob um único governante, o califa: "é uma obrigação legal ... que não haverá mais que um Khalifah para todo o mundo muçulmano ... "Além disso, qualquer um que trabalhe para dividir os muçulmanos em diferentes grupos sob diferentes governantes deve ser morto, de acordo com Maomé, que teria dito: "Quando todos vocês [muçulmanos] estão unidos ... e um homem vem para desintegrar  voces e separa-los em diferentes grupos, então mate aquele homem" (p. 242, fn 1). Isso pode significar que alguém que defende a divisão dos muçulmanos em estados-nações distintos, que é a ordem internacional de hoje, está sob pena de morte.

O Nobre Alcorão pinta uma visão supremacista de uma suprema vitória islâmica sobre todas as demais religiões, não-muçulmanas, na qual todos os não-muçulmanos serão convertidos ao Islã ou morrerão. O texto da Surata 3: 110 lê:
Vocês (verdadeiros crentes do monoteísmo islâmico ...) são as melhores pessoas criadas para a humanidade; vocês impõem al-Mahruf (monoteísmo islâmico e tudo o que o islã ordenou) e proíbem Al-Munkar (politeísmo, descrença e tudo o que o Islãismo proibiu) e vocês acreditam em Alá. [Surata 3: 110]
O comentário da nota de rodapé sobre este versículo explica:

"Você ... é o melhor das pessoas criadas para a humanidade", o melhor das pessoas para o povo, como você os traz com correntes em seus pescoços até que eles abraçem o Islã (e, assim, salvá-os do castigo eterno do fogo do inferno e fazê-os entrar no paraíso no futuro) ... As pessoas aqui referidas podem ser os prisioneiros de guerra que foram capturados e presos pelos muçulmanos, e sua prisão for a causa da sua conversão ao islamismo. Então, é como seu aprisionamento fossem o meio de ganhar o Paraíso. [p. 89, fn 1]

O Estado Islâmico (ISIS) usa a mesma interpretaçãopara justificar a escravidão

Esta nota de rodapé é uma referência a uma tradição de Maomé, que afirma que Alá se agrada em ver as pessoas entrarem no Paraíso acorrentadas. Isso justifica a guerra contra os não-muçulmanos, e forçá-los ao Islã através da escravização deles; escravizar os não-muçulmanos é uma bondade para eles, porque lhes permite atingir o Paraíso.

Esta interpretação da Surata 3: 110 é baseada no ensinamento de Maomé. Poderia ter algum aplicativo no mundo de hoje, ou é apenas uma letra morta?

A mesma tradição foi citada pelo Estado islâmico na edição de outubro de 2014 de sua revista Dabiq, que incluiu um artigo intitulado "O retorno da escravidão antes da hora":

[Maomé] disse: "Alá se maravilha com um povo que entra em Jannah [Paraíso] acorrentado". Os comentadores dos hadices mencionaram que isso se refere a pessoas que entram no Islã como escravas e depois entram em Jannah [Paraíso]. Abu Hurayrah ... disse ao comentar as palavras de Alá: "Você é a melhor nação produzida para a humanidade" ... "Você é a melhor pessoa para as pessoas. Você os traz com correntes ao pescoço, até que eles entram no Islã".
O mesmo sentimento também foi expresso por um soldado holandês do Estado islâmico, Israfil Yilmaz, que blogou sobre a motivação islâmica correta para a escravidão sexual:


As pessoas [que] pensam que ter uma concubina para o prazer sexual só têm uma mentalidade muito simples sobre este assunto ... A maior e melhor coisa de ter concubinas é apresentá-los ao islamismo em um ambiente islâmico, mostrando-os e ensinando-lhes a religião. Muitas das concubinas / escravas dos Companheiros do Profeta ... tornaram-se muçulmanas e até mesmo grandes comandantes e líderes na história islâmica e isso é se você me perguntar a verdadeira essência de ter escravas / concubinas.
Os tradutores que criaram o comentário no Nobre Alcorão e os líderes sauditas que endossaram o texto, sem dúvida, desejariam que os leitores tomassem em consideração os ensinamentos que tinham trabalhado para apresentar. A evidência é que muitos já o fizeram. O investimento dos sauditas de bilhões de dólares para espalhar os tipos de idéias encontradas no Nobre Alcorão não foi em vão, e o Estado islâmico fornece a prova.

A evidência de seu sucesso é encontrada na justificativa de Israfil Yilmaz para a escravidão sexual. Isso não só alinha-se com a propaganda oficial do ISIS: também está totalmente alinhado com os ensinamentos do Nobre Alcorão. Outro sinal da influência das idéias do Nobre Alcorão foi a enchurrada de milhares de recrutas do ISIS que fluem de nações ocidentais para se juntarem à jihad na Síria e no Iraque.

O que tudo isso significa?

Ahmed Farouk Musa, graduado da Faculdade de Medicina da Universidade Monash em Melbourne, disse a um fórum sobre extremismo muçulmano em Kuala Lumpur, em 7 de dezembro de 2014, que o Nobre Alcorão incita a violência contra os cristãos e outros não-muçulmanos: "Eu acredito que a propaganda como a tradução de Hilali-Khan e outros materiais que saem da Arábia Saudita são uma das principais causas que alimentam idéias extremistas entre os muçulmanos, violência contra cristãos e outras minorias ".

Não há uma Bíblia impressa, em qualquer lugar do mundo, judaica ou cristã, que contenha tal comentário incendiário como se encontra página após a página do Nobre Alcorão. Este é um livro sobre como iniciar uma guerra. A ideologia que promove está preparada para acender o fusível da jihad violenta.

Dado seu conteúdo, pode parecer surpreendente que uma cópia do Nobre Alcorão tenha estado sentado na sala de oração do aeroporto de Canberra nos últimos quatro anos. As características teológicas desta edição do Alcorão não são um segredo. No entanto, parece que nenhum muçulmano que usou a mussala se opôs, ou se o fizeram, as autoridades do aeroporto de Canberra não prestaram atenção. Os políticos de Canberra e seus muitos conselheiros também passam regularmente pelo corredor onde a mussala está localizada, mas nenhum deles parece ter pensado em verificar qual versão do Alcorão estava sendo usada na sala de oração do aeroporto.

No início deste ano, a Associação de Saúde Pública da Austrália pediu ao Comitê Permanente de Relações Exteriores, Defesa e Comércio que rejeite a "noção" de que exista um vínculo inerente entre o Islã e o terrorismo. Parece que as autoridades da Associação de Saúde Pública de Austrália também não visitaram a mussala do aeroporto de Canberra para ler seu Alcorão.


A sala de oração do aeroporto de Canberra

A mensagem do Nobre Alcorão não é um fenômeno marginal. Não é uma opinião das extremidades do mundo islâmico, mas do seu coração, apresentado como um presente, encadernado em ouro, do rei saudita, o Guardião das Duas Mesquitas Sagradas. A teologia política do Nobre Alcorão alinha-se ao dogma oficial da Arábia Saudita, e foi aprovada pelo rei saudita e pela justiça principal do país, o Grande Mufti.

É necessário entender a autenticidade do Nobre Alcorão e sua mensagem para o mundo. Aqueles que estão por trás do Nobre Alcorão acreditam manifestamente que a justiça será servida somente quando os muçulmanos dominarem o mundo e que a guerra necessária para atingir esse objetivo não é apenas justificada: é uma obrigação divisivelmente instituída, inescapável, incumbente de todos os muçulmanos, porque Maomé e o Alcorão é, como diz a Surata 21: 107, "uma misericórdia para os mundos".

Alguém, às vezes, pode ter a visão de que não cabe aos não-muçulmanos expressar opiniões sobre o Islã ou seus textos canônicos, como o Alcorão. Mas os comentários do Nobre Alcorão contidos no texto, que tem tanto a dizer sobre não-muçulmanos, especialmente judeus e cristãos, dá aos não-muçulmanos, especialmente judeus e cristãos, todo o direito de formar suas próprias opiniões sobre isso. Se um livro fala sobre você, você tem o direito de se decidir sobre o que tem a dizer.

Em 2002, Christopher Hitchens recebeu uma pergunta de Tony Jones no programa Lateline da rede ABC sobre o motivo pelo qual os homens jovens, na sua maioria bem educados, cometeram a atrocidade do 11 de setembro. A resposta de Hitchens foi: "Bem, pode ser que eles acreditam em sua própria propaganda". Temos que assumir que os responsáveis ​​pelo Nobre Alcorão acreditam em sua própria propaganda também, e que alguns que a leram foram influenciados a acreditar também.

O que os australianos devem fazer do fato de que os sauditas apresentaram uma desculpa aberta e sem vergonha para a jihad violenta, mesmo que recomendam a prática de escravizar inimigos, em nosso próprio quintal há anos, para não mostrar o Islã com uma luz pobre, mas para glorificá-lo?

O fato do Nobre Alcorão estar na mussala do aeroporto de Canberra não é um acidente. Esta edição do Alcorão, e os ensinamentos que promove, podem ser encontrados em livrarias islâmicas, bibliotecas públicas, salas de oração e mesquitas sunitas em todo o mundo de língua inglesa.

O historiador britânico Tom Holland produziu recentemente um documentário sobre ISIS chamado The Origins of Violence. Uma crítica mordaz do jornalista inglês Peter Oborne foi publicada no
Middle East Eye. Oborne criticou severamente Holland por sugerir que o problema com ISIS está com o Islã. Oborne achou repugnante sugerir que existe algo sobre o Islã que pode ser considerado uma "ameaça", e ele criticou a sugestão de Holland de que poderia haver qualquer coisa no exemplo e no ensinamento de Maomé (a quem Oborne respeitosamente chama de "O Profeta") que poderia ter guiado as ações do Estado islâmico.

Essa ignorância é fruto do analfabetismo religioso. Ou pode ser o problema? Maomé, louvado nas páginas do Alcorão por ser "vitorioso pelo terror", agora prolonga o seu reino de medo, não apenas pela distância de um mês de viagem, conforme Maomé declarou ter alcançado na Arábia do sétimo século, mas em catorze séculos, para a Austrália e o resto do mundo?

A propaganda, como a tradução de Hilali-Khan e outros materiais provenientes da Arábia Saudita, são uma das principais causas que alimentam idéias extremistas entre os muçulmanos, a violência contra os cristãos e outras minorias", de acordo com Ahmed Farouk Musa

É claro que muitos muçulmanos australianos, como Ahmed Farouk Musa, encontrarão as mensagens promovidas através das notas de rodapé e gloses do Nobre Alcorão absolutamente repugnantes. É decepcionante que esses muçulmanos bem-intencionados não tenham podido determinar qual versão de suas próprias escrituras deve ser colocada em uma sala de oração pública designada para seu uso. Eles poderiam ter pressionado o aeroporto de Canberra para que esta versão do Alcorão fosse substituída por outra, mas se eles fizeram isso, suas tentativas devem ter falhado.

A mensagem contida no Nobre Alcorão e sua ampla distribuição pública são assuntos que os australianos têm todo o direito de se preocupar. Sua mensagem foi promovida em público há anos com quase um sussurro de objeção vindo daqueles que deveriam saber melhor.

Seria inadequado e, de fato, irrelevante, se os nossos líderes respondessem à mensagem do Nobre Alcorão com declarações como "O verdadeiro Islã não promove o terrorismo" ou "Nenhuma religião verdadeira apoia a violência." Pois para as autoridades australianas se atreverem a instruir o Grande Mufti da Arábia Saudita ou o Guardião das Duas Mesquitas Sagradas sobre o que é o verdadeiro Islã seria ridículo e ofensivo. Mas os líderes da nossa nação, contra cujos cidadãos não-muçulmanos o Nobre Alcorão incita essa inimizade não disfarçada, têm todo o direito de dizer: "Não no nosso quintal!"

Mark Durie é pastor de uma igreja anglicana, companheiro de Shillman-Ginsburg no Middle East Forum e fundador do Instituto de Consciência Espiritual.




Nenhum comentário: